Pular para o conteúdo principal

Minha opinião

Por 
Perguntaram-me, certa vez, quais as quatro personalidades públicas de atuação nacional que eu destacaria, ao longo de minha vida. Difícil indagação, vez que no período existiram figuras notáveis e não gostaria de cometer injustiças. Mas, como curioso da História do Brasil, não deixei de emitir a minha modesta opinião. 
Sei que agradarei a alguns e desagradarei a outros. Sugiro ao leitor, caso concorde ou não, pesquisar e analisar informações mais detalhadas, pois a contradita faz parte da democracia. Seguirei no resumido artigo a ordem cronológica: ministro Oswaldo Aranha, presidente Castelo Branco, deputado Ulysses Guimarães e general Villas Boas, mais recentemente. As quatro personalidades tiveram em comum a defesa da democracia e a luta contra a corrupção. 
Oswaldo Aranha, brilhante, de grande conceito internacional, foi decisivo, quando da Segunda Guerra Mundial, levou o Brasil a apoiar os Aliados, cuja liderança principal foi o então primeiro-ministro do Reino Unido, Winston Churchill, contra os países do Eixo (Alemanha, Itália e Japão) liderados, principalmente, por Hitler. Por sua vez, certo dia, governava eu o Ceará, e conversando (1986) com a mulher símbolo e orgulho do Estado, Rachel de Queiroz, perguntei-lhe: “Rachel, o Castelo era ditador?”. Ela, com a sinceridade que lhe era peculiar, respondeu: “Gonzaga, sou uma mulher vivida e lhe afirmo que o Castelo foi um democrata e detestava a corrupção. Queria apenas fazer um Governo de transição”. Já com relação a Ulysses, em conversa comigo (1992), nos últimos meses de sua vida, disse-me: “Querido governador (assim me chamava), nunca perca suas convicções democráticas e considere que a corrupção é o cupim da República”. 

Por fim, é importante manter acesa a chama da democracia e da anti-corrupção mostrada aos brasileiros, nos anos mais recentes, pelo general Villas Boas, quando comandava o Exército do Brasil. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08