Pular para o conteúdo principal

A nossa palavra

Por 
A releitura de um livro nos colocou o tema de hoje. Relembramos as crônicas do jornalista cearense Blanchard Girão (1929 - 2007). O intrépido redator era pontual ao meio-dia no horário de rádio. A crônica: “A Nossa Palavra”, transmitido pela Rádio Dragão do Mar. Desabafos nossos. Linguagem de verdadeira cidadania. Viés político de coragem para dizer o que ficava entalado no jogo emocional de quem assistia aos avanços ditatoriais do Governo de exceção nascido após a derrocada da democracia.
Blanchard escrevendo em trincheira de resistência. Vocabulário forte. Vibrante. Corajoso. Essencialmente nacionalista. Textos especiais foram condensados em livro, no ano de 2005. “Só as Armas Calaram a Dragão” teve lançamento na forma da literatura que empolga. Agora, o livro paira sobranceiro no silêncio das estantes. A releitura atual teve o condão de despertar o redator deste canto de página para sustentar princípios de amor à Pátria. Resta-nos pedir a Deus a correção dos rumos desta democracia que se sedimenta por votos.
O Brasil sempre terá um comando de idealistas, mesmo dos que permanecem saudosos dos seus líderes da boa escrita. Blanchard Girão detalhou o silêncio da emissora da rádio Dragão do Mar e deixou escrito de relevância para uma leitura sempre atual. “A Nossa Palavra” marcou época na radiofonia cearense, numa transposição literária firmada em livro. Jornalista escritor tem sempre o seu lugar no quadro da história viva de um povo. Reler bons livros dá a tônica da superioridade do que se contém em obras editadas.

“A Nossa Palavra” perpetuada nas recordações históricas. Excelente motivação para sustentar o conceito de democracia que tanto nos anima. Saudade do Blanchard Girão e de toda uma plêiade dos bons jornalistas cearenses que se vocacionavam através do rádio – esse fenômeno tão bem definido como “imprensa falada”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…