Filmes se destacam por mostrar a vida de mulheres ligadas à literatura

Mulheres dedicadas à escrita estão em alta no atual painel da sétima arte, seja nos roteiros, seja nas obras adaptadas

Por: Ricardo Daehn - Correio Braziliense

A esposa mostra a dificuldade de inserção das mulheres no meio outrora limitado aos homens: o universo literário. Foto: Alpha Filmes/Divulgação.
A esposa mostra a dificuldade de inserção das mulheres no meio outrora limitado aos homens: o universo literário. Foto: Alpha Filmes/Divulgação.
Há uma cena do drama A esposa em que a autora Elaine Monzell reclama, na década de 1960, de um mundo reservado aos homens, no meio literário. Ela demostra a falta de prestígio das mulheres, tendo como exemplo o barulho das páginas de “um livro nunca aberto”. Muito antes de cogitado para o Nobel, o marido (e quase antagonista da personagem central feita por Glenn Close) Joe Castleman a desencoraja a investir na profissão que relega a muitos, horas de solidão, impasses com rejeições de editores e, claro, pobreza financeira.

O peculiar processo literário de Castleman, o dono do Nobel na trama de A esposa, tropeça em críticas como a de conter “personagens engessados” e “diálogos empolados”. O discurso de reconhecimento desse personagem de ficção (numa trama baseada em romance escrito por uma mulher, e roteirizado para os cinemas por outra) pode até vir a excluir a vital presença da mulher dele na construção de uma carreira, mas o certo é que, nos dias de hoje, especialmente no cinema (e particularmente nesta temporada de prêmios), as mulheres não ficam de fora.

A ser entregue pelo Sindicato dos Atores no dia 27 de janeiro, os troféus SAG se juntam à onda de valorização de filmes concebidos por mulheres: basta perceber o reconhecimento de filmes com autoria feminina integrada ao roteiro, caso de Podres de ricos, A favorita, Cafarnaum e Você nunca esteve realmente aqui. Ponto em comum, portanto, para as indicações no Bafta (prêmio máximo do cinema, na Inglaterra) e no Globo de Ouro. Confira abaixo, produções de destaque de Hollywood que vêm ancoradas por feitos literários de mulheres.

A private war
Foto: Kamala Films/Divulgação.
Foto: Kamala Films/Divulgação.

Ainda sem data de estreia no Brasil, e sob uma modesta renda de US$ 2,5 milhões, o longa A private war (dirigido pelo estreante em ficção Matthew Heineman) não esgota o interesse na elogiada performance da protagonista Rosamund Pike (de Garota exemplar), no retrato de parte da vida da jornalista Marie Colvin, morta em 2012.

Com roteiro criado a partir de um artigo de Marie Brenner para a Vanity fair (chamado Marie Colvin´s private war), o longa explora a veia destemida da correspondente de guerra Colvin que, entre entrevistas com ditadores mundo afora, despertou atenção especial do líder militar líbio Muammar al-Gadaffi. Em 2003, às vésperas da invasão do Iraque, a escritora conheceu o fotógrafo Paul Conroy (Jamie Dornan), parceiro de muitas aventuras, entre as quais a do registro de incontáveis covas de vítimas do regime de Saddam Hussein.

Foi de uma cama de hospital, sob o impacto da perda de um olho (atingido por granada), que a repórter do Sunday Times narrou a crise humanitária decorrente da ação dos rebeldes Tigres Tâmeis, na guerra civil do Sri Lanka. Até a morte, no Cerco de Homs (na Síria), Marie Colvin trabalhou em conflitos espalhados por regiões diversas, como Zimbábue e Chechênia. Na crise motivada pela Indonésia, em 1999, contra a independência de Timor-Leste, ficou atribuída à ação de Colvin a salvação de 1500 pessoas, entre mulheres e crianças.

Poderia me perdoar?
Foto: Archer Gray/Divulgação.
Foto: Archer Gray/Divulgação.

O que poderia fazer uma pessoa para ser dada como persona non grata, entre pacatos funcionários de bibliotecas e arquivos públicos? A resposta está no desenvolvimento do longa estrelado por Melissa McCarthy, e assinado por Marielle Heller: Poderia me perdoar?. Cercando a vida da falsificadora Leonore Carol Lee Israel, morta aos 75 anos, em 2014, o longa mostra um cotidiano de roubos de escritos e de descarte de máquinas de escrever (para ocultação de provas) da mulher que, alcoólatra, conviveu com um parceiro de crime chamado Jack Hock (Richard E. Grant), e que havia estado na cadeia por dois anos.

Engambelados, donos de livraria e agente do FBI perseguiram a dupla de escritores fracassados que vendiam material adulterado de expoentes como Ernest Hemingway e Dorothy Parker, com lucro entre US$ 600 e US$ 2000. A escritora que, tendo sido freelancer da revista Esquire, escreveu biografias como a da magnata da indústria de cosméticos Estée Lauder e da colunista Dorothy Kilgallen, chegou a figurar com obras na lista de best-seller do The New York Times e redigir a autobiografia, em 2008.

O retorno de Mary Poppins
Foto: Disney Buena Vista/Divulgação.
Foto: Disney Buena Vista/Divulgação.

Numa nova incursão pela Rua da Cerejeira (visitada num filme clássico de 1964, com a estrela Julie Andrews), a governanta Mary Poppins (Emily Blunt), dona de intenções calculadas e, enigmática, pelas atitudes superficiais, assombra a todos por administrar ilusões que enquadram as crianças traquinas de uma famosa mansão. Adaptação da personagem imponente criada na literatura da mística autora australiana P. L. Travers, O retorno de Mary Poppins deixa clara a porção “fada” da protagonista. Poppins investe em viagens psicodélicas, junto aos preceptores, adeptos de um sistema de autodescobertas, quando se trata de educação.

Esotérica, bissexual, determinada e dona de humor irregular, a autora P. L. Travers, nascida no início do século 20 (e morta, aos 96 anos), se dizia britânica, entre porção de bravatas das quais a mais ousada foi a de dizer ter sido mero instrumento de escrita para a própria Poppins que teria lhe ordenado a escrita, ditada, a partir de um mero “anote”.

Filosofia e folclore, além de experiências compartilhadas com índios navajos e mestre zen, estiveram entre as bases de vida para a criação de Travers, que foi seguidora do guru armênio Gurdjieff. Daí, muitos desconsiderarem as verdades reveladas no filme Walt nos Bastidores de Mary Poppins, criado em 2013, e que mostrava o trabalho de pequisa de Travers para criar Poppins.

Diário de Pernambuco

Comentários

Mais Visitadas

Físico brasileiro recebe Prêmio Templeton de 2019

Câmara homenageia mulheres que se destacaram na luta por direitos

José, servo bom e fiel

Inep cria comissão para decidir itens que farão parte do Enem 2019

Primeira edição da Semana de Arte Unifor abraça diversidade de linguagens e expressões