Pular para o conteúdo principal

Triste amor

Por 
Nesse texto, fugindo dos temas filosóficos (onde a lógica de viver considera a dialética da causa e efeito), políticos (que envolve a análise dos processos de Estado e de Governo para assegurar justiça, direitos e obrigações), econômicos (consistindo nos exames da oferta, da demanda, da incerteza, do risco e outros), etc, tentamos mostrar a ansiedade e o sofrimento de um homem apaixonado que não foi correspondido por sua amada (Alice). 
A ideia central foi extraída do poema em prosa “Três Horas” de nossa autoria e constante, inicialmente, do livro “Amor e Dor”. Alice era uma moça bem intencionada, esperava plantar sementes de amor, pois assim sua vida ficaria mais interessante. Essa história de amor, talvez paixão, não apresentou um final feliz. Eis, a seguir, as sete estrofes do mencionado poema prosa:
1. Estou no restaurante sozinho; são três horas; já está tarde pra jantar; Alice ainda não chegou. 2. Ainda virá? Pergunto-me; além da fome, sinto sua falta; gostaria de depois amar. 3. Já é tarde, são três horas, madrugada triste; ao lado, um casal bebendo e feliz; com certeza aguardam bons momentos. 4. Em outra mesa quatro boêmios cantam Lupicínio; “Nunca”, “Vingança”, “Volta”, “Cadeira Vazia”... 5. Meu coração sofre, são três horas; à minha frente uma cadeira vazia; Alice não mais virá. 6. Vou-me embora, abatido; não bebi e não beberei; sóbrio, enfrentarei a decepção; Alice está com outro amor. 7. Já são mais de três horas; magoado e cabisbaixo; vou caminhando para casa; pensando, quase chorando; Alice me abandonou. 

Assim, diante da realidade, disse a mim mesmo: para conquistar o coração de uma mulher, devo primeiro alterar o meu, bem como ter a consciência de que a compreensão e a tolerância permitem alcançar a paz. Lembrei-me de Fernando Pessoa: “Tudo vale a pena quando a alma não é pequena”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…