Pular para o conteúdo principal

Literatura em cordel é utilizada para ensinar alunos sobre a Lei Maria da Penha

Por Samuel Pinusa, G1 CE

 
Alunos aprendem sobre a Lei Maria da Penha por meio da literatura de cordel — Foto: Arquivo pessoal
Alunos aprendem sobre a Lei Maria da Penha por meio da literatura de cordel — Foto: Arquivo pessoal

Os alunos de Fortaleza contam com uma nova maneira de aprender sobre a Lei Maria da Penha: um cordel homônimo à lei, de autoria do cearense Tião Simpatia. Tombado em 2018 como patrimônio cultural do Brasil, a literatura em cordel é utilizada pelo cearense como metodologia lúdica, com o objetivo de educar sobre o tema.
Tião Simpatia, criador do cordel e idealizador do projeto tem levado a arte para o ambiente escolar. O projeto iniciou, em Fortaleza, em novembro do ano passado, e contemplou 38 escolas até o fim do ano. Nos dois primeiros meses de 2019, o objetivo é contemplar mais 32 escolas. O evento é fruto de uma parceria entre o Instituto Maria da Penha e a Secretaria de Educação do Ceará (Seduc).
Tião revelou que a experiência, até agora, tem “superado as expectativas”. “Os alunos estão interagindo bastante, os professores também. A gente usa a arte, o cordel, a música, de uma forma que envolve todo mundo, e no final das contas, fica todo mundo animado e empolgado”, comenta Tião Simpatia.
Maria de Fátima Bezerra, diretora da Escola de Ensino Fundamental e Médio (EEFM) Luiz Gonzaga Fonseca Mota, que recebeu o projeto na última quarta-feira (6), reverbera a avaliação de Tião e considera o evento como “bom, produtivo e que deixa marcas”.
“Ele trouxe um tema muito interessante, sobretudo, para uma faixa etária de alunos que estão em processo de formação, e ele fez isso de forma lúdica, com música e cordel”, complementou Maria de Fátima.
 
Familiaridade com o cordel ajuda na compreensão do conteúdo, diz autor — Foto: Arquivo pessoal
Familiaridade com o cordel ajuda na compreensão do conteúdo, diz autor — Foto: Arquivo pessoal

“Nós acreditamos que esse debate começa pela educação, com a reflexão nas escolas. A gente, enquanto artista popular e militante dessa causa, tem comprovado que a arte tem um papel preponderante. E a literatura de cordel é genuinamente nordestina, daí os jovens daqui já se identificam”, complementa o cordelista.
Na escola, o público do evento foi composto por alunos que atualmente fazem o 9º ano do Ensino Fundamental. “Eles foram super receptivos, disseram que muitas coisas na escola deveriam chegar para eles desta forma lúdica, através da mediação da cultura e da arte”, revelou a diretora.
A interação com os alunos vai além da palestra e da conversa com o autor do cordel. “No projeto prevê, a distribuição do Cordel. Não é só a palestra. Os alunos ficam com o folheto da Lei Maria da Penha para que eles possam usar posteriormente, seja na escola ou na comunidade”, destaca Simpatia.

Ampliação do projeto

O projeto iniciou em escolas municipais de Teresina, capital do Piauí. E no fim do ano passado, chegou às escolas estaduais de Fortaleza. Atualmente, apenas as instituições da Capital são contempladas mas o plano é ampliar a quantidade de escolas atendidas.
“Já estamos conversando com a Prefeitura (de Fortaleza), através da Coordenadoria de (Políticas Públicas para) Mulheres para fazer nas escolas municipais”, comentou Tião. Além dessas, Tião revela que há planos para o Interior do estado.
“Já existe uma demanda do pessoal lá do Cariri (Crato e Juazeiro) já nos comunicou, querendo o projeto. Também há demanda na região Norte, Camocim, Granja”, complementa o artista.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…