Pular para o conteúdo principal

Exposição "Vento Solar" tensiona os limites entre fato e ficção

O universo fotográfico da eslovena Vanja Bucan é marcado pelas interseções entre homem e natureza. Mas não se trata da interferência pragmática documentada por jornais e portais de notícias - ou pelo menos, não é essa a intervenção que ocupa o primeiro plano de suas imagens. Nas fotografias de Vanja, aparecem mãos, pés e cabeças que rasgam ao meio os pôsteres de plantas, folhas e galhos, em uma comunicação que é violenta e íntima em medidas parecidas.

Já a sul-africana Nobukho Nqaba espalha em suas imagens os padrões de estampas de suas unomgcanas, grandes bolsas de viagem carregadas geralmente por imigrantes em trânsito. As fotografias que produz e protagoniza sugerem essa realidade sem necessariamente explicitá-las. A mensagem é subliminar: as padronagens não estão só na montanha de bolsas que soterram a personagem, mas também em seus sapatos, em suas paredes, nas camas, nas mesas de cabeceira e nas bancadas de cozinha.

Dissipar os limites entre real e metáfora , entre fato e ficção, é a proposta da exposição Vento solar, que tem curadoria da portuguesa Angela Berlinde e se ancora na afirmação de que "a fotografia, desde o início, nunca foi inocente". 

São quatro fotógrafos de diferentes nacionalidades - além de Vanja e Nobukho, o espanhol Joan Fontcuberta e a polonesa Weronika Gesiscka - que reúnem em sua produção a intenção de questionar a relação entre o que se vê o que se acredita.

"A exposição dá a conhecer a fotografia a partir da simulação, ficção ou encenação. Trata-se de uma exposição ao ar livre, concebida sob a luz intensa do Ceará, e se apresenta como uma caixa de ferramentas de análise da imagem e dos seus jogos ilusórios", explica Berlinde. A experimentação se prestaria, segundo a curadora, a refletir sobre a confiabilidade do visual em um contexto de turbulência política e social no País, assim como sobre as implicações das chamadas pós-verdades "com as quais somos forçados a lidar hoje e que podem ser confusas e enganosas".

Os universos fantásticos criados pelos quatro fotógrafos falam ainda do poder da imagem, convidando o público à reflexão. "Eles revelam como a fotografia pode cativar e iludir, atirando o espectador para os desafios de olhar criticamente para o mundo, balanço tão difícil de fazer nos dias de hoje", conclui a curadora, que ainda coloca a experimentação desses artistas na elaboração de narrativas culturais contemporâneas que são fundamentais "para a construção de novas ordens e estruturas artísticas". (Jáder Santana)

Exposição Vento Solar 

Quanto: por tempo indeterminado
Onde: Praça Almirante Saldanha e nas ruas do entorno do Dragão do Mar (Rua Dragão do Mar, 81 - Praia de Iracema)
Gratuito

Bate pronto


O POVO - Unomgcana é sobre viajar, sobre migrações pessoais, sobre adaptação. Como surgiu a ideia para essa série?

Nobukho Nqaba - Unomgcana ou umaskhenkethe é o nome de uma bolsa de carregar que é geralmente associada aos imigrantes. Eu sempre estive interessada na ideia da viagem, no que as pessoas usam para carregar seus pertences e no sentido da palavra "lar" para elas. No começo do projeto, entrevistei comerciantes da Cidade do Cabo e eles me contaram suas histórias. Percebi que quase todo mundo estava usando a umaskhenkethe para transportar seus pertences e que todos tinham uma história para contar sobre a bolsa. Quando eu descompactei todos esses nomes e simbolismos, vi que todos revelam algo sobre sua portadora.

O POVO - Real e sonho estão juntos em seu trabalho, resultado em imagens que estão no meio dos dois extremos. O que é a "verdade" de sua fotografia?

Nobukho Nqaba - É difícil distinguir o que é a verdade, porque o mundo é subjetivo dependendo das experiências de cada um. Todo mundo tem uma história para contar, e essas histórias são suas verdades. Eu gosto das palavras que você usou, "real" e "sonho". Eu acho que, de certa maneira, pode-se dizer que a realidade do mundo em que vivemos agora é que estamos diante de pessoas que estão empenhadas em rotular os outros, de colocá-las em caixas que são alienantes. Isso é muito visível na forma como imigrantes são tratados, e isso cria um alto nível de ansiedade que se manifesta na violência contra eles. O sonho que eu tenho é de um mundo onde todos sejamos vistos como humanos, onde as localizações geográficas não importam, onde nós apoiamos e construímos com os outros ao invés de destruí-los.
O Povo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…