Pular para o conteúdo principal

REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e texto
Questão controversa diz respeito à redução da maioridade penal.
Como é cediço, a imputabilidade penal tem início aos 18 anos, idade em que uma pessoa se torna penalmente responsável quando do cometimento de um crime.
Os menores de 18 anos são penalmente inimputáveis, ficando sujeitos ao Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA, que prevê a aplicação de medidas socioeducativas no caso de cometimento de atos infracionais.
Desde a entrada em vigor do ECA, temos acompanhado o aumento do número de adolescentes que cometem atos infracionais, que vão de furto a latrocínio, estupro a homicídio, tráfico de drogas, etc.
Atualmente, vem ganhando forma a proposta de redução da maioridade penal, da idade de 18 para 16 anos, objeto da PEC 171/93.
A nosso ver, a redução da maioridade penal nada mais fará que transferir uma incontável quantidade de jovens para os presídios já superlotados, incapazes de qualquer tentativa de ressocialização, notadamente ao se levar em conta que os presídios, hoje, são dominados por facções criminosas.
Mais uma vez, se pretende utilizar do Direito Penal para resolver o problema da criminalidade, quando esta não é e nunca será sua função; como se uma simples redução de faixa etária – a submeter uma pessoa às regras do Código Penal e não mais ao ECA -, tivesse o mágico condão de resolver o complicado problema da violência.
Tenta-se novamente atacar o problema da criminalidade em suas consequências, passando bem ao largo de suas causas: a desigualdade social, a impunidade, a corrupção, a pobreza, a precariedade de políticas públicas, a falta de emprego, dentre tantas outras.
Pensar em redução da criminalidade tão somente por meio de uma alteração legislativa, sem discutir e implantar uma série de políticas públicas, mesmo que a longo prazo, nos parece paliativa.
Dentro de dez anos, estaremos discutindo o mesmo problema, será apresentada a mesma pífia solução e, então, se pretenderá reduzir a maioridade penal, de 16 para 14, de 14 para 12.
Para que se possa pensar em aprovar tal PEC, no mínimo, é preciso tratar do tema com responsabilidade, para tanto, é imprescindível amparar-se em estudos, em estatísticas, discutir com os profissionais que lidam diretamente com o menor em situação de conflito com a lei, pesquisar o Direito Comparado, ouvir a sociedade, enfim, é fundamental haver um amplo diálogo, sob pena de, na tentativa de solucionar um problema, criar outro ainda maior.

Grecianny Carvalho Cordeiro
Promotora de Justiça

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Campus Party 2018 vendeu 30% a mais de ingressos que edição anterior

A feira de tecnologia Campus Party Brasília 2018 foi encerrada hoje (1°), após ter reunido milhares de pessoas em torno de palestras, oficinas e atividades com temas como o uso da tecnologia da computação, robótica, empreendedorismo e startups. Essa é a segunda edição do evento em Brasília, que começou no dia 27 de junho, no Estádio Nacional Mané Garrincha. Antes prevista para acontecer de 30 de maio a 3 de junho, a feira foi adiada para esta semana por causa da greve dos caminhoneiros. De acordo com o diretor da Campus Party Brasil, Tônico Novaes, o evento contabilizou um volume de vendas de ingressos pelo menos 30% maior que a primeira edição da Campus Party em Brasília, realizada no ano passado.  Para Tônico Novaes, a edição no Distrito Federal se destacou pela elevada participação e envolvimento dos que estão no evento.  “Os campuseiros daqui são realmente engajados no conteúdo. Andando por aqui você vai ver todos os workshops e bancadas cheias e a estrutura está bem maior que a …