Pular para o conteúdo principal

Filme sobre Marighella é resposta artística a cenário político brasileiro, diz Wagner Moura

'Bolsonaro tem elogiado torturadores, ele tem elogiado a ditadura... as pessoas estão começando a dizer que o golpe de 1964 foi na verdade o 'movimento' de 1964', diz diretor.
"Marighella" mostra o grupo de resistência usando meios criativos para chamar atenção para os crimes da ditadura. (Divulgação)

BERLIM - Os produtores de 'Marighella', filme sobre o revolucionário brasileiro assassinado durante a ditadura militar, esperam que a produção ajude a combater uma versão da história brasileira que afirmam ser propagada pelo presidente Jair Bolsonaro.
O drama foi filmado antes da eleição presidencial do ano passado, mas o diretor Wagner Moura disse que o filme é, ainda assim, uma resposta artística ao cenário no qual Bolsonaro foi eleito.
O filme retrata um grupo clandestino liderado por Carlos Marighella (Seu Jorge), cujo objetivo é estimular a resistência informando o público sobre atos de tortura e assassinatos perpetrados por um governo que usa o controle da mídia para manter seus crimes em segredo.
Moura disse que o filme, que estrearia nesta sexta-feira no Festival de Cinema de Berlim, tem uma missão semelhante --derrubar uma narrativa que retrata os defensores da ditadura como heróis e apaga a história da resistência.
"(Bolsonaro) tem elogiado torturadores, ele tem elogiado a ditadura... as pessoas estão começando a dizer que o golpe de Estado de 1964 foi na verdade o 'movimento' de 1964", disse Moura a repórteres.
O Brasil foi governado por militares durante 21 anos, a partir de 1964. Um relatório de 2014 da Comissão Nacional da Verdade revelou que centenas foram mortos ou desapareceram durante a ditadura, e que milhares foram presos.
Capitão da reserva do Exército, Bolsonaro tem expressado abertamente sua admiração pela ditadura. Ele chegou ao poder devido à insatisfação dos eleitores com os partidos políticos tradicionais e tomou posse em janeiro.
"Marighella" mostra o grupo de resistência usando meios criativos para chamar atenção para os crimes da ditadura, inclusive desviando sinais de rádio para transmitir um discurso do revolucionário.
Enquanto isso, o policial Lúcio (Bruno Gagliasso) está sob crescente pressão para reprimir o grupo, e usa uma misto de violência e destreza para contê-lo, identificando o ponto fraco dos revolucionários: sua ligação com suas famílias e aqueles que amam.
O elenco e equipe do filme entoaram gritos pela liberação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que cumpre pena de mais de 12 anos de prisão por condenação por corrupção, no tapete vermelho do evento.
A produtora de "Marighella", Andrea Barata Ribeiro, disse que ainda é incerto quando, ou até se, o filme será amplamente lançado no Brasil, e que obstáculos financeiros podem ser tão significativos quanto qualquer resistência política à produção.
"Se necessário, faremos um lançamento independente do filme por meio de crowdfunding."

Reuters
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…