Apesar da crise, livrarias de menor porte tem oportunidade de crescimento

Na contramão da crise das grandes redes e do mercado encolhido na região, livrarias e sebos enxergam oportunidade ao focar nos “amantes da literatura”


O epílogo do mercado das grandes redes de livrarias do Brasil em 2018 foi melancólico. A Livraria Cultura fechou unidades no Rio de Janeiro e Recife e todas as lojas da Fnac no Brasil também baixaram suas portas. Já a Saraiva fechou 19 livrarias em outubro. Na sequência, ambas entraram com pedido de recuperação judicial.
Um estudo da CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo), a partir de estatísticas do Ministério do Trabalho, aponta que o número de livrarias e papelarias no Brasil reduziu 29% em 10 anos. Na contramão deste diagnóstico negativo, no entanto, livreiros de menor porte da região veem oportunidade de crescimento e relatam já sentir melhorias nas vendas.
Jociele Victoriano, gerente da unidade da Livraria Nobel localizada no Tivoli Shopping, em Santa Bárbara d’Oeste, avalia que foi um ano bom para a unidade, mas também por influência de outros produtos disponíveis, da área de papelaria. “Se depender só livro, infelizmente não sobrevive”.
Foto: João Carlos Nascimento - O Liberal
Sebo no Centro de Americana tem bom público e não sente a forte crise no setor, ao contrário das grandes livrarias
Ela atribui a crise editorial geral a uma mudança de perfil dos leitores. “Cada vez as pessoas estão lendo mais virtualmente. Essa geração nova está super digital. Mas, assim mesmo, o livro ainda não é substituído. Tem muita gente ainda que gosta do livro físico”, pondera.
A influência do conteúdo acessado na internet é tamanha, segundo ela, que um dos livros mais vendidos na loja ganhou repercussão por causa da indicação da youtuber Adriana Santana. “Está super vendido e é por conta da indicação. Chama ‘O Milagre do Amanhã’. Eu acho que rede social e a mídia têm sido fundamental. Eles influenciam bastante”, avalia. Em relação à crise, ela vê oportunidade. “Acho que nesse próximo ano talvez a gente consiga crescer um pouco mais porque as grandes livrarias entraram em crise”, acrescenta.
Em Americana, segundo a Acia (Associação Comercial e Industrial de Americana), não há comércio específico do gênero, mas somente estabelecimentos que agregam livros ao seu catálogo de produtos. Entre estes, está o Sebo Sapiente, que também vende instrumentos, musicais, CDs, entre outros artigos.
Proprietário da loja, Luiz Carlos Sanajotti segue o discurso de Jociele e aponta melhorias nas vendas de livros. “Acho que é em decorrência dessa retração das livrarias grandes. A gente acabou se beneficiando”, aponta. E lembra da ascensão da tecnologia móvel como um grande concorrente. “O mercado livreiro é um ramo muito difícil, não tem a sedução de lojas de produtos de moda. É celular pra tudo quanto é lugar, tem mil lugares disso aí, e tem uma livraria, duas livrarias. Estamos na contramão da história”, reflete.
Liberal.com

Comentários

Mais Visitadas

Físico brasileiro recebe Prêmio Templeton de 2019

Câmara homenageia mulheres que se destacaram na luta por direitos

José, servo bom e fiel

Inep cria comissão para decidir itens que farão parte do Enem 2019

Primeira edição da Semana de Arte Unifor abraça diversidade de linguagens e expressões