Escola de samba conta a história do Bode Ioiô, personagem cearense




O Bodê Ioiô é um grande símbolo do sertão cearense. Retirante da seca de 1915, ele foi companheiro de artistas e intelectuais que frequentavam a boemia em Fortaleza. Seu sucesso era tão grande que o bode chegou a ser eleito vereador da capital informalmente.
Passados 88 anos da morte, seu nome volta a ser lembrado, e dessa vez nacionalmente. A história do Bode Ioiô será tema de enredo da escola de samba Paraíso do Tuiuti, no Carnaval de 2019 no Rio de Janeiro.
Segundo o carnavalesco Jack Vasconcelos, ele conheceu a história do bode através de um amigo cearense há quatro anos. “Esse ano o projeto do bode saiu da gaveta. Eu falei que queria conhecer um pouco mais da história desse personagem, e fiz uma viagem até Fortaleza, passei uns dias, fui ao museu e a história virou enredo”, relata.
A história do bode, hoje empalhado no Museu do Ceará, no Centro da capital, chamou atenção do carnavalesco por conta de sua fama. “Ele virou uma personificação da população e da resistência popular. A imagem do bode sobrevive até os dias de hoje, as pessoas amam sua história”, reflete.
Jack compara Ioiô com um símbolo carioca, o Macaco Tião, que não teve tanta representatividade na história. “Ele não foi um personagem que sobreviveu ao tempo, muitas pessoas da nova geração dificilmente ouviram falar do macaco. O Ioiô é super vivo, ele dá nome a bloco de rua, é lembrado em manifestações popular. Eu pensei ‘Isso é muito Brasil, eu preciso falar dele'”.
O carnavalesco ressalta a importância do Bode Ioiô na conjuntura política do país. “A gente vai usar o bode para fazer algumas brincadeiras em relação a como as pessoas tratam a política e vamos usar ele porque foi exemplo de voto de protesto e da insatisfação das pessoas”, retrata.
Durante os preparativos para confirmar o enredo, Jack visitou Fortaleza para conferir de perto toda a cultura local. “Eu conheci um pouco do artesanato, estou trazendo para cá e estamos reproduzindo como os tradicionais fuxicos, as tendas de bilro, os bonecos de barro e os tapetes de retalho trançado”, lista.
Outro fator que chamou atenção do carnavalesco foi a cor do mar de Fortaleza, esverdeado. “Gostei muito de ver o esverdeado do mar, porque aqui no Rio, o mar é mais azulado”. A cor do mar será tema de um carro no desfile. “Mandei tingir alguns tecidos nesses tons de verde para reproduzir a cor que eu vi”.

História

O Bode Ioiô causou algumas histórias memoráveis na Praça do Ferreira, considerada o “Coração de Fortaleza”. Segundo informações do Blog Fortaleza Nobre, o animal teria chegado à capital junto a retirantes da seca que atingiu o Ceará em 1915.
Seu dono o vendeu, na época, para um representante de empresa britânica, e ele acabou se tornando uma espécie de mascote. Conforme o blog, o bode teria cansado de comer os ‘matos’ em volta da empresa, localizada na Praia de Iracema, e decidiu passear pela cidade. O caminho entre a Praia e a Praça do Ferreira se tornou diário e, foi a partir daí, que ele virou um memorável ícone da boemia fortalezense, compartilhando passeios com escritores, pensadores, músicos e atores.
Em 1921, Ioiô faria um causo que consagraria sua história. Durante a cerimônia de inauguração do Cine Moderno, nas redondezas da Praça do Ferreira, várias pessoas aguardavam com expectativa a chegada de governadores e celebridades. Ioiô quebrou as regras, tomou a frente e comeu a fita de inauguração.
A partir daí, no mesmo ano, intelectuais “candidataram” o bode Ioiô a vereador. Em 1922, o nome do bode apareceu como vitorioso, apesar de não haver uma candidatura legalizada. Nesse período, pessoas votavam em cédulas de papel, escrevendo o nome de seus candidatos e, por isso, a vitória. Bode Ioiô morreu em 1931 e, logo após sua morte, foi empalhado e doado ao Museu do Ceará, localizado em Fortaleza.
Tribuna do Ceará

Comentários

Mais Visitadas

Alagoano que dirigiu filme que teve cenas gravadas em Penedo toma posse na ABL

Exposição "Gesto Tempo" apresenta diversas formas de bordar

Literatura e cinema ajudaram a tornar Notre-Dame conhecida no mundo

Academia Brasileira de Letras doa livros para índios guaranis no Rio

Catedral de Notre-Dame, em Paris, sofre incêndio na tarde desta segunda-feira