Pular para o conteúdo principal

Vivemos tempos estranhos


Grecianny Carvalho Cordeiro - Promotora de Justiça

Como diz a letra da canção: “o mundo está ao contrário e ninguém reparou”.

No mundo do politicamente correto, tem que ter muito cuidado com o que se diz, sob pena de ser mal interpretado. De repente, vale mais o que se diz – pesado e medido – do que a sinceridade com que se diz. E nisso, as coisas se inverteram, pois o importante é falar o que os outros querem ouvir, embora não seja necessariamente o que você pensa. 
Hoje, tudo é motivo para discórdia. Hoje, as frases ditas e mal ditas por uma pessoa, especialmente se político, tem o condão de gerar uma dissensão nacional.
E aí voltam as intrigas, os bate-bocas nas redes sociais, a repercussão dada pela imprensa. As pessoas então embarcam nessa onda, movidas por uma paixão quase juvenil, lançando imprecações, tratados filosóficos e sociológicos, etecetera e tal.
Esquecem as pessoas que aquilo que é idiota não deve ser supervalorizado, superdimensionado, dando-se importância em demasia à imbecilidade, propagando-a com a velocidade da luz.
Num dia, a pessoa posta no facebook e no instagram que homens e mulheres são iguais em direitos, que a igualdade de gêneros deve ser assegurada. No dia seguinte, alardeia que todo mundo deve escrever como uma garota, porque as mulheres tiraram as maiores notas em redação no Enem.
Num dia, a pessoa prega o amor ao próximo, a solidariedade, a caridade, a liberdade expressão e de opinião. No dia seguinte, posta nas redes sociais comentários grotescos sobre ser burro e imbecil porque se votou em fulano ou sicrano, porque se apoiou determinada causa ou não.
Hoje, quando chegamos em algum lugar, antes de emitir qualquer posicionamento sobre qualquer coisa, temos que primeiro avaliar o terreno, procurar saber quem são as pessoas que ali estão, para então podermos dizer o que pensamos. Se o ambiente for favorável, podemos ser sinceros. Se for desfavorável, melhor calar ou se retirar.
Muito se fala em liberdade de expressão. Muito se cobra quanto ao direito de falar, de emitir opinião, no entanto, tal liberdade se esbarra, principalmente, em nossa própria intolerância, em nossa incapacidade de compreender o outro, sem necessariamente ter que concordar ou ter que bater palmas.
Vivemos tempos estranhos.
Exigimos receber sem dar. Queremos falar sem ter que ouvir. Apontamos sempre o dedo para o outro sem jamais fazermos uma autocrítica. Amigo bom é o que concorda com nossos pontos de vista. O falar importa mais que o agir.
Digressões…

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…