Pular para o conteúdo principal

Apesar da crise, livrarias de menor porte tem oportunidade de crescimento

Na contramão da crise das grandes redes e do mercado encolhido na região, livrarias e sebos enxergam oportunidade ao focar nos “amantes da literatura”


O epílogo do mercado das grandes redes de livrarias do Brasil em 2018 foi melancólico. A Livraria Cultura fechou unidades no Rio de Janeiro e Recife e todas as lojas da Fnac no Brasil também baixaram suas portas. Já a Saraiva fechou 19 livrarias em outubro. Na sequência, ambas entraram com pedido de recuperação judicial.
Um estudo da CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo), a partir de estatísticas do Ministério do Trabalho, aponta que o número de livrarias e papelarias no Brasil reduziu 29% em 10 anos. Na contramão deste diagnóstico negativo, no entanto, livreiros de menor porte da região veem oportunidade de crescimento e relatam já sentir melhorias nas vendas.
Jociele Victoriano, gerente da unidade da Livraria Nobel localizada no Tivoli Shopping, em Santa Bárbara d’Oeste, avalia que foi um ano bom para a unidade, mas também por influência de outros produtos disponíveis, da área de papelaria. “Se depender só livro, infelizmente não sobrevive”.
Foto: João Carlos Nascimento - O Liberal
Sebo no Centro de Americana tem bom público e não sente a forte crise no setor, ao contrário das grandes livrarias
Ela atribui a crise editorial geral a uma mudança de perfil dos leitores. “Cada vez as pessoas estão lendo mais virtualmente. Essa geração nova está super digital. Mas, assim mesmo, o livro ainda não é substituído. Tem muita gente ainda que gosta do livro físico”, pondera.
A influência do conteúdo acessado na internet é tamanha, segundo ela, que um dos livros mais vendidos na loja ganhou repercussão por causa da indicação da youtuber Adriana Santana. “Está super vendido e é por conta da indicação. Chama ‘O Milagre do Amanhã’. Eu acho que rede social e a mídia têm sido fundamental. Eles influenciam bastante”, avalia. Em relação à crise, ela vê oportunidade. “Acho que nesse próximo ano talvez a gente consiga crescer um pouco mais porque as grandes livrarias entraram em crise”, acrescenta.
Em Americana, segundo a Acia (Associação Comercial e Industrial de Americana), não há comércio específico do gênero, mas somente estabelecimentos que agregam livros ao seu catálogo de produtos. Entre estes, está o Sebo Sapiente, que também vende instrumentos, musicais, CDs, entre outros artigos.
Proprietário da loja, Luiz Carlos Sanajotti segue o discurso de Jociele e aponta melhorias nas vendas de livros. “Acho que é em decorrência dessa retração das livrarias grandes. A gente acabou se beneficiando”, aponta. E lembra da ascensão da tecnologia móvel como um grande concorrente. “O mercado livreiro é um ramo muito difícil, não tem a sedução de lojas de produtos de moda. É celular pra tudo quanto é lugar, tem mil lugares disso aí, e tem uma livraria, duas livrarias. Estamos na contramão da história”, reflete.
Liberal.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…