Pular para o conteúdo principal

QUALIDADE DA EDUCAÇÃO EM XEQUE

Carlos Delano Rebouças*
Diferentemente de duas décadas atrás, o Brasil nunca havia ofertado tantas oportunidades para a aquisição de uma formação em nível superior, e mesmo de pós-graduação, nas mais variáveis áreas do conhecimento. Antes, com a exceção das entidades públicas, existiam pouquíssimas outras na iniciativa privada, e ainda bastante restrita quanto ao número de cursos e de áreas de formação.

Não demorou a haver uma verdadeira avalanche de novas entidades de ensino superior, sobretudo, pelo incentivo do poder público federal dos últimos governos. Novas instituições surgem a cada dia, oferecendo oportunidades diversas ao mercado, que entende que se faz necessário uma boa formação para se tornar competitivo, atendendo às suas exigências conforme a área de atuação.

Da mesma forma que surgiram novas instituições, oportunidades também chegaram para profissionais de educação, com alguma licenciatura, ou até mesmo para muitos que nunca pensaram em lecionar, por exemplo, advogados, engenheiros, médicos jornalistas, arquitetos e tantos outros de várias áreas de formação, responsáveis pelo repasse de conhecimentos, pela formação em alto nível de novos profissionais que desejam bem mais que adquirir conhecimentos, querem, na verdade, conquistar o tão sonhado diploma, acreditando que se trataria da inevitável abertura para o mercado de trabalho pelo resto de suas vidas.

Mas nem tudo vem acontecendo como o esperado, ou seja, nem as portas ficaram escancaradas para todos os diplomados, muitos frustrados do investimento feito que acreditaram que apenas com a realização de um curso de nível superior seria suficiente para o seu sucesso profissional, nem a tarefa de professor parece ser uma experiência maravilhosa para todos os profissionais. O que de fato se observa em muitos – docentes e discentes – é o desejo urgente de suprir uma necessidade, seja a de uma formação que atenda às necessidades do estudante de se encontrar no mercado de trabalho, que possa lhe garantir uma vida mais tranquila, seja a de complementar a sua renda como professor em algum horário livre, ou de se aventurar em uma nova atividade que venha a substituir uma escolha feita que não redundou em sucesso ou felicidade.

E o que resta a estudantes e professores, sobretudo aqueles que não estejam tendo suas expectativas atendidas, sejam elas deslumbramento com o futuro de sucesso profissional, sejam elas de total identificação com o ofício de professor, que requer bem mais que uma formação na área, requer conhecimentos e habilidades didáticas que não se aprende em qualquer curso?

Resta compreender que a educação deve ser feita com mais empenho e dedicação, a começar por uma mudança radical na postura das instituições de ensino, passando a ter um compromisso maior firmado com a qualidade e responsabilidade, desde a sua estruturação – física, administrativa e pedagógica – continuando com processos de seleção de alunos mais criteriosos e recrutamento de profissionais, especialmente de professores na mesma ordem, levando em conta sua formação, identificação com o ofício e história na educação, para que o objetivo maior – que é uma educação de qualidade que satisfaça todas as necessidades – seja absolutamente alcançado.

Mesmo sabendo que pode parecer utópico acreditar que a educação no Brasil – bem mais maquiada que verdadeira, sem de fato suas estatísticas corresponderem a verdade do que se espera de resultados que comprovam a qualidade do ensino – vamos vivendo, infelizmente, de enganações, de “faz de conta”, em um mundo capitalista no qual as instituições sabem que para sobreviver competitivamente precisam desconsiderar diversas prerrogativas que garantem a qualidade da educação. Essa é a realidade desnuda de um país que parece enxergar na educação de qualidade o seu maior inimigo.

*Professor de Língua Portuguesa e redação, conteudista, palestrante e facilitador de cursos e treinamentos, especialista em educação inclusiva e revisor de textos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…