Pular para o conteúdo principal

Seminário discutirá sobre mídia e direitos humanos no contexto da infância e juventude

O evento é gratuito e tem o objetivo de sensibilizar jornalistas locais e estudantes de Comunicação Social sobre os direitos humanos de crianças e adolescentes, promovendo a cultura de paz a partir do papel social da mídia.
O Instituto Terre des hommes Brasil e a Coordenação do Curso de Jornalismo da Universidade de Fortaleza (Unifor), promovem no dia 13 de fevereiro, às 9h, no auditório da Biblioteca da Unifor, o Seminário Mídia e Direitos Humanos para a Infância e Juventude: um olhar para a cultura de paz. O evento é gratuito e tem o objetivo de sensibilizar jornalistas locais e estudantes de Comunicação Social sobre os direitos humanos de crianças e adolescentes, promovendo a cultura de paz a partir do papel social da mídia. O seminário é voltado para jornalistas e estudantes de Comunicação Social (Jornalismo), e tem o intuito de discutir a abordagem da imprensa local em casos diversos de violência e de violação dos direitos de crianças e adolescentes. As palestrantes serão a jornalista e escritora Suzana Varjão, consultora da Agência de Notícias dos Direitos da Infância (Andi); e a jornalista Eulália Camurça, editora de Núcleo do Sistema Verdes Mares (SVM).

Iniciativas como essa são atos de resistência contra as investidas da barbárie e em favor da caminhada civilizatória. São barricadas humanistas erguidas no campo simbólico – a arena de luta da palavra, que afeta, constrói, modifica, legitima realidades. Parabéns e obrigada por nos incluírem nessa batalha!”, afirmou Suzana Varjão, ao ressaltar a importância da realização do evento.
Eulália Camurça também falou sobre a contribuição que o seminário trará para os jornalistas e estudantes: “A expectativa é que o compartilhamento de experiências e inquietações contribuam para ampliar e qualificar o debate para a pauta sempre urgente da infância e da juventude. Há sempre muito o que se aprender neste campo que demanda muita atenção e um tratamento diferenciado”. Além da apresentação das duas palestrantes, ao final do evento, será lançado o “Manual Comunicação e Direitos Humanos – Infância e Juventude em Pauta”, uma publicação do Instituto Tdh Brasil. O seminário é cofinanciado pela Kindernothilfe (KNH).
Conheça o perfil das palestrantes
– Suzana Varjão
Jornalista, escritora e pesquisadora, Suzana Varjão tem pautado o exercício profissional pela defesa de direitos humanos – principalmente, de grupamentos vulneráveis da população brasileira. Atuando nesses campos, recebeu 28 distinções, concedidas por organizações locais, nacionais e internacionais, como a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), a Agência Internacional de Notícias, a Ordem dos Advogados do Brasil e a Associação Brasileira de Imprensa. Mestre em Cultura & Sociedade pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), coordenou pesquisas importantes sobre comunicação & direitos, como “Imprensa & Racismo”, pela Andi, sendo autora, entre outros, dos livros “Micropoderes, macroviolências: mídia impressa, aparato policial” e “Violações de direitos na mídia brasileira”, dois estudos sobre a palavra e seu impacto na construção da ordem social.
– Eulália Camurça
Doutoranda em Direito Constitucional pelo Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal do Ceará (PPGD/UFC), mestre em Direito e Desenvolvimento pela Universidade Federal do Ceará, a jornalista Eulália Camurça possui graduação em Comunicação Social pela Universidade Federal do Ceará e graduação em Direito pela Universidade de Fortaleza. Atualmente, é professora das disciplinas de Legislação e Ética, Projeto Integrado de Webjornalismo, Filosofia do Direito, Direito da Infância e Juventude e Hermenêutica Jurídica do Centro Universitário 7 de Setembro (UNI7); e editora de Telejornalismo do Sistema Verdes Mares.
Mais informações: (85) 3263 1142
Boa Notícia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…