Pular para o conteúdo principal

Espetáculos bebem na literatura e se mesclam a outras linguagens

SÃO PAULO
Segunda parte de um projeto da Mundana Companhia para mostrar os diversos elementos das engrenagens cênicas, o espetáculo "MedeaMaterial" costura teatro, literatura e artes plásticas a partir do texto homônimo do alemão Heiner Müller.
Cena do espetáculo "Medeamaterial", da mundana cia.
Cena do espetáculo "Medeamaterial", da Mundana Companhia - Renato Mangolin/Divulgação
Trata-se de um encontro entre o ator Aury Porto, integrante da Mundana, que idealizou a montagem há dois anos, e o diretor Marcio Aurelio, que encenou várias obras de Müller ao longo da carreira --no dia 19 de janeiro, haverá um encontro com o diretor sobre a dramaturgia do alemão.
Em "MedeaMaterial", Müller se baseia no mito grego, da personagem que matou os próprios filhos para se vingar do marido, mas experimenta na linguagem, criando contradições e intercalando espaços e tempos distintos (há, por exemplo, referências contemporâneas e à antiguidade).
Trata-se, afinal, do chamado teatro pós-dramático, essa linha que convoca outras artes a se mesclarem à cena teatral —e que conversa com o projeto da Mundana Companhia.
Na versão do grupo, a experimentação estética de Müller é acrescida de uma pesquisa sobre o artista brincante. Aqui, a relação de Medeia com Jasão, seu marido, serve de base para entender o princípio criativo da arte brincante.
Além do diálogo com a dramaturgia, a cenografia faz uma ponte com as artes plásticas, e lembra uma instalação, que pode ser visitada nos horários em que não há sessão.
A mescla de linguagens também está presente em "Ossada", trabalho da atriz e diretora Ester Laccava que parte de textos de textos da comediante inglesa Maureen Lipman, da escritora polonesa Wislawa Szymborska e da artista americana Laurie Anderson.
Ester Laccava na peça "Ossada"
Ester Laccava na peça "Ossada" - Divulgação
Em cinco pequenos monólogos, Laccava interpreta mulheres distintas em situações cotidianas —aquela cujo pai está em coma, a que vai ao casamento de um filho, a que participa de uma entrevista para a TV, a que sofre abusos familiares e a que luta contra um cigarro que nunca acende.
Mas são todas distendidas por sua existência e pelas regras sociais, ainda que não sejam são apenas mal tratadas pelo sistema: trazem contrapontos e defeitos, são tão vítimas quanto torturadoras.
Toda a encenação é feita em tom de performance, uma maneira, de acordo com Laccava, de unificar os trabalhos da equipe da montagem.

MedeaMaterial
Sesc Pinheiros - espaço expositivo, r. Paes Leme, 195. Peça: qui. a sáb., às 20h30; até 26/1; R$ 7,50 a R$ 25; 16 anos. Instalação: ter. e qua., das 10h30 às 21h30, qui. a dom., das 10h30 às 18h; até 27/1; livre; grátis. Marcio Aurelio com Heiner Müller: sáb. (19/1), das 15h às 18h; grátis (retirada de ingressos a partir das 14h, na unidade).

Ossada
Sesc Pompeia - espaço cênico, r. Clélia, 93. Qui. a sáb., às 21h30, dom. e dia 25/1, às 18h30. Até 3/2. Ingr.: R$ 6 a R$ 20. 14 anos


Fonte: Folha de S. Paulo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08