Pular para o conteúdo principal

Seminário discutirá sobre mídia e direitos humanos no contexto da infância e juventude

O evento é gratuito e tem o objetivo de sensibilizar jornalistas locais e estudantes de Comunicação Social sobre os direitos humanos de crianças e adolescentes, promovendo a cultura de paz a partir do papel social da mídia.
O Instituto Terre des hommes Brasil e a Coordenação do Curso de Jornalismo da Universidade de Fortaleza (Unifor), promovem no dia 13 de fevereiro, às 9h, no auditório da Biblioteca da Unifor, o Seminário Mídia e Direitos Humanos para a Infância e Juventude: um olhar para a cultura de paz. O evento é gratuito e tem o objetivo de sensibilizar jornalistas locais e estudantes de Comunicação Social sobre os direitos humanos de crianças e adolescentes, promovendo a cultura de paz a partir do papel social da mídia. O seminário é voltado para jornalistas e estudantes de Comunicação Social (Jornalismo), e tem o intuito de discutir a abordagem da imprensa local em casos diversos de violência e de violação dos direitos de crianças e adolescentes. As palestrantes serão a jornalista e escritora Suzana Varjão, consultora da Agência de Notícias dos Direitos da Infância (Andi); e a jornalista Eulália Camurça, editora de Núcleo do Sistema Verdes Mares (SVM).

Iniciativas como essa são atos de resistência contra as investidas da barbárie e em favor da caminhada civilizatória. São barricadas humanistas erguidas no campo simbólico – a arena de luta da palavra, que afeta, constrói, modifica, legitima realidades. Parabéns e obrigada por nos incluírem nessa batalha!”, afirmou Suzana Varjão, ao ressaltar a importância da realização do evento.
Eulália Camurça também falou sobre a contribuição que o seminário trará para os jornalistas e estudantes: “A expectativa é que o compartilhamento de experiências e inquietações contribuam para ampliar e qualificar o debate para a pauta sempre urgente da infância e da juventude. Há sempre muito o que se aprender neste campo que demanda muita atenção e um tratamento diferenciado”. Além da apresentação das duas palestrantes, ao final do evento, será lançado o “Manual Comunicação e Direitos Humanos – Infância e Juventude em Pauta”, uma publicação do Instituto Tdh Brasil. O seminário é cofinanciado pela Kindernothilfe (KNH).
Conheça o perfil das palestrantes
– Suzana Varjão
Jornalista, escritora e pesquisadora, Suzana Varjão tem pautado o exercício profissional pela defesa de direitos humanos – principalmente, de grupamentos vulneráveis da população brasileira. Atuando nesses campos, recebeu 28 distinções, concedidas por organizações locais, nacionais e internacionais, como a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), a Agência Internacional de Notícias, a Ordem dos Advogados do Brasil e a Associação Brasileira de Imprensa. Mestre em Cultura & Sociedade pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), coordenou pesquisas importantes sobre comunicação & direitos, como “Imprensa & Racismo”, pela Andi, sendo autora, entre outros, dos livros “Micropoderes, macroviolências: mídia impressa, aparato policial” e “Violações de direitos na mídia brasileira”, dois estudos sobre a palavra e seu impacto na construção da ordem social.
– Eulália Camurça
Doutoranda em Direito Constitucional pelo Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal do Ceará (PPGD/UFC), mestre em Direito e Desenvolvimento pela Universidade Federal do Ceará, a jornalista Eulália Camurça possui graduação em Comunicação Social pela Universidade Federal do Ceará e graduação em Direito pela Universidade de Fortaleza. Atualmente, é professora das disciplinas de Legislação e Ética, Projeto Integrado de Webjornalismo, Filosofia do Direito, Direito da Infância e Juventude e Hermenêutica Jurídica do Centro Universitário 7 de Setembro (UNI7); e editora de Telejornalismo do Sistema Verdes Mares.
Mais informações: (85) 3263 1142
Boa Notícia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…