Uma mulher presidirá a Academia Cearense de Letras

A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, texto
A escritora Ângela Gutierrez será a primeira mulher a presidir a Academia Cearense de Letras. Eleita por unanimidade, vai assumir, em janeiro próximo, o comando da entidade que, em sua área, é a mais antiga do País. 

Licenciada em Letras e mestre em educação pela Universidade Federal do Ceará, também é doutora em Letras (Licenciatura Comparada) e pós-doutora em Letras pela Universidade Federal de Minas Gerais, com o projeto 'O retrato de conselheiro: as múltiplas faces do Beato de Belo Monte'. Ocupa a cadeira nº 18 da Academia Cearense de Letras desde 1997.

Como escritora, iniciou a carreira com o livro O mundo de Flora, depois publicou Vargas Llosa e o romance possível da América Latina, Canção de menina, Avis Rara, Luzes de Paris e o Fogo de Canudos, Os sinos de encarnação e O silêncio da penteadeira. Também possui outras obras em parceria: Iracema, lenda do Ceará, com Sânzio Azevedo. Ela entrará no lugar de Ubiratan Aguiar. Uma conquista da mulher, bem tarde, que nos lembra, no entanto, Rachel Queiroz, que conquistou assento na ABL.

O Povo

Comentários

Mais Visitadas

Físico brasileiro recebe Prêmio Templeton de 2019

Câmara homenageia mulheres que se destacaram na luta por direitos

José, servo bom e fiel

Inep cria comissão para decidir itens que farão parte do Enem 2019

Primeira edição da Semana de Arte Unifor abraça diversidade de linguagens e expressões