Pular para o conteúdo principal

Promoção e vivência da paz: compromisso para as pessoas de boa vontade

A paz precisa ser promovida e vivida, e não apenas ansiada. Ela não vem por si só; é preciso conformar nossa vida a ela.


A paz, ensina-nos as Sagradas Escrituras, é fruto da justiça.

A paz, ensina-nos as Sagradas Escrituras, é fruto da justiça. (Milada Vigerova by Unsplash)
Por Felipe Magalhães Francisco*
Passados os festejos de Natal e Réveillon, com seus muitos bons votos, o desejo de paz permanece? A pergunta parece inocente, pois, quem não desejaria viver em paz, sempre? Essa pergunta, no entanto, quer chamar a atenção para o fato de que a paz precisa ser promovida e vivida, e não apenas ansiada. Ela não vem por si só; é preciso conformar nossa vida a ela. Além disso, faz-se necessário que compreendamos a paz – uma que seja realmente possível – fora da idealização. Paz não significa ausência de conflitos.
Para as religiões, essa temática é fundamental, apesar de muitas vezes elas trabalharem contra a promoção e a vivência da paz. O estar e o viver em paz estão necessariamente ligados ao sentido da vida: quem está reconciliado com o próprio viver, geralmente, está e vive em paz; e mais: promove e constrói a paz. O serviço espiritual das religiões, nesse sentido, faz-se bastante importante: é um serviço que leva as pessoas ao melhor de si, o que influencia, sobremaneira, nas relações, micro e macro.
Buscar a paz é tarefa de toda pessoa, e não apenas das religiosas. Estas últimas, porém, carregam um imperativo ético-espiritual que reclama, com bastante força, o empenho na construção de uma sociedade pacificada e pacifista. Mas, aqui, é preciso ressaltar algo muito importante: a paz não é sinônimo de sossego. Este está mais relacionado ao silêncio dos cemitérios. A paz, ensina-nos as Sagradas Escrituras, é fruto da justiça. Tão logo, a busca pela paz pressupõe busca por justiça, no sentido de que todas as pessoas tenham sua dignidade garantida e exercida, sem critérios. Muitas vezes, então, a promoção da paz nos exige adentrar em alguns conflitos, que visem reafirmar e garantir a dignidade para as pessoas, sobretudo as que são mais feridas por esse sistema que corrompe e mata.
No momento em que vivemos o fortalecimento – com as inevitáveis consequências – de um discurso que promove intolerância, violência e ódio, o comprometimento de todas as pessoas de boa vontade, na busca pela promoção da paz é inevitável. Eis uma exigência ética, à qual não devemos nos furtar! A paz que precisamos é a paz que não se conforma com esse estado de morte que nos assombra e que, sem dúvidas, ameaça-nos de modo real. Buscar a paz, a verdadeira paz, que não se esconde atrás de falsas seguranças, tal como aquela querida pelos defensores do armamento.
Inspirações
A arte também é um serviço à paz. Na riqueza do repertório que compõe o cenário musical de nosso país, há muitas canções que nos inspiram a refletir sobre o verdadeiro sentido da paz, bem como nos interpelam à sua promoção e vivência. Neste Dom Especial, selecionamos três letras, a partir das quais nossos autores pautam suas reflexões e nos ajudam a aprofundar nossa temática, tão necessária. No primeiro artigo, Sorrir em paz ou com sossego?, Vitor Fernandes abre nossa conversa, chamando-nos a refletir sobre a vivência da paz no cotidiano. Na sequência, Tânia Mayer propõe sua reflexão, com forte aceno ético, no artigo Pessoas melhores, dias melhores de paz! Por fim, César Thiago Alves, no artigo A paz como revolução, leva-nos a refletir sobre o real significado da paz e sua urgência para nossos tempos.
Boa leitura!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…