Uma maneira eficaz de enfrentar seus medos

A coragem é uma virtude e, como todas as virtudes, você precisa começar devagar e praticar todos os dias

WOMAN,EYES,LOOKING
Nunca esquecerei a primeira vez que tentei quebrar uma tábua de madeira. Foi para o meu primeiro exame de faixa, e eu estava tentando o golpe mais fácil no taekwondo – o ataque de cotovelo, que requer que você use a força do seu cotovelo para quebrar a madeira. Meus instrutores tinham tábuas de vários tamanhos e espessuras, e escolhiam as tábuas mais finas e maleáveis ​​para nós, faixas brancas.
Eles tinham nos ensinado repetidamente que, para atravessar a tábua, tínhamos de mirar além dela e, acima de tudo, não parar no impacto – mas a maioria dos faixas brancas fazia exatamente isso. Nós batemos na tábua e paramos, e ela não quebra.
Depois do primeiro teste, as nossas pranchas de treino ficaram mais duras e mais grossas, assim como as nossas pranchas de exame. Nós praticamos quebrá-las quase todos os dias e, no processo, condicionamos nossos ossos a se tornarem mais espessos e fortes. Quando fiz o exame para a faixa preta, consegui quebrar a prancha mais dura e grossa com meu punho, pé e canela – um feito que provavelmente teria quebrado um osso se eu tivesse tentado como faixa branca.
Essa foi uma das muitas maneiras pelas quais aprendi a resiliência através das artes marciais – e não estou falando sobre a resiliência física de construir ossos mais fortes. Estou falando da resiliência mental de falhar em um intervalo e depois tentar novamente, sem ficar paralisados pela dor física que ainda irradia através de seu corpo. É uma lição de resiliência diferente de qualquer outra, e o modo como construímos isso em pequenas doses é uma das estratégias mais eficazes para aumentar a resiliência, de acordo com a revista Greater Good:
A prática de Superar um Medo é projetada para ajudar com os medos do dia a dia que entram no caminho da vida, como o medo de falar em público, altura ou avião. Não podemos nos convencer de simplesmente superar tais medos; em vez disso, temos que lidar diretamente com as emoções. O primeiro passo é expor-se lenta e repetidamente à coisa que te assusta – em pequenas doses. Por exemplo, pessoas com medo de falar em público podem tentar falar mais em reuniões e, em seguida, talvez fazer um brinde em um pequeno evento. Com o tempo, você pode incrementar o desafio até que esteja pronto para conseguir esse grande discurso ou entrevista na TV…
 
Com efeito, esse tipo de “terapia de exposição” nos ajuda a mudar as associações que temos com um estímulo particular. Se voamos 100 vezes e o avião nunca caiu, por exemplo, nosso cérebro (e corpo) começa a aprender que é seguro. Embora o medo nunca seja totalmente extinto, provavelmente teremos mais coragem para enfrentá-lo.
Depois que entendi o quão eficaz era essa estratégia, comecei a usá-la literalmente para tudo. Por exemplo, tenho um medo irracional de dar marcha à ré em carros. Não sou uma ótima motorista, já que minha quase cegueira no olho esquerdo dificulta minha percepção de profundidade. Mas essa incapacidade se tornou uma séria limitação quando me tornei uma treinadora e carregar e descarregar equipamentos do meu porta-malas faz parte do meu dia a dia.
Então eu comecei a guardar o carro de marcha à ré em minha garagem. É maior do que as ruas estreitas dos lugares de estacionamento, e ao fazer isso toda vez que eu chegava em casa, comecei a aprender a usar meus espelhos laterais para superar minha falta de percepção de profundidade. Depois de dominar a entrada da garagem, comecei a dar marcha à ré em vagas de estacionamento – as primeiras desocupadas de ambos os lados, depois as ocupadas apenas de um lado, até que finalmente pude estacionar em vagas de estacionamento ocupadas de ambos os lados sem ir e voltar vinte vezes. E eu posso fazer isso sem entrar em pânico e me sentir impotente.
Enfrentar nossos medos não é algo que podemos ou devemos fazer de uma só vez. A coragem é uma virtude, afinal de contas – e é uma que aprendemos começando devagar e praticando-a repetidamente, até sermos fortes o suficiente para enfrentar os grandes medos que nos impedem. Você não tem de ser capaz de quebrar tábuas para ser corajoso(a) – você só tem de continuar tentando, todos os dias.

Aleteia

Comentários

Mais Visitadas

Além das aparências

O STF é uma vergonha

Aluno cearense que criou app para conservação de açude recebe Prêmio Jovem Cientista

Compositor e executivo estreia na literatura com narrativas improváveis

Cearense ganha prêmio de fotografia da Aliança Francesa e vai para Paris com tudo pago