Pular para o conteúdo principal

Como a tecnologia está ajudando as novas gerações a resgatar uma antiga virtude

O compartilhamento está revolucionando a maneira como vivemos

LYFT
Eu não sei se você já percebeu, mas a maneira como viajamos, trabalhamos e vivemos está mudando de maneira muito profunda. Se você não percebeu, não se preocupe – eu não tinha percebido até que meu trabalho começou a me levar para diferentes cidades. Foi aí que eu notei: os adultos aprenderam novamente a compartilhar.
Parece bobo, mas é verdade. Em vez de dirigirmos carros separados, nós dividimos um Uber. Em vez de pagarmos por quartos de hotel individuais, nós pegamos um Airbnb. Nós vendemos nossas roupas usadas, sapatos e pertences para os nossos vizinhos com bons descontos. Usamos aplicativos de vizinhança para compartilhar dicas e informações ou pedir uma xícara de açúcar. De fato, o compartilhamento está revolucionando nossa sociedade de forma tão dramática que o New York Times publicou recentemente um artigo sobre o enorme impacto que isso está causando em tudo- desde a indústria hoteleira até a economia.
“A economia compartilhada valoriza a disponibilidade de ativos subutilizados para uma comunidade”, diz Alex Stephany, autor de “The Business of Sharing” e executivo-chefe da Beam, uma plataforma de compartilhamento que usa crowdfunding para fornecer treinamento vocacional para moradores de rua. “Isso nos dá mais por menos…”
Com mais pessoas se mudando para as cidades, adotando o minimalismo e se conectando com outros que pensam como elas por meio de aplicativos de smartphones, a economia de compartilhamento está afetando quase todos os aspectos de nossas vidas – e melhorando nossa sociedade de forma surpreendente. Como nossos professores da primeira série nos ensinaram, compartilhar é bom.
Claro que o compartilhamento não é exatamente um novo desenvolvimento revolucionário na sociedade humana. Na verdade, é a espinha dorsal da sociedade, aquilo que nos permitiu formar comunidades e civilizações. Mas, durante o boom econômico e tecnológico dos anos 80 e 90, mais dinheiro e mais tecnologia se combinaram para tornar o compartilhamento praticamente obsoleto. Nós não precisávamos tomar uma xícara de açúcar de um vizinho porque nós tínhamos os meios e o transporte para irmos buscar a nossa. Compartilhar tornou-se algo que quase foi desaprovado, e nós meio que esquecemos como fazer isso.
A recessão do novo milênio foi quase um benefício para a sociedade. Nossos recursos encolheram à medida que a tecnologia continuava se expandindo e crescendo. Os empreendedores perceberam que havia um novo mercado que eles poderiam explorar, um que combinasse a necessidade econômica básica com a crescente conscientização da sustentabilidade ambiental. Então, agora, se você precisar de carona, um lugar para ficar ou um vestido novo, há um aplicativo para isso.
Honestamente, eu amo essa nova fronteira. Eu conheci muitos motoristas interessantes do Uber que estão aproveitando a capacidade de ganhar um pouco de dinheiro extra e conhecer novas pessoas. Eu passei finais de semana em Austin com minha equipe de instrutores locais por metade do preço que eu pagaria por um quarto de hotel – e dividir uma casa com pessoas é uma maneira incrível de promover conexões e construir uma melhor dinâmica de equipe. E eu comecei a experimentar a maravilha da viagem de trem com Wi-Fi, o que me permite trabalhar e relaxar durante uma viagem.
Eu sei que tendemos a ser desconfiados de novas fronteiras na tecnologia, mas não deveríamos. Compartilhar recursos é uma virtude cristã fundamental. O fato de as gerações mais jovens adotarem a tecnologia que oferece maneiras novas, mais eficientes e efetivas de praticar essa virtude é algo que me dá uma grande esperança para o futuro.
Aleteia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…