Agência da ONU deve defender jovem saudita que fugiu de seu país

Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), agência ligada às Nações Unidas, vai examinar a situação da jovem saudita Rahaf Mohammed Al-qunun, de 18 anos, que fugiu do seu país e pede asilo à Tailândia e Austrália. Ela deixou a Arábia Saudita sob a alegação de que querer estudar, o que não tinha permissão.
Segundo a Acnur, o caso é acompanhado de perto  para avaliar se deve ser solicitada proteção internacional.
Rahaf Mohammed, ONU, Asilo
A saudita Rahaf Mohammed pediu asilo aos governos da Tailândia e da Austrália  (Thailand Immigration Police via REUTERS)

A jovem afirmou que estava de férias no Kuwait com a família quando fugiu para a Tailândia.
A jovem está no aeroporto de Bangkok, na Tailândia, e disse que teve o passaporte retido. Ela fugiu da Arábia Saudita por temer por sua vida e planejava ir para a Austrália, onde pretende viver como asilada.
O Acnur faz a defesa dos refugiados e requerentes de asilo, tendo sido confirmados ou reivindicados como necessitados de proteção internacional, caso não possam regressar aos seus países de origem de acordo com o princípio de não repulsão.
Há um princípio internacional que impede que os países expulsem ou devolvam pessoas a um território onde sua vida ou liberdade seria ameaçada.
Este princípio é reconhecido como lei internacional consuetudinária e também está consagrado nas demais obrigações do tratado da Tailândia.
Edição: Kleber Sampaio

Agência Brasil

Comentários

Mais Visitadas

Físico brasileiro recebe Prêmio Templeton de 2019

Câmara homenageia mulheres que se destacaram na luta por direitos

José, servo bom e fiel

Inep cria comissão para decidir itens que farão parte do Enem 2019

Primeira edição da Semana de Arte Unifor abraça diversidade de linguagens e expressões