Pular para o conteúdo principal

Saem os finalistas da 3ª edição do Prêmio Kindle de Literatura

Entre os finalistas estão iniciantes como a professora N.R. Melo e a veterana Maria José Silveira. Vencedor será conhecido em fevereiro, receberá R$ 30 mil e terá obra impressa pela Nova Fronteira
Pelo terceiro ano consecutivo, a Amazon se uniu à Nova Fronteira para levantar o Prêmio Kindle de Literatura cujos finalistas foram anunciados na manhã desta terça-feira (29). O júri selecionou, dentre as mais de 1,5 mil obras inscritas, cinco títulos que concorrerão ao prêmio de R$ 30 mil mais a publicação em papel pela Nova Fronteira.
Maria José Silveira é uma veterana que concorre ao Prêmio Kindle de Literatura | © Divulgação
Maria José Silveira é uma veterana que concorre ao Prêmio Kindle de Literatura | © Divulgação
Entre os finalistas estão estreantes como a professora fluminense N.R. Melo, autora de O som no fim do túnel, e a veterana Maria José Silveira (na foto ao lado), que figura entre os finalistas com Terra sem males: um romance fantasia. Além delas concorrem ao prêmio Eliana Cardoso, com Dama de paus; Bruno Loureiro Mahé, com O registro e Maria de Regino, com Três luas de verão e uma figueira encantada.
O júri levou em conta critérios como criatividade, originalidade, qualidade de escrita e viabilidade comercial. Agora, os finalistas passaram por um júri especial formado por editores da Nova Fronteira. O vencedor será conhecido no final de fevereiro.
Conheça abaixo os livros finalistas ao Prêmio Kindle de Literatura (em ordem alfabética do autor)
O Registro (Bruno Loureiro Mahé): Mateus havia acabado de passar por um momento de extrema felicidade em sua vida: seu primeiro filho, Luiz, havia nascido há poucos dias. Cumprindo meramente o protocolo burocrático, o jovem pai vai ao cartório fazer o registro civil de seu filho. No momento de preencher o formulário, comete um erro aparentemente inocente. A partir de então, as coisas começam a mudar na vida de sua família de uma forma completamente inusitada...
Dama de paus (Eliana Cardoso): Ao retornar do velório da neta, Damiana, a narradora, intercala sua história e a história das filhas com a conversa sobre um crime acontecido há três anos que ouve pela porta entreaberta do seu quarto. Ao mesmo tempo em que ouve a conversa, Damiana lê o testamento deixado pela neta. O poder personalista e o provincianismo se combinam no seio da família influente da cidade de Pedra Bonita do Paracatu, mas a narrativa coloca as relações pessoais e as emoções em primeiro plano.
Três luas de verão e uma figueira encantada (Maria de Regino): Diante de mudanças irreversíveis, Arthur, um garoto autista, precisa enfrentar suas angústias mais profundas. Aos poucos, com a leitura da Odisseia de Homero, o apoio do avô e a companhia de um grupo de velhos apaixonados por barcos, Arthur aprenderá a refletir sobre os mistérios da vida. Mas será a descoberta de um espaço labiríntico entre as raízes de uma imensa figueira, de onde resgata objetos antigos, que o levará a compreender melhor suas próprias raízes, seus vínculos familiares, e o colocará diante dos mistérios da morte.
Terra sem males: um romance fantasia (Maria José Silveira): A trama se passa em um Brasil mítico e imaginário em que o povo do El Dorado trava uma luta contra o Primeiro Povo, detentor do segredo da Terra sem Males, um lugar de “muita alegria, liberdade e amor”. O grande inimigo arregimenta seu próprio exército e a batalha começa. O romance traz muito suspense, cenas chocantes, mortes, paixões, muito humor e nenhum compromisso com qualquer verdade a não ser a do reino da imaginação.
O som no fim do túnel (N.R. Melo): O Rio de Janeiro serve de cenário para esse romance. Ali vive Cecília, uma professora de inglês que trabalha numa escolha alvo de conflitos entre facções criminosas. Seu salário está atrasado por conta da crise financeira do estado. Desanimada com toda essa situação, ela pensa em mudar de vida e investir no seu sonho de criança: a música, mas algo vai acontecer e mudar todos os planos da protagonista.

PUBLISHNEWS, REDAÇÃO

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…