Pular para o conteúdo principal

Mantenha viva a esperança

Não deixe sua criança interior desanimar!

GIRL
Bem cedo percebemos que temos pouco controle sobre a vida. Se você teve pais que tinham pouca grana, provavelmente ouviu a frase ‘na volta a gente compra’ quando pedia por algum brinquedo na loja. E bem, é provável que não tenha havido volta e muito menos a compra do brinquedo.
Talvez isso tenha moldado o seu caráter, talvez, com muita sorte, você faça parte da pequena porcentagem da sociedade que soube fazer de algo dolorido, um aprendizado.
Mas, se assim como eu, você acabou ainda cedo percebendo como não possuímos controle de nada e como viver está atrelado à acumular frustrações, talvez você faça parte da maioria esmagadora que cresceu cercado de ansiedade e decepção.
Não ganhar um brinquedo na infância não causará traumas em – quase – ninguém, estou indo mais a fundo que isso.
Quero dizer que jovens demais percebemos – e que bom que percebemos – que não há muito o que se planejar na vida.
Você pode planejar o próximo fim de semana, o que fará para o jantar, qual vestido usará na próxima festa, você pode planejar e ligar alguns pontinhos da sua vida, mas o todo, o que acontecerá na festa, no jantar, no fim de semana, o que há entre os pontinhos, não pode ser planejado ou controlado, e sabe, tudo bem.
Eu planejava várias coisas pra janeiro. Meu deus como eu queria ter escrito mais, ter me dedicado à coisa mais doida que mais me dá prazer na vida, escrever! Mas eu simplesmente não consegui, porque quanto mais tempo eu ficava longe, mais tempo eu achava que deveria escrever algo bombástico, extremamente impactante, cheio de sabedoria e que arrancasse lágrimas dos meus leitores.
E eu não estou pronta para escrever nada desse tipo agora, então decidi que eu deveria falar exatamente sobre isso, pois quanto eu prolongar e quanto mais expectativa eu colocar em cima de meras palavras, mais difíceis de sair de mim elas serão.
Os meus planos para janeiro não aconteceram como eu imaginava, várias coisas aconteceram de maneira melhor, outras eu sequer tentei, e talvez você aí do outro lado esteja no mesmo barco que eu, então vem cá, vamos remar juntos e sair desse mês de alma tranquila e consciência limpa.
Você não precisa ter tudo sobre controle, a vida geralmente acontece quando não estamos seguindo plano algum. Foi assim que eu conheci o amor da minha vida, que escolhi minha futura profissão, que adotei minha cachorrinha, foi assim que vivi inúmeras coisas e colecionei enormes memórias.
Tá tudo bem planejar, é complicado não seguir nenhum plano né? Eu sei. Mas olha só, não adianta achar que a vida será exatamente como aquela brincadeira infantil de ligar os pontinhos e no final ter uma visão ampla de todo o desenho. Às vezes um ponto se liga no outro e simplesmente não faz sentido nenhum. Às vezes você precisa criar pontinhos onde não existe e às vezes só nos resta esperar.
Foi o que eu fiz, eu esperei todas essas semanas de janeiro, porque eu sabia que uma hora esse texto iria chegar, eu sabia que em algum momento as ideias na minha cabeça iriam fazer sentido e eu iria poder moldá-las em forma de texto.
E eu espero que tenha feito sentido pra você, eu espero que esse texto sirva como um pontinho no meio do caminho, como uma forma de ligar o você do dia 01 de janeiro, cheio de expectativas e esperança, ao você do dia 31 de janeiro, que talvez já esteja quase desistindo desse ano todo. Que essas palavras possam te levar para perto da onde há esperança.
Porque sabe aquela criança que acreditava piamente que os pais voltariam em breve na loja para buscar o tal brinquedo? Então, essa criança, por favor, não deixe essa criança cheia de esperança morrer. Tá bem?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…