Pular para o conteúdo principal

Nobel da Paz reconhece dois símbolos da luta contra a violência sexual

Murad, 25 anos, e Mukwege, 63,foram reconhecidos pelo Comitê Nobel 'por seus esforços para acabar com o uso da violência sexual como arma de guerra'.

"Cada um, a sua maneira, ajudou a dar maior visibilidade à violência sexual em tempos de guerra, para que os autores prestem contas por suas ações", disse a presidente do Comitê Nobel. (AFP/Arquivos)

O ginecologista congolês Denis Mukwege e a ativista yazidi Nadia Murad, dois símbolos da luta contra a violência sexual, receberão na segunda-feira o Prêmio Nobel da Paz, que este ano chamou a atenção para o uso do estupro como arma de guerra.
Murad, 25 anos, e Mukwege, 63, receberão o prêmio em Oslo. Os dois foram reconhecidos pelo Comitê Nobel "por seus esforços para acabar com o uso da violência sexual como arma de guerra".
Mukwege trabalha há 20 anos no tratamento das feridas e traumas das mulheres que são vítimas de abusos no leste da República Democrática do Congo, região afetada pela guerra.
"Nós fomos capazes de traçar uma linha vermelha contra as armas químicas, as armas biológicas e as armas nucleares", declarou à AFP em 2016. "Agora devemos traçar também uma linha vermelha contra o estupro como arma de guerra".
Murad se tornou uma incansável defensora dos direitos dos yazidis desde que sobreviveu aos horrores do cativeiro nas mãos do grupo Estado Islâmico (EI), que conquistou amplas faixas de território no Iraque e Síria e transformou a comunidade de língua curda em um de seus alvos.
Capturada em 2014, foi submetida a um casamento forçado, agredida e vítima de um estupro coletivo antes de escapar.
Os dois vencedores dedicaram o prêmio às mulheres que sofrem violência sexual em todo o mundo.
"Denis Mukwege é o ajudante que dedicou sua vida a defender estas mulheres. Nadia Murad é a testemunha que fala dos abusos dos quais ela e outras foram vítimas", disse a presidente do Comitê Nobel, Berit Reiss-Andersen, ao anunciar o prêmio, em 5 de outubro.
"Cada um, a sua maneira, ajudou a dar maior visibilidade à violência sexual em tempos de guerra, para que os autores prestem contas por suas ações".
Busca por justiça
Murad e Mukwege representam o combate contra um flagelo global que vai além de uma única guerra, como demonstrou o movimento #MeToo.
Mukwege já tratou dezenas de milhares de vítimas, mulheres, crianças e até bebês de apenas alguns meses, em seu hospital de Panzi, que fundou em 1999 na região congolesa de Kivu do Sul.
Murad foi uma das milhares de yazidis sequestradas, agredidas e estupradas pelos extremistas do EI em 2014.
As mulheres mais velhas e os homens foram executados de modo sumário durante o avanço do EI, o que a ONU considera um possível genocídio. A mãe e seis irmãos de Murad morreram nas mãos do grupo.
Agora, Murad é embaixadora da ONU para a Dignidade dos Sobreviventes de Tráfico de Pessoas e lidera os esforços para proteger a comunidade yazidi. Também luta por justiça para as vítimas dos jihadistas, uma lua na qual tem o apoio da advogada dos direitos humanos Amal Clooney.
Mais de 6.800 yazidis foram sequestrados: 4.300 escaparam ou foram comprados como escravos, enquanto 2.500 seguem desaparecidos, de acordo com um relatório recente da Federação Internacional dos Direitos Humanos.
"Para mim, justiça não quer dizer matar todos os membros do Daesh que cometeram os crimes contras nós", disse Murad em outubro em Washington, ao utilizar o acrônimo em árabe para o EI.
"Justiça é levar os membros do Daesh a um tribunal e vê-los admitir à justiça os crimes que cometeram contra os yazidis e que sejam punidos por estes crimes", completou.
O Prêmio Nobel da Paz - uma medalha de ouro, um diploma e 9 milhões de coroas suecas (um milhão de dólares) - será entregue em uma cerimônia na Prefeitura de Oslo na segunda-feira às 12h GMT (10h de Brasília).

AFP

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Campus Party 2018 vendeu 30% a mais de ingressos que edição anterior

A feira de tecnologia Campus Party Brasília 2018 foi encerrada hoje (1°), após ter reunido milhares de pessoas em torno de palestras, oficinas e atividades com temas como o uso da tecnologia da computação, robótica, empreendedorismo e startups. Essa é a segunda edição do evento em Brasília, que começou no dia 27 de junho, no Estádio Nacional Mané Garrincha. Antes prevista para acontecer de 30 de maio a 3 de junho, a feira foi adiada para esta semana por causa da greve dos caminhoneiros. De acordo com o diretor da Campus Party Brasil, Tônico Novaes, o evento contabilizou um volume de vendas de ingressos pelo menos 30% maior que a primeira edição da Campus Party em Brasília, realizada no ano passado.  Para Tônico Novaes, a edição no Distrito Federal se destacou pela elevada participação e envolvimento dos que estão no evento.  “Os campuseiros daqui são realmente engajados no conteúdo. Andando por aqui você vai ver todos os workshops e bancadas cheias e a estrutura está bem maior que a …