Pular para o conteúdo principal

Cuidado com as artimanhas da rede

Às vezes fico pensando no que éramos nós antes das redes sociais.
É um tal de memerizar, de viralizar, de sacralizar e horrorizar que não tem mais fim.
É um tal de memerizar, de viralizar, de sacralizar e horrorizar que não tem mais fim. (Pixabay)

Por Afonso Barroso*
Tem hora que a gente se enrola ou se perde no emaranhado das chamadas redes sociais. Se você trilhar com atenção o caminho do Facebook, por exemplo, vai descobrir como é tortuoso e traiçoeiro, cheio de armadilhas que podem de repente capturá-lo e dependurá-lo pelos pés. Ao percorrer esses meandros, o cavaleiro andante nem sempre acha alguém, um pobre Sancho Pança que seja, a quem pedir socorro. É um tal de memerizar, de viralizar, de sacralizar e horrorizar que não tem mais fim.
O certo é que as redes sociais viraram mania. Eu mesmo me confesso um maníaco do Facebook. Antes, minha mania era só ler e escrever. Agora, tenho também a de me divertir com os posts, pois a rede os tem para todos os gostos. Tem os que instruem, os que irritam, os que divertem, os incríveis e os críveis, os idiotas, os eruditos, os folclóricos, os politicamente corretos e os incorretamente políticos, os discricionários, os melancólicos, os racistas, os desprezíveis, os inteligentes e os burros, os agressivos, os raivosos, os fanáticos, os angélicos e os diabólicos. Uma mistura extraordinariamente diversificada, sem a qual a vida virtual não teria graça nenhuma.
Às vezes fico pensando no que éramos nós antes das redes sociais. Éramos aquilo que continuamos sendo: seres humanos à procura ou à espera de algo novo pra viver com mais interesse e mais intensidade. Somos o que éramos antes do automóvel, do telégrafo sem fio, do avião, da penicilina, do gramofone, do telefone fixo e móvel, da vitrola, do rádio e da radiola, da televisão, do computador.
É muito divertido abrir o Facebook, onde nada é desaproveitável. São interessantes até as besteiras postadas, muitas vezes com seríssimos erros de português. Todas têm a assinatura corajosa do postante, que costuma externar bobagens sem o mínimo de pudor. Faz mal não. O livre pensar existe é pra isso mesmo. Pra pensar e postar. Vai em frente, meu caro postador ou minha amantíssima postadora, e deixa a vida te levar, que a vida é breve e o Face, longo.
Foi nessa rede que se difundiram as fake news, e como são divertidas as fake! Ali se postam notícias mentirosas na certeza de que o feicebuqueiro é ingênio, desprevenido, facilmente manipulável e influenciável. E o pior é que muitos o são mesmo.
Uma das criações anônimas e curiosas da rede foi a onomatopeia gráfica da risada, se me permitem chamar assim a repetição de kás, kkkkkkkkkk, que muito postador usa para rir dos outros ou de si mesmo.
Sou um dos 140 milhões de brasileiros abertos no Facebook, que tem mais de 2 bilhões e meio de usuários no mundo inteiro. Isso me torna um ser estatístico de alta meritocracia.
E não se pode falar de Facebook sem lembrar a campanha política, que foi um festival hilário e dramático de todo tipo de postagens. Verdades, mentiras e comentários dos mais diversos calibres invadiram o mundo internauta, virtualmente tomado pela intransigência, pela troca de gentilezas e agressões e pela revelação de verdadeiros idiotas da objetividade, como diria Nelson Rodrigues. Mas todos acabaram amigos. Ou será que não?
*Afonso Barroso é jornalista, redator publicitário e editor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …