Pular para o conteúdo principal

O sucesso editorial de Michelle Obama

Michelle Obama vai doar 1 milhão de exemplares de seu livro a crianças carentes
Michelle Obama vai doar 1 milhão de exemplares de seu livro a crianças carentes
Michelle Obama deixou a Casa Branca há exatos dois anos, mas continua no topo. Eleita pelos americanos a mulher mais admirada do país, a ex-primeira-dama lançou em novembro sua autobiografia, Becoming (Minha História, Editora Objetiva). Um mês depois, o livro atingia a marca de 3 milhões de cópias vendidas. Agora, quebrou recorde ao ocupar o 1º lugar de livro mais vendido da Amazon. Até então, o recordista era Cinquenta Tons de Cinza, de E. L. James, publicado em 2012. No Brasil, é o 2º livro mais vendido de não ficção, atrás de Aprendizados, da top model Gisele Bündchen.
Logo no prefácio, dá para entender o porquê do sucesso. De forma simples, ela descreve seu primeiro momento de solidão logo que deixou a Casa Branca. "Éramos só eu, nossos dois cachorros e uma casa silenciosa... E eu estava com fome. Na cozinha, abri a geladeira. Achei um saco de pão, peguei duas fatias e coloquei no forno elétrico. Abri o armário e peguei um prato. Sei que é esquisito, mas esse momento - de tirar um prato do armário da cozinha sem antes alguém insistir em pegá-lo para mim e ficar parada sozinha vendo o pão tostar no forninho - me pareceu o que há de mais próximo de uma retomada da minha antiga vida."
E é com essa linguagem próxima que ela cativa. Em pouco mais de 400 páginas, a autora conta sua trajetória da infância humilde em Chicago até se tornar uma das mulheres mais influentes do planeta. O leitor é guiado por um conjunto de memórias divididas em TRês partes: A História Começa, A Nossa História e Uma História de Amor.
Na primeira das três grandes partes em que divide suas memórias, Michelle fala dos primeiros anos de sua vida. Uma história de superação e trabalho árduo, que lembra um roteiro de filme, bem ao gosto americano. Ela iniciou a vida escolar num colégio de seu bairro, depois foi aprovada na melhor escola pública de Chicago e chegou à universidade. Estudou em Princeton e em Harvard.
Michelle tem consciência de que quebrou barreiras. "Quantas vezes constatei que era a única mulher negra - ou até mesmo a única mulher - na sala, sentada a uma mesa de conferência ou participando de uma reunião de diretoria ou entre os convidados de um evento VIP."
Sobre ser a 44ª primeira-dama, relembrou: "Estava honrada e animada para ser primeira-dama, mas nem por um segundo achei que incorporaria um papel glamouroso e fácil. Isso jamais aconteceria a alguém que tivesse as palavras 'primeira' e 'negra' imputadas a si".
Nos tempos que precederam os oito anos no epicentro do poder, Michelle fala sobre a rotina de casada, um aborto espontâneo, as fertilizações in vitro que trouxeram Sasha e Malia ao mundo, os malabarismos para administrar a rotina trabalhando muito e ganhando pouco. Mais vida real, impossível.
Também há lugar para romance no livro. Ela conta como conheceu Barack, de quem foi uma espécie de mentora no escritório de advocacia onde trabalhavam. "Barack era sério sem se levar muito a sério." O colega de escritório virou um amigo, veio a paquera e o primeiro beijo, logo após um sorvete tomado na rua.
A política fez parte da vida de Michelle desde cedo. O pai, operário, atuava para o Partido Democrata. Ela também trabalhou na prefeitura de Chicago. Mas foi com a entrada de Barack Obama na política, a partir de 1996, que sua vida mudou. "Eu não gostava muito de políticos e não me agradava a ideia de meu marido ser um. Mas se Barack se julgava alguém capaz, quem era eu para atrapalhar?" Uma carreira que começou em 1996, para o Senado, e culminou com duas bem-sucedidas campanhas presidenciais, em 2008 e 2012.
Sobre a chegada à Casa Branca, resume: "Não queria ser um enfeite bem-vestido só para dar as caras em festas e cortar fitas em cerimônias de inauguração. Queria fazer coisas significativas e duradouras". E fez. Na função, imprimiu um estilo próprio, liderando projetos para a educação de meninas e de combate à obesidade infantil.
Michelle deixou a Casa Branca em 20 de janeiro de 2017. Ela não esconde a frustração com a eleição de Donald Trump. Mas é enfática sobre o futuro. "Não pretendo concorrer a cargos oficiais, jamais!"
E assim como começou o livro, de maneira direta e despretensiosa, ela encerra: "Sou uma pessoa comum que se viu numa jornada extraordinária". Em inglês, Becoming, título da publicação, pode ser traduzido como "Tornando-se". Michelle está "tornando-se", assim como todas nós.
Estadão Conteúdo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…