Exposição "Vento Solar" tensiona os limites entre fato e ficção

O universo fotográfico da eslovena Vanja Bucan é marcado pelas interseções entre homem e natureza. Mas não se trata da interferência pragmática documentada por jornais e portais de notícias - ou pelo menos, não é essa a intervenção que ocupa o primeiro plano de suas imagens. Nas fotografias de Vanja, aparecem mãos, pés e cabeças que rasgam ao meio os pôsteres de plantas, folhas e galhos, em uma comunicação que é violenta e íntima em medidas parecidas.

Já a sul-africana Nobukho Nqaba espalha em suas imagens os padrões de estampas de suas unomgcanas, grandes bolsas de viagem carregadas geralmente por imigrantes em trânsito. As fotografias que produz e protagoniza sugerem essa realidade sem necessariamente explicitá-las. A mensagem é subliminar: as padronagens não estão só na montanha de bolsas que soterram a personagem, mas também em seus sapatos, em suas paredes, nas camas, nas mesas de cabeceira e nas bancadas de cozinha.

Dissipar os limites entre real e metáfora , entre fato e ficção, é a proposta da exposição Vento solar, que tem curadoria da portuguesa Angela Berlinde e se ancora na afirmação de que "a fotografia, desde o início, nunca foi inocente". 

São quatro fotógrafos de diferentes nacionalidades - além de Vanja e Nobukho, o espanhol Joan Fontcuberta e a polonesa Weronika Gesiscka - que reúnem em sua produção a intenção de questionar a relação entre o que se vê o que se acredita.

"A exposição dá a conhecer a fotografia a partir da simulação, ficção ou encenação. Trata-se de uma exposição ao ar livre, concebida sob a luz intensa do Ceará, e se apresenta como uma caixa de ferramentas de análise da imagem e dos seus jogos ilusórios", explica Berlinde. A experimentação se prestaria, segundo a curadora, a refletir sobre a confiabilidade do visual em um contexto de turbulência política e social no País, assim como sobre as implicações das chamadas pós-verdades "com as quais somos forçados a lidar hoje e que podem ser confusas e enganosas".

Os universos fantásticos criados pelos quatro fotógrafos falam ainda do poder da imagem, convidando o público à reflexão. "Eles revelam como a fotografia pode cativar e iludir, atirando o espectador para os desafios de olhar criticamente para o mundo, balanço tão difícil de fazer nos dias de hoje", conclui a curadora, que ainda coloca a experimentação desses artistas na elaboração de narrativas culturais contemporâneas que são fundamentais "para a construção de novas ordens e estruturas artísticas". (Jáder Santana)

Exposição Vento Solar 

Quanto: por tempo indeterminado
Onde: Praça Almirante Saldanha e nas ruas do entorno do Dragão do Mar (Rua Dragão do Mar, 81 - Praia de Iracema)
Gratuito

Bate pronto


O POVO - Unomgcana é sobre viajar, sobre migrações pessoais, sobre adaptação. Como surgiu a ideia para essa série?

Nobukho Nqaba - Unomgcana ou umaskhenkethe é o nome de uma bolsa de carregar que é geralmente associada aos imigrantes. Eu sempre estive interessada na ideia da viagem, no que as pessoas usam para carregar seus pertences e no sentido da palavra "lar" para elas. No começo do projeto, entrevistei comerciantes da Cidade do Cabo e eles me contaram suas histórias. Percebi que quase todo mundo estava usando a umaskhenkethe para transportar seus pertences e que todos tinham uma história para contar sobre a bolsa. Quando eu descompactei todos esses nomes e simbolismos, vi que todos revelam algo sobre sua portadora.

O POVO - Real e sonho estão juntos em seu trabalho, resultado em imagens que estão no meio dos dois extremos. O que é a "verdade" de sua fotografia?

Nobukho Nqaba - É difícil distinguir o que é a verdade, porque o mundo é subjetivo dependendo das experiências de cada um. Todo mundo tem uma história para contar, e essas histórias são suas verdades. Eu gosto das palavras que você usou, "real" e "sonho". Eu acho que, de certa maneira, pode-se dizer que a realidade do mundo em que vivemos agora é que estamos diante de pessoas que estão empenhadas em rotular os outros, de colocá-las em caixas que são alienantes. Isso é muito visível na forma como imigrantes são tratados, e isso cria um alto nível de ansiedade que se manifesta na violência contra eles. O sonho que eu tenho é de um mundo onde todos sejamos vistos como humanos, onde as localizações geográficas não importam, onde nós apoiamos e construímos com os outros ao invés de destruí-los.
O Povo

Comentários

Mais Visitadas

Alagoano que dirigiu filme que teve cenas gravadas em Penedo toma posse na ABL

Literatura e cinema ajudaram a tornar Notre-Dame conhecida no mundo

Principal nome da literatura feita para crianças no Ceará, Horácio Dídimo, morto em 2018, pode ser homenageado em Dia Estadual da Literatura Infantil

Herança do governo golpista

Catedral de Notre-Dame, em Paris, sofre incêndio na tarde desta segunda-feira