Pular para o conteúdo principal

Natal: longe da periferia

Padre Geovane Saraiva*
Celebrar o Natal de Jesus Cristo em meio a bloqueios, muros e cercas, com toda a acentuação que se dá a lógica consumista e materialista, nos mostra a face de um mundo visivelmente enganoso, deixando clara a instrumentalização do personagem principal da festa, a qual estamos envolvidos. Embora nosso esforço seja enorme, ao pensar o contrário, vemos cristalizado seu paganismo, distanciando-nos sempre mais de seu verdadeiro significado, que é o da fragilidade de uma criança, que exulte feliz nas contradições da humanidade, no clima alegre e esperançoso do Natal do Senhor, favorecendo todas as pessoas, sem distinção, num bom e grande mergulho no projeto indulgente de Deus.
A imagem pode conter: 1 pessoa
No cumprimento das promessas, dons de Deus para a humanidade, na celebração do Natal, seria maravilhosa uma consciência sempre maior, de que a verdadeira festa do amor só mesmo pela segura convicção de que a glória de Deus quer se manifestar e brilhar entre nós, no Emanuel, o Deus conosco, na certeza de que chegou a salvação, no linguajar de São Paulo, na terna e amorosa bondade de Deus para com a criatura humana, no mistério de seu próprio Filho, salvando-nos por sua livre e benevolente  vontade (cf. Tt 3, 4-7).
A vinda de Jesus à terra foi e é indispensável, porque é a salvação, é Deus visível tornando-se gente no Menino Jesus, de Maria e José, como os vemos na manjedoura, figuras centrais, sendo que a verdadeira luz que ilumina todo homem é Cristo. A celebração solene e comovedora do nascimento do Filho de Deus quer ser a afirmação da nossa fé no mistério de Jesus, que desceu do céu e se encarnou na história da humanidade. Convençamo-nos do nascimento do Filho de Deus como esperança de dias melhores na utópica, porém necessária, crença, afinal não podemos perder de vista a expectativa de um mundo melhor, fraterno e justo.
Quando José e Maria encontram as portas fechadas na hospedaria de Belém, cidade periférica, eles têm que se deslocar daquele lugar, indo a outro ainda mais periférico. Lá, Jesus nasceu na estribaria, ajudando-nos mesmo a perceber o paradoxo do mundo de então e de nosso mundo. Jesus não nasceu em belas casas verticalizadas, nas ceias compostas de melhores iguarias, regadas de caras bebidas, que nos parece longe do terno, afável e sóbrio espírito do Natal.
Que a bondade de Deus na criança de Belém nos ajude em nossa caminhada de fé, não distraídos e despercebidos, diante da insensatez do mundo. Assim seja!
*Pároco de Santo Afonso, Jornalista, Blogueiro, Escritor e Colunista, integra a Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza - geovanesaraiva@gmail.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…