Pular para o conteúdo principal

Espetáculos bebem na literatura e se mesclam a outras linguagens

SÃO PAULO
Segunda parte de um projeto da Mundana Companhia para mostrar os diversos elementos das engrenagens cênicas, o espetáculo "MedeaMaterial" costura teatro, literatura e artes plásticas a partir do texto homônimo do alemão Heiner Müller.
Cena do espetáculo "Medeamaterial", da mundana cia.
Cena do espetáculo "Medeamaterial", da Mundana Companhia - Renato Mangolin/Divulgação
Trata-se de um encontro entre o ator Aury Porto, integrante da Mundana, que idealizou a montagem há dois anos, e o diretor Marcio Aurelio, que encenou várias obras de Müller ao longo da carreira --no dia 19 de janeiro, haverá um encontro com o diretor sobre a dramaturgia do alemão.
Em "MedeaMaterial", Müller se baseia no mito grego, da personagem que matou os próprios filhos para se vingar do marido, mas experimenta na linguagem, criando contradições e intercalando espaços e tempos distintos (há, por exemplo, referências contemporâneas e à antiguidade).
Trata-se, afinal, do chamado teatro pós-dramático, essa linha que convoca outras artes a se mesclarem à cena teatral —e que conversa com o projeto da Mundana Companhia.
Na versão do grupo, a experimentação estética de Müller é acrescida de uma pesquisa sobre o artista brincante. Aqui, a relação de Medeia com Jasão, seu marido, serve de base para entender o princípio criativo da arte brincante.
Além do diálogo com a dramaturgia, a cenografia faz uma ponte com as artes plásticas, e lembra uma instalação, que pode ser visitada nos horários em que não há sessão.
A mescla de linguagens também está presente em "Ossada", trabalho da atriz e diretora Ester Laccava que parte de textos de textos da comediante inglesa Maureen Lipman, da escritora polonesa Wislawa Szymborska e da artista americana Laurie Anderson.
Ester Laccava na peça "Ossada"
Ester Laccava na peça "Ossada" - Divulgação
Em cinco pequenos monólogos, Laccava interpreta mulheres distintas em situações cotidianas —aquela cujo pai está em coma, a que vai ao casamento de um filho, a que participa de uma entrevista para a TV, a que sofre abusos familiares e a que luta contra um cigarro que nunca acende.
Mas são todas distendidas por sua existência e pelas regras sociais, ainda que não sejam são apenas mal tratadas pelo sistema: trazem contrapontos e defeitos, são tão vítimas quanto torturadoras.
Toda a encenação é feita em tom de performance, uma maneira, de acordo com Laccava, de unificar os trabalhos da equipe da montagem.

MedeaMaterial
Sesc Pinheiros - espaço expositivo, r. Paes Leme, 195. Peça: qui. a sáb., às 20h30; até 26/1; R$ 7,50 a R$ 25; 16 anos. Instalação: ter. e qua., das 10h30 às 21h30, qui. a dom., das 10h30 às 18h; até 27/1; livre; grátis. Marcio Aurelio com Heiner Müller: sáb. (19/1), das 15h às 18h; grátis (retirada de ingressos a partir das 14h, na unidade).

Ossada
Sesc Pompeia - espaço cênico, r. Clélia, 93. Qui. a sáb., às 21h30, dom. e dia 25/1, às 18h30. Até 3/2. Ingr.: R$ 6 a R$ 20. 14 anos


Fonte: Folha de S. Paulo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…