Os maluquinhos da Auristela

Padre Geovane Saraiva*
Jesus, filho de Maria de Nazaré e do carpinteiro José, querendo, evidentemente, desmanchar a montanha da falta de esperança, do orgulho, do egoísmo que está dentro de nós, amparado pela tão visível simbologia do manto da paz, da justiça e da afável ternura, fala ao interior do coração das pessoas, querendo entrar na frágil existência humana. Ele quer que plantemos boas sementes no mundo. Mas quais sementes? Sementes de paz, amor e compreensão, do não ao egoísmo, de um ambiente leve, com bons e construtivos olhares e de um coração fértil, grande e largo. Numa palavra: sementes de esperança.

O Verbo de Deus, que se encarnou e veio se estabelecer entre nós (cf. Jo 1, 14), quer que nos coloquemos à sua disposição como seus generosos colaboradores, mas num ardente desejo de edificar seu projeto de amor, afastando-nos da intolerância, do preconceito e do ódio. Dom Helder Câmara nos ensina o sentido da verdadeira e autêntica fraternidade. Quando resolvemos buscar a referida e tão sonhada esperança, na fé a nós ensinada de que Deus é Pai de todos e que, vivendo a vida de irmãos, não nos afastaremos da promessa divina: de a terra se transformar em céu e de o céu se transformar em terra.

Na contemplação do mistério da encarnação, do Deus pequeno da estribaria de Belém, na expectativa de sua chegada, evidentemente, não de braços cruzados, sou levado a pensar e ao mesmo tempo a colocar diante dos olhos a imagem do Menino Maluquinho, de Ziraldo Alves, com quem Dom Helder tão profundamente se identificou e, abraçando-a com a força do seu vigor e de seus sonhos, com sua vida fecunda e seu inquestionável legado para a humanidade, de dom e graça, a partir da Feira da Providência em 1961, na cidade do Rio de Janeiro, ensina-nos a plantar, convenhamos, a boa semente: a esperançosa semente de que um mundo melhor é possível.

É por isso mesmo que neste Tempo do Advento, inspirados na profecia de Dom Helder Câmara, possamos aprender com as crianças da Infância e Adolescência Missionária e do Projeto Dom Helder, Arte e Missão de nossa Paróquia de Santo Afonso, "meninos e adolescentes maluquinhos da Auristela". Eles, a partir do olhar mais razoável para a árvore de Natal, chegam ao essencial, ao menino pobre da manjedoura, no mesmo questionamento: "Quais sementes desejo espalhar pela terra? Sementes de paz, amor, compreensão e esperança. Há tanto desespero, desengano, decepção, frustração e desesperança! Sementes de esperança, sem dúvida, chegariam em boa hora". Assim seja!

*Pároco de Santo Afonso, Jornalista, Blogueiro, Escritor e Colunista, integra a Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza - geovanesaraiva@gmail.com
Resultado de imagem para Sementes de esperança dom helder

Comentários

Mais Visitadas

Alagoano que dirigiu filme que teve cenas gravadas em Penedo toma posse na ABL

Literatura e cinema ajudaram a tornar Notre-Dame conhecida no mundo

Principal nome da literatura feita para crianças no Ceará, Horácio Dídimo, morto em 2018, pode ser homenageado em Dia Estadual da Literatura Infantil

Herança do governo golpista

Catedral de Notre-Dame, em Paris, sofre incêndio na tarde desta segunda-feira