Pular para o conteúdo principal

Nova edição de 'Grande Sertão: Veredas' deve atrair e formar novos leitores

Milton Hatoum, Especial para o Estado

Acervo pessoal
Bem-aventurados os que vão ler pela primeira vez Grande Sertão: Veredas. Esses leitores de qualidade, como dizia Chekhov, vão fazer uma das mais incríveis viagens da imaginação, movida por uma linguagem inovadora e exuberante. A primeira leitura de um livro complexo pede tempo, paciência e concentração. Ou, como diz o narrador Riobaldo: “O senhor espere o meu contado. Não convém a gente levantar escândalo de começo, só aos poucos é que o escuro é claro”. 
Uma vez feito o pacto com as palavras, a viagem flui e convida o leitor a uma releitura. Por falar em pacto, eis um dos temas centrais do romance de João Guimarães Rosa: o pacto com o diabo, um tema explorado por Goethe e Thomas Mann, e reformulado nessa história de amores e guerras entre bandos de jagunços no centro-norte de Minas. 
As histórias narradas pelo ex-chefe jagunço Riobaldo (agora um fazendeiro velho e cansado) deságuam numa espécie de mar épico, em pleno sertão mineiro. Os inúmeros caminhos percorridos por dezenas de personagens indicam com exatidão a fauna, a flora e a geografia de uma região vivenciada e estudada pelo autor. A natureza e a cultura do cerrado são consubstanciais à narrativa. Mas dentro desse mundo concreto de tantos sertões há outro, igualmente vasto, rico e complexo: o mundo interior, íntimo e subjetivo das personagens. “Sertão: é dentro da gente.”
Riobaldo conduz o curso da longa narração, quase sempre duvidando de suas afirmações e questionando certezas. Esse fluxo da consciência parece abarcar tudo, em várias camadas misturadas: histórica, social, política, amorosa, filosófica, simbólica. A história de amor dos jagunços Riobaldo e Reinaldo (Diadorim) talvez seja a mais transgressora do romance.
Na primeira leitura só conhecemos a verdadeira identidade de Diadorim nas páginas finais. Ao reler o livro, é possível perceber indícios fortes dessa identidade numa passagem em que o ódio, o amor e o diabo estão misturados: o encontro entre Diadorim e Otacília, futura noiva de Riobaldo, na presença deste. Diadorim é o amor impossível, platônico do chefe jagunço. Essa passagem acontece na Fazenda Santa Catarina.
Um pouco antes desse encontro, Riobaldo fala a seu interlocutor e ao leitor sobre o ódio que sente de Hermógenes, o “demo”: “Eu criava nojo dele, já disse ao senhor. Aversão que revém de locas profundas. Aquele Hermógenes era matador – o de judiar de criaturas filhos-de-deus – felão de mau”. O narrador sente essa raiva quando vê pela primeira vez o Hermógenes, um “homem sem anjo-da-guarda”.
Para Riobaldo, o ódio ajuda a aumentar o amor por outra pessoa, um amor difuso, que “cresce de todo lado”. Ou ainda: “Coração mistura amores. Tudo cabe”. Depois desse solilóquio sobre o demônio, o amor e o ódio, ele narra a passagem pela Fazenda Santa Catarina, onde vê Otacília, “fina de recanto, em seu realce de mocidade, mimo de alecrim, a firme presença”. Toda essa sequência de amor e “açoite de ciúme” é narrada sob o signo do olhar, do gesto e da fala sutis: “Fui eu que primeiro encaminhei a ela os olhos. Molhei mão em mel, regrei minha língua”. 
Esse encontro na Santa Catarina, uma fazenda “perto do céu”, ocorre no mês de maio. O céu é citado três vezes nessa primavera, quando no ar dos gerais há borboletas brancas, pássaros, pombas no bebedouro e as “verdadeiras, altas, cruzando do mato”. É nesse lugar idílico, num tempo sem hora, que Riobaldo revela o ciúme de Otacília por Diadorim, e a raiva deste por Otacília. 
Para derrotar o Mal, Riobaldo faz um pacto com o demônio: artimanha de Guimarães Rosa que permite ao narrador especular sobre Deus e o Diabo, uma das postulações metafísicas do romance. “Travessia, Deus no meio.” Na guerra decisiva entre os bandos inimigos, liderados pelos pactários Riobaldo e Hermógenes, o triunfo sobre o demoníaco e seu desfecho trágico comovem o leitor.
Aliás, há beleza e comoção em muitas passagens deste romance. Uma delas é o primeiro encontro do jovem Riobaldo com o Menino no pequeno porto de um rio de águas claras: o de Janeiro; em seguida, ambos atravessam o São Francisco numa canoa frágil. Essa travessia do rio revolto é um rito de passagem, a primeira grande travessia da vida: a revelação do medo do jovem Riobaldo, da coragem do Menino (Reinaldo/Diadorim), e do amor entre ambos.
Outro trecho memorável é o pacto de Riobaldo com o demo num lugar chamado Veredas Mortas, cujo nome verdadeiro o leitor saberá depois. Ou ainda o julgamento de Zé Bebelo, um chefe jagunço que pretende ser deputado para abolir a barbárie na terra sem lei e modernizar o sertão, “baseando fábricas, remediando a saúde de todos, preenchendo a pobreza, estreando mil escolas”. O “cidadão e candidato” Zé Bebelo é obcecado pela lei, mas está sempre pronto para atirar e matar seus adversários.
Toda a sociedade sertaneja move-se num labirinto de muitas histórias do sertão-mundo, habitado por personagens memoráveis. Na minha opinião (“pão e pães, é questão de opiniães”) Diadorim, cheio de mistérios e ambiguidades, é a própria figuração desse labirinto. Sem ele/ela, esse sertão seria tão grandioso? Mas até mesmo personagens secundários adquirem relevo e presença. Como esquecer Rosa’uarda, que ensina ao narrador “as primeiras bandalheiras, e as completas”? O alemão Emílio Wusp, que diz a Riobaldo: “Senhor atira bem, porque atira com espírito. Sempre o espírito é que acerta...”. Ou seô Habão (Abrão), terrível fazendeiro e apologista do progresso? Ou ainda as histórias escabrosas de Maria Mutema, assassina que se torna santa? Sem falar de tantos jagunços, alguns de grande dignidade, como Joca Ramiro. 
A virtuosidade de Guimarães Rosa na construção dos personagens e na arquitetura do romance está intimamente ligada à linguagem, astro maior do Grande Sertão: Veredas. A fala do sertanejo, ponto de partida da linguagem escrita, é elaborada com uma liberdade e um poder inventivos incomuns. Há brilho, insight e lirismo em inúmeras passagens. Lirismo que não é “poetagem”, como diz Riobaldo, e sim parte constitutiva da prosa, algo raro e dificílimo numa narrativa tão extensa.
O estilo, singular e inimitável, rompe com a tradição de muitos romances regionalistas, que separam o discurso do narrador culto da fala dos personagens populares. Aqui, culto e popular são inseparáveis, como já fizera Graciliano Ramos em Vidas Secas (1937). 
reedição sofisticada desse clássico, que inclui cinco ótimos ensaios críticos, deve atrair e formar novos leitores. Dentre tantas coisas essenciais, falta à modernidade manca deste “país de mil-e-tantas-misérias” uma formação educacional consistente, que passa necessariamente pela leitura crítica de bons livros de ficção e poesia brasileiros. 
A obra-prima de Guimarães Rosa é uma sondagem profunda da alma humana, com suas várias faces, a que não faltam contradições e dúvidas, perplexidades e indagações. Leitores brasileiros e estrangeiros sentem isso e refletem sobre questões existenciais, metafísicas, sociais, políticas.
Ao mesmo tempo, o romance remete ao atraso histórico, à extrema violência e à miséria do Brasil. É possível fazer uma analogia entre a barbárie dos jagunços-matadores do passado com a barbárie dos bandos de traficantes e policiais-milicianos do presente. A injustiça e a impunidade são irmãs siamesas, ontem e hoje. 
O leitor paciente encontrará na beleza desse romance uma alegria perene, “um descanso na loucura”. Não é pouco neste tempo obscuro, em que a estupidez e a ignorância nos palácios do poder e nas redes sociais assumem ares arrogantes e ameaçadores. O sertão, de “constante brutalidade”, é o Brasil mesmo, por inteiro. 
Logo no começo, a alma de Riobaldo é aparentemente pacificada pelo interlocutor: “E as ideias instruídas do senhor me fornecem paz. Principalmente a confirmação, que me deu, de que o Tal não existe”. O Tal é o demo, dono de muitos nomes. Mas, para Riobaldo, que já vendera a alma ao capeta, o embate com o Mal persistirá até o fim, quando o narrador diz: “O diabo não há! É o que eu digo, se for... Existe é homem humano. Travessia”.

MILTON HATOUM É ESCRITOR E  COLUNISTA DO ‘C2’

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…