Pular para o conteúdo principal

MinC habilita entidades que farão arrecadação no cinema

É o último passo legal para que entidades que representam atores, diretores e roteiristas de cinema possam cobrar direitos sobre a exibição de seus filmes.
Nova Lei do Direito Autoral prevê uma entidade para fiscalizar os trabalhos e as arrecadações do Ecad.
Nova Lei do Direito Autoral prevê uma entidade para fiscalizar os trabalhos e as arrecadações do Ecad. (Agência Brasil)

O Diário Oficial da União publica nesta segunda-feira (3) a habilitação de entidades do setor de audiovisual que serão responsáveis pela cobrança, arrecadação e distribuição dos direitos de autor para essa categoria. Na prática, é o último passo legal para que entidades que representam atores, diretores e roteiristas de cinema possam cobrar direitos sobre a exibição de seus filmes. Até hoje, essa arrecadação é feita de forma organizada somente no meio da música, onde um escritório central Ecad, abriga sete associações de compositores (Abramus, Amar, Assim, Sbacem, Sicam, Socimpro, UBC, Abrac e Sadembra).

O atual ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, diz que apenas está cumprindo a nova lei dos Direitos Autorais, regulamentada em 2015, que previa a habilitação dessas novas entidades. Sobre a estrutura dessa mecânica inédita no Brasil (pelo mundo, ela existe em mais de 40 países), ele diz: "Esse ato não diz respeito ao que será feito ou como será feito. Essa organização nova vai caber à esfera do livre negócio de mercado. Um processo que se dará pela vontade das partes".

As associações habilitadas serão três. Seguindo a organização que existe na música, os atores, diretores e roteiristas deverão se filiar a uma delas. As associações poderão trabalhar também com o Ecad como escritório central, o que facilitaria uma fiscalização nacional que já conta com uma estrutura gigantesca. Sem ele, certamente se gastaria muito mais. Se recorrerem ao guarda chuva de um escritório central, a distribuição da renda obtida com a exibição de um filme em qualquer sala do Brasil se daria assim: aquilo que for pago pelos exibidores será dividido em 85% para os responsáveis da obra (diretor, roteirista, atores), 5% para as associações habilitadas agora pelo governo e 10% para o Ecad.

Apesar de não ter seguido em frente com isso, a nova Lei do Direito Autoral de 2013, regulamentada em 2015, prevê uma entidade ligada ao MinC para fiscalizar os trabalhos e as arrecadações do Ecad. Havia muitas acusações de falta de transparência nos trabalhos do escritório. Para não cair nos mesmos dilemas da música, que se divide em alas que frequentemente lutam para mudar a política de funcionamento, o setor do audiovisual precisa debater bem os detalhes dessas operações. "Creio que o impacto dessa arrecadação será muito positivo. Cria uma remuneração contínua para esses profissionais." A música, que tem escalas muito maiores que o cinema, arrecadou em 2017 R$ 1,2 bilhão para ser distribuído a 260 mil autores e intérpretes.

Mas, e quando o MinC acabar, algo que já está previsto pelo futuro presidente Jair Bolsonaro (em janeiro, a Cultura vai ser fundida com Esportes e Desenvolvimento Social em uma pasta única chamada Cidadania)? Quem garante que qualquer estrutura será mantida pela nova gestão? "Essas atribuições de ordem legal e constitucional serão de obrigação do governo, não importa se isso será feito por meio de ministério, secretaria ou coordenação", diz o atual ministro do MinC, Sérgio Sá Leitão. "Da nossa parte, vamos trabalhando até o dia 31 de dezembro."

Agência Estado

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…