Maquete do Museu Nacional concorre para virar brinquedo Lego

Publicitários vão destinar dinheiro arrecadado para reconstrução.
A maquete em 3D foi apresentada pelo publicitários paulistas Caio Gandolfi e Diego Ferrite.
A maquete em 3D foi apresentada pelo publicitários paulistas Caio Gandolfi e Diego Ferrite. (©MuseuNacional/ Lego)

Um projeto de maquete do Museu Nacional, destruído por um incêndio em setembro do ano passado, está concorrendo em um concurso para se tornar brinquedo Lego. Para isso ocorrer, a proposta precisa receber 10 mil curtidas no site da empresa dinarmaquesa.
A maquete em 3D foi apresentada pelo publicitários paulistas Caio Gandolfi e Diego Ferrite. Apesar de nunca terem visitado o Museu Nacional, a dupla descobriu que a Lego Ideas, dona do brinquedo, aceita projetos de pessoas físicas com possibilidade de virar brinquedo no futuro e decidiram montar a proposta sobre o museu como forma de ajudar na reconstrução.
“A gente ficou meio chocado quando tudo aconteceu e foi aí que surgiu a ideia de começar a pensar como podiámos ajudar na reconstrução do Museu Nacional mesmo de longe”, disse Caio Gandolfi.
Até o momento, o projeto já recebeu 9,7 mil votos. A votação popular está aberta até agosto de 2020. Se o total de votos for alcançado antes, a votação será encerrada.
Museu Nacional/UFRJ @MuseuNacional
 
Projeto de maquete do Museu Nacional concorre para virar brinquedo Lego.
Caso ganhe 10 mil curtidas no site, vai virar um brinquedo e todos os royalties das vendas do produto serão repassados ao fundo de reconstrução do Museu Nacional.
Para votar: https://ideas.lego.com/projects/461fb3b6-31c5-4fa0-b5e0-7c8fbc3f1d85 
4.066 pessoas estão falando sobre isso
 
 
Depois da votação, um comitê interno da Lego vai analisar se a maquete poderá ser produzida em peças do brinquedo. “Se a gente conseguir as 10 mil curtidas e se o brinquedo for para a rua, todos os royalties cedidos para a gente serão encaminhados para o fundo de reconstrução do Museu Nacional”. Os dois publicitários já se comprometeram formalmente com o diretor do Museu Nacional, Alexander Kellner.
O incêndio destruiu a maior parte do acervo museu, formado por 20 milhões de objetos históricos, artísticos e culturais reconhecidos como patrimônios brasileiros, entre os quais se destacam o fóssil do maior dinossauro já encontrado na América do Sul e o crânio da habitante mais antiga das Américas, Luzia. “Eu nunca vou poder ver as coisas que foram perdidas para sempre, mas o prédio do museu em si ainda pode ser reconstruído e a gente não pode deixar perder isso”, afirmou Gandolfi.

Agência Brasil

Comentários

Mais Visitadas

Alagoano que dirigiu filme que teve cenas gravadas em Penedo toma posse na ABL

Literatura e cinema ajudaram a tornar Notre-Dame conhecida no mundo

Principal nome da literatura feita para crianças no Ceará, Horácio Dídimo, morto em 2018, pode ser homenageado em Dia Estadual da Literatura Infantil

Herança do governo golpista

Catedral de Notre-Dame, em Paris, sofre incêndio na tarde desta segunda-feira