Pular para o conteúdo principal

A nossa palavra

Por 
A releitura de um livro nos colocou o tema de hoje. Relembramos as crônicas do jornalista cearense Blanchard Girão (1929 - 2007). O intrépido redator era pontual ao meio-dia no horário de rádio. A crônica: “A Nossa Palavra”, transmitido pela Rádio Dragão do Mar. Desabafos nossos. Linguagem de verdadeira cidadania. Viés político de coragem para dizer o que ficava entalado no jogo emocional de quem assistia aos avanços ditatoriais do Governo de exceção nascido após a derrocada da democracia.
Blanchard escrevendo em trincheira de resistência. Vocabulário forte. Vibrante. Corajoso. Essencialmente nacionalista. Textos especiais foram condensados em livro, no ano de 2005. “Só as Armas Calaram a Dragão” teve lançamento na forma da literatura que empolga. Agora, o livro paira sobranceiro no silêncio das estantes. A releitura atual teve o condão de despertar o redator deste canto de página para sustentar princípios de amor à Pátria. Resta-nos pedir a Deus a correção dos rumos desta democracia que se sedimenta por votos.
O Brasil sempre terá um comando de idealistas, mesmo dos que permanecem saudosos dos seus líderes da boa escrita. Blanchard Girão detalhou o silêncio da emissora da rádio Dragão do Mar e deixou escrito de relevância para uma leitura sempre atual. “A Nossa Palavra” marcou época na radiofonia cearense, numa transposição literária firmada em livro. Jornalista escritor tem sempre o seu lugar no quadro da história viva de um povo. Reler bons livros dá a tônica da superioridade do que se contém em obras editadas.

“A Nossa Palavra” perpetuada nas recordações históricas. Excelente motivação para sustentar o conceito de democracia que tanto nos anima. Saudade do Blanchard Girão e de toda uma plêiade dos bons jornalistas cearenses que se vocacionavam através do rádio – esse fenômeno tão bem definido como “imprensa falada”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…