Pular para o conteúdo principal

Biólogo e quadrinista transformam artigo científico sobre o ciclo de vida dos insetos em história em quadrinhos

Por Ana Carolina Moreno, G1

 
O biólogo Luciano Queiroz transformou um artigo científico em uma história em quadrinhos  — Foto: Arquivo pessoal/Luciano Queiroz
O biólogo Luciano Queiroz transformou um artigo científico em uma história em quadrinhos — Foto: Arquivo pessoal/Luciano Queiroz
Você se lembra de como aprendeu sobre o ciclo de vida dos insetos na disciplina de biologia? Nesta quarta-feira (20), um biólogo e um quadrinista lançam uma explicação sobre o tema que, ao mesmo tempo, é científica e escapa do estilo de ensino tradicional. Batizada de "Ciclos", a "aula" é toda feita em quadrinhos, que ilustram e recontam os resultados de um experimento científico realizado no interior de Goiás.
Produzida em um processo de trabalho que levou seis meses, a história em quadrinhos resume em seis páginas o artigo (leia a íntegra do material abaixo).
 
"Ciclos" - parte 1: história em quadrinhos ilustra e reconta os resultados de artigo científico sobre o ciclo de vida dos insetos — Foto: Divulgação/Luciano Queiroz e Marco Merlin
"Ciclos" - parte 1: história em quadrinhos ilustra e reconta os resultados de artigo científico sobre o ciclo de vida dos insetos — Foto: Divulgação/Luciano Queiroz e Marco Merlin
Essa não é a primeira parceria entre o biólogo Luciano Queiroz e o quadrinista Marco Merlin. Eles já produzem, desde 2016, o "Cientirinhas", uma parceria entre o podcast Dragões na Garagem e o Quadrinhorama, projeto pessoal de Merlin.
Nas mais de 130 tirinhas já publicadas, conceitos científicos são divulgados de forma curta e bem humorada. Mas a divulgação de um artigo científico nesse formato é inédita para os dois.
"Essa foi a primeira vez que transformamos um artigo científico em quadrinho. Minha ideia é experimentar um novo formato para se fazer divulgação científica. O quadrinho é um artigo científico, mas esperamos que as pessoas se entretenham enquanto o leem", explicou Queiroz ao G1.
 
"Ciclos" - parte 2: história em quadrinhos ilustra e reconta os resultados de artigo científico sobre o ciclo de vida dos insetos — Foto: Divulgação/Luciano Queiroz e Marco Merlin
"Ciclos" - parte 2: história em quadrinhos ilustra e reconta os resultados de artigo científico sobre o ciclo de vida dos insetos — Foto: Divulgação/Luciano Queiroz e Marco Merlin

Experimento que virou artigo científico

O biólogo, que fez a graduação na Universidade Federal de Goiás (UFG) e hoje é doutorando em microbiologia pela Universidade de São Paulo (USP), era estudante de iniciação científica quando integrou um grupo de pesquisa que foi a campo com um projeto para estudar a ecologia dos insetos.
Durante cinco semanas, os pesquisadores coletaram informações sobre como os insetos se reproduzem e iniciam um novo ciclo de vida no Cerrado brasileiro, mais especificamente no município de Niquelândia (GO).
O local escolhido por eles foram cinco riachos intermitentes, ou seja, que secam durante os períodos de estiagem e voltam a encher de água quando voltam as chuvas. A ideia era aproveitar o início da época de chuva para avaliar como cada espécie de inseto retornava ao riacho para um novo ciclo de procriação e colonização. Para isso, eles tiveram a ideia de montar "habitats artificiais" dentro de "bolsas" de nylon nos riachos.
Cada bolsa continua um conjunto de seixos, que são pequenas rochas arrendondadas pelo fluxo da água. "Os insetos aquáticos podem viver embaixo ou na superfície dessas pedras, depende da espécie", explicou Queiroz ao G1.
 
"Ciclos" - parte 3: história em quadrinhos ilustra e reconta os resultados de artigo científico sobre o ciclo de vida dos insetos — Foto: Divulgação/Luciano Queiroz e Marco Merlin
"Ciclos" - parte 3: história em quadrinhos ilustra e reconta os resultados de artigo científico sobre o ciclo de vida dos insetos — Foto: Divulgação/Luciano Queiroz e Marco Merlin
 
A cada semana, o grupo retirava as bolsas antigas e colocava novas no lugar. Durante cinco semanas, as bolsas retiradas eram analisadas para revelar detalhes sobre como é feita a colonização daqueles ambientes. Veja algumas das descobertas do estudo:
  • Os primeiros insetos que aparecem nos riachos quando as chuvas recomeçam são as libélulas, as moscas e mosquitos e as efeméridas (nome popular do efemeróptero, um inseto aquático);
  • Cada um deles se alimenta de uma forma diferente: enquanto as larvas dos mosquitos coletam plâncton e microorganismos da água, as ninfas de libélulas predam outros animais, e as ninfas dos efemerópteros se alimentam do musgo;
 
"Ciclos" - para 4: história em quadrinhos ilustra e reconta os resultados de artigo científico sobre o ciclo de vida dos insetos — Foto: Divulgação/Luciano Queiroz e Marco Merlin
"Ciclos" - para 4: história em quadrinhos ilustra e reconta os resultados de artigo científico sobre o ciclo de vida dos insetos — Foto: Divulgação/Luciano Queiroz e Marco Merlin
  • Já outros insetos só chegam ao riacho a partir da terceira semana após o início das chuvas. Entre eles estão os percevejos, os megalópteros e os tricópteros;
  • Nessa época, as libélulas já deixaram o local, que é ocupado por outros insetos predadores, como os percevejos. Por outro lado, outras espécies que se alimentam do musgo na água permanecem ali;
  • Quando os insetos já estão adultos, os insetos predadores deixam o riacho e migram para outros locais, dando continuidade ao processo que a ciência chama de "sucessão ecológica", quando existe um grande número de espécies no período inicial da colonização de um habitat, mas a população vai diminuindo com o passar do tempo.
 
 
"Ciclos" - parte 5: história em quadrinhos ilustra e reconta os resultados de artigo científico sobre o ciclo de vida dos insetos — Foto: Divulgação/Luciano Queiroz e Marco Merlin
"Ciclos" - parte 5: história em quadrinhos ilustra e reconta os resultados de artigo científico sobre o ciclo de vida dos insetos — Foto: Divulgação/Luciano Queiroz e Marco Merlin

Artigo científico que virou história em quadrinhos

Queiroz explica que o resultado do experimento foi publicado no artigo científico em 2016 e, no mesmo ano, surgiu a ideia de divulgá-lo em outro formato.
"Os resultados que obtivemos demonstram de forma muito simples como ocorre a colonização de novos ambientes pelos insetos aquáticos", disse o biólogo. Ele diz que a ideia de usar o texto acompanhado de desenhos "facilita muito a compreensão do conceito de sucessão e também apresenta alguns insetos que não são tão conhecidos pela população".
"Os artigos que escrevemos são histórias, contamos como surgiu a ideia, como fizemos para testá-la, os resultados que obtivemos e como isso influencia o conhecimento que já temos. Essa história é contada para um público restrito, o acadêmico. Temos conceitos, termos e nomenclaturas específicas. No caso da divulgação científica o público muda. Queremos alcançar pessoas que não são do meio acadêmico. Então, contamos a história de outra forma."
Segundo o doutorando, existe a ideia de repetir a empreitada no futuro, mas ainda sem prazos definidos, já que o processo inclui muitas etapas, desde o roteiro, as cenas, a pesquisa de imagens e os diversos rascunhos, revisões e colorização.
Mas a escola do tema "Ciclos" veio da simplicidade com a qual seria possível explicar para um público mais amplo o processo de sucessão ecológica dos insetos.
 
"Os ciclos de vida de plantas, animais e da natureza como um todo são muito poéticos e as pessoas tendem a fazer paralelos com suas próprias vidas. Esses paralelos criam laços entre o produto e o leitor."
 
"Ciclos" - parte 6: história em quadrinhos ilustra e reconta os resultados de artigo científico sobre o ciclo de vida dos insetos — Foto: Divulgação/Luciano Queiroz e Marco Merlin
"Ciclos" - parte 6: história em quadrinhos ilustra e reconta os resultados de artigo científico sobre o ciclo de vida dos insetos — Foto: Divulgação/Luciano Queiroz e Marco Merlin

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…