Pular para o conteúdo principal

Há 220 anos, Ceará se emancipava de Pernambuco

Em 1799, Ceará libertava-se do domínio institucional pernambucano imposto pela Coroa Portuguesa. Com independência, o Estado passou a se beneficiar com produção de algodão e com a Revolução Industrial europeia

Hoje politicamente e culturalmente forte, o Ceará teve o início de sua história marcado pela subordinação e obediência à potência de Pernambuco. Ligados institucionalmente pela Coroa Portuguesa, ambos os estados ainda eram tratados como capitanias hereditárias. Mas como o desabrochar de uma flor, os rumos cearenses foram contornados, ganhando novo horizonte: o europeu. Em 1799, com olhares voltados para a Revolução Industrial na Inglaterra, o Siará comemorou sua emancipação, a qual é celebrada nesta quinta-feira, 17, 220 anos depois.
  
As amarras institucionais que ligava Ceará a Pernambuco perduraram por 119 anos. A partir de 1680, tudo o que era produzido na Terra da Luz deveria obrigatoriamente passar pela capitania pernambucana antes de ser exportada, aumentando assim o frete, o tempo de distribuição e os impostos embutidos. A responsável pela mudança de patamar da capitania do Siará foi a Rainha Maria I, que em 17 de janeiro de 1799 decidiu pela emancipação. A integrante da família real depois passaria a ser apelidada de "a Piedosa" e de "a Louca", dando origem à famosa expressão “Maria vai com as outras”, após ser declarada mentalmente incapaz e só sair à rua na companhia de suas damas.
  
O que motivou Maria a tal decisão foi a confluência de dois importantes fatores. Primeiro, com o declínio da pecuária no Ceará, a produção do algodão despontou. A relevância do produto foi tamanha que, à época, passou a ser chamado de “ouro branco”, o qual conseguiu mexer nas estruturas econômicas do Estado. Tanto é que a capital foi transferida de Aquiraz para Fortaleza, até então, vila considerada o centro político da região.
  
A produção no período era voltada quase exclusivamente para Europa, que vivia as agitações da Revolução Industrial, sendo esse o segundo fator que influenciou a rainha. O levante europeu, concentrado na Inglaterra, impulsionou assim a fabricação de tecidos, o que demandou de algodão em larga escala. Desta forma, o Ceará conseguiu libertar-se do domínio pernambucano ao passo que pôde se favorecer de comércio lucrativo com os ingleses.
  
Para o professor e historiador Airton de Farias, “não há como pensar o Ceará, sem falar do algodão”. Assista vídeo comentado e apresentado pelo docente, autor dos livros a "História do Ceará" e "História da sociedade cearense". Airton também escreveu "Canoa Doida", "Senador Alencar", "Fortaleza: Uma Breve História", sob edição da Livraria Dummar.
  
  
Dia do Ceará
  
Em 2004, lei estadual determinou que fosse celebrado o Dia do Ceará em 17 de janeiro. Para comemorar a data este ano, o Governo do Estado e a Prefeitura de Aquiraz – primeira capital cearense – realiza programação especial para esta quinta-feira, começando a partir das 16h30min na Praça Matriz.
  
A programação segue com apresentação das bandas de música de Pindoretama e Chorozinho, contando ainda com 7ª Novena de São Sebastião e da Missa da Festa do Co-padroeiro São Sebastião.

O Povo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…