O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.

Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)

Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de sol, lua e estrelas. A estrutura tem cerca de 1,5 milhão de lâmpadas de Led. Ao redor da árvore, acontecem atividades culturais e feira gastronômica. Em outros pontos da cidade, estão montados palcos para shows culturais. Um deles foi montado em frente à Catedral Metropolitana.
Para vivenciar o nascimento de Jesus, em âmbito eclesial, as pessoas se reúnem, nas comunidades, para celebrar a novena do Natal em família. Na noite do dia 24, além das missas, nas 107 paróquias e áreas pastorais da Arquidiocese, na Catedral Metropolitana, no centro da capital, a celebração será às 20 horas, presidida pelo arcebispo, Dom Jaime Vieira Rocha.
Mensagem do arcebispo

Em mensagem dirigida aos fiéis, o arcebispo de Natal (RN), dom Jaime Vieira Rocha lembra que no Natal, “nós podemos perceber que a nossa fé nos coloca diante de eventos que manifestam a ternura divina, a ação salvífica de nosso Deus, “o Senhor, Deus misericordioso e clemente, paciente, rico em bondade e fiel, que conserva a misericórdia por mil gerações” (Ex 34,6).
O arcebispo também pede confiança aos fiéis, nesta época natalina: “celebremos o Natal com confiança. A fragilidade do Menino de Belém, que chega ao cume na Cruz, nas mãos e pés cravados por pregos e o lado aberto pela lança, é o Senhor exaltado à direita de Deus, o mesmo que espera por todos nós, para que onde Ele estiver estejamos nós também (cf. Jo 14,3).”
Colaboração: Cacilda Menezes

CNBB

Comentários

Mais Visitadas

Jesus não precisava ser batizado

A verdadeira estrela

Filmes se destacam por mostrar a vida de mulheres ligadas à literatura

"Harry Potter" ajuda a salvar histórica Livraria Lello, em Portugal