Pular para o conteúdo principal

UMA “VALE” DE LAMA

Minas Gerais sempre foi um estado riquíssimo em ouro, diamantes e minérios, desde os tempos que remontam à colonização e à interiorização do Brasil.
Diamantes e muito ouro foram extraídos de suas terras e espoliados para terras além-mar, e hoje enfeitam as mais belas igrejas e monumentos existentes mundo afora.
Compreensível sob o ponto de vista histórico, afinal, o Brasil-Colônia e o Brasil-Império tinham suas razões para assim proceder.
Passados séculos, no Brasil brasileiro, Minas Gerais continua sendo alvo da cobiça humana e suas riquezas continuam sendo exploradas de forma intensa.
A multinacional Vale do Rio Doce é uma empresa que ocupa o primeiro lugar na produção de minério de ferro, pelotas e níquel. Investe 5,5 bilhões de dólares e contrata 70% da mão-de-obra local. Possui 8,2 mil km quadrados de áreas naturais protegidas. Assim consta em seu site.
Sobre a missão e os valores da empresa, diz o site: “nosso compromisso é gerar prosperidade com respeito pelas pessoas e pelo meio ambiente”. Os desastres de Mariana e de Brumadinho desmentem essa afirmativa.
Ocorre que, as atividades da Vale, exigem uma redobrada fiscalização e cautela por parte do ente estatal, notadamente pelo impacto ambiental que causa e pelos eventuais danos que possa vir a causar; pelos riscos humanos que propicia, com real perigo de dano, tal como ocorreu recentemente em Brumadinho.
Para isso, devem ser as leis ambientais respeitadas e os órgãos de fiscalização rigorosos em seu mister. É onde o poder estatal deve fazer valer seu dever de zelar pela sociedade, pelo meio ambiente.
O que vimos? Descaso com a vida humana. Desrespeito com o meio ambiente.
O desastre em Mariana, ocorrido anos antes, não serviu de exemplo nem de aprendizado.
O desastre de Brumadinho tende para novo descaso.
A Vale do Rio Doce tem que ser chamada à responsabilidade pelos males que causa e deve ser rigorosamente fiscalizada em suas atividades, as quais acarretam e podem acarretar danos incontornáveis à sociedade e ao meio ambiente.
Diante da recente tragédia, é preciso que o governo federal seja capaz de fazer diferente.
É tudo o que se pode desejar, mesmo para aqueles que nada desejam.
Que sejamos capazes de aprender com mais um desastre de proporções incalculáveis, mesmo que não queiramos aprender mais nada.
Que sejamos capazes de ter esperança em um país melhor, mesmo que estejamos cansados de sonhar.
Que a Vale deixe de ser um vale de lama.

Grecianny Carvalho Cordeiro
Promotora de Justiça

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…