Pular para o conteúdo principal

Erasmo Carlos tem retratados seus dias de Jovem Guarda em 'Minha Fama de Mau'

Se há uma coisa que o cinema brasileiro aprendeu, foi a fazer biografias. Em geral, são boas, mas existem as que são melhores. É o caso deste lançamento.
Chay Suede fez teste, e foi ele, que canta e toca, quem propôs ao diretor que não dublasse, mas que permitisse a seu elenco cantar.
Chay Suede fez teste, e foi ele, que canta e toca, quem propôs ao diretor que não dublasse, mas que permitisse a seu elenco cantar. (Divulgação)

Mais do que qualquer contrato, a simples palavra bastou para selar o compromisso entre o diretor Lui Farias e Erasmo Carlos para a realização de Minha Fama de Mau. "Conheço o Erasmo desde garoto, quando meu pai (o cineasta Roberto Farias) realizou a trilogia com Roberto Carlos (formada por Roberto Carlos Em Ritmo de Aventura, Roberto Carlos e o Diamante Cor de Rosa e Roberto Carlos a 300 km por Hora). Erasmo andava sempre por ali, na casa na vida das gente. Depois que casei com a Paula (Toller, vocalista do Kid Abelha), continuei a encontrá-lo nos backstages. Uma noite, chegamos no hotel no fim de noite, no fim de show, e lá estava ele sozinho. Conversamos, o assunto do livro surgiu, eu disse que gostaria de filmar e ele retrucou - 'É teu!'."

Minha Fama de Mau estreia na próxima quinta, 14, em salas de todo o Brasil. Serão 350, pelo menos. Já virou lugar comum dizer que, se há uma coisa que o cinema brasileiro aprendeu, foi a fazer biografias. Em geral, são boas, mas existem as que são melhores. É o caso de Minha Fama de Mau. Lui realizou lá atrás seus retratos de mulheres - Com Licença Eu Vou à Luta, Lili - A Estrela do Crime. São filmes dos anos 1980 e só muito tempo depois, em 2007, ele fez Os Porra Lokinhas. Lui fez agora Os Porra Lokas - Erasmo Carlos e seus amigos. Esse cara esteve a um passo da marginalidade - mauzinho, roubando fios para descolar um troco. Salvou-o a música.

"Fiquei muito emocionado ao descobrir que foi meu pai, ao propor que Erasmo fizesse com Roberto um tema musical para filme, quem reuniu a dupla, numa época em que os amigos estavam brigados. Ao contar agora a história do Erasmo, sinto como se estivesse fazendo um spin off da trilogia." Trabalhando na confiança, o biografado deu carta branca para o diretor. "Eu queria que o Erasmo desse sua aprovação, mas ele não quis se envolver. Disse que só ia ver com o público, no cinema." E o Rei? "Roberto tem um cuidado muito grande com a imagem. Ele viu e aprovou." O filme evoca o começo da dupla, na verdade, do trio. Roberto, Erasmo, Wanderléa. Recria os anos da Jovem Guarda, a amizade. Então era importante ter esse feedback da aprovação."

Gabriel Leone já havia feito Roberto em Chacrinha, mas era uma cena. Chay Suede fez teste, e foi ele, que canta e toca, quem propôs ao diretor que não dublasse, mas que permitisse a seu elenco cantar. "A Malu (Rodrigues) eu conhecia desde que fez teste para Os Porra-Lokinhas, mas não pude usá-la. Ficou como umas reserva na minha cabeça. Como sabia que cantava, pensei - ‘É agora!’ Malu chegou cheia de ideias, foi quem propôs o Devolva-me, que canta com Chay (Erasmo) numa das cenas mais emotivas do filme. Eles gravaram as faixas uma semana antes, foi seu primeiro encontro e eu senti que a gente estava no caminho certo. O filme começou a tomar forma."

Erasmo, porra-loka, fama de mau? "Conhecendo o Erasmo como conheço, ele me confessou que, mais que tudo, a fama, o dinheiro sempre quis ter uma família. É uma coisa com que posso me identificar, e o público também." Bianca Comparato interpreta todas as mulheres de Erasmo - Lara, Clara, Samara, Nara. "Foi ideia dela, e confesso que vacilei, com medo de que ficasse caricato. Mas o Erasmo fala com tanta ternura de seu amor por Narinha, a mãe de seus filhos, que eu achei que seria uma forma de homenagem, de fazer com que ela ficasse presente durante todo o filme."



Agência Estado

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…