Pular para o conteúdo principal

Oscar: academia recebe críticas após decidir entregar prêmios durante intervalo

Na noite de 24 de fevereiro, quatro categorias serão apresentadas durante o intervalo comercial: fotografia, edição, curta-metragem e maquiagem e penteado.
"Não quero presumir quais categorias devem ser cortadas durante o Oscar, mas fotografia e edição estão no coração do que nós fazemos", disse o cineasta Guillermo Del Toro. (AFP)

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas revelou nessa segunda-feira, 11, que decidiu quebrar este ano a tradição de apresentar todas as 24 categorias do Oscar durante a transmissão televisiva ao vivo da cerimônia de premiação.
Na noite de 24 de fevereiro, quando será realizada a 91ª cerimônia do Oscar, quatro categorias serão apresentadas durante o intervalo comercial. As escolhidas para o corte foram fotografia, edição, curta-metragem e maquiagem e penteado.
De acordo com o site Hollywood Reporter, o presidente da Academia, John Bailey, anunciou que a entrega destes quatro prêmios poderá ser assistida, ao vivo, no site do Oscar. Ainda durante a transmissão pela TV, serão exibidos os discursos gravados dos vencedores.
Bailey também prometeu, em e-mail enviado a membros da Academia, que as quatro categorias estarão de volta à transmissão ao vivo no ano que vem, quando novas quatro ou seis categorias devem ser escolhidas para ficar de fora.
A ideia central, segundo o Hollywood Reporter, é ganhar tempo na transmissão, já que serão cortadas as cenas dos vencedores das quatro categorias caminhando até o palco e seus discursos podem ser editados, se ficarem muito longos. "Nosso show precisa evoluir para continuar promovendo, com sucesso, os filmes para audiências globais", disse Bailey no e-mail.
Além da transmissão ao vivo das outras 20 categorias, a cerimônia do Oscar vai contar com apresentações das cinco músicas indicadas na categoria de melhor canção original, além de um segmento musical com a Filarmônica de Los Angeles (EUA), na hora de relembrar os mortos do último ano, na seção "In Memoriam".
Críticas
A decisão da Academia, no entanto, gerou polêmica. O cineasta mexicano Guillermo Del Toro, vencedor do prêmio de melhor filme no ano passado com A Forma da Água, foi um dos primeiros a criticar a mudança. "Não quero presumir quais categorias devem ser cortadas durante o Oscar, mas fotografia e edição estão no coração do que nós fazemos", escreveu o ator no Twitter. "Eles não são herdados de uma tradição teatral ou literária: são o próprio cinema", reforçou.
O favorito ao prêmio de fotografia deste ano, o também mexicano Alfonso Cuarón, que concorre por Roma, compartilhou a publicação de Del Toro em seu próprio Twitter e em seguida escreveu sobre o assunto.
"Na história do cinema, obras-primas não teriam existido se não fosse por som, cor, roteiro, atores e música", afirmou. "Nenhum filme jamais existiu sem fotografia e sem edição." Em sua publicação, em inglês, o diretor destacou que a categoria de fotografia, no original "cinematography", leva a palavra cinema no próprio nome.
Por fotografia, concorrem com Cuarón na categoria Lukasz Zal por Guerra Fria, Robbie Ryan por A Favorita, Caleb Deschanel por Nunca Deixe de Lembrar e Matthew Libatique por Nasce Uma Estrela.
Já na categoria de edição, estão na disputa Barry Alexander Brown por Infiltrado na Klan, John Ottman por Bohemian Rhapsody, Yorgos Mavropsaridis por A Favorita, Patrick J. Don Vito por Green Book: O Guia e Hank Corwin por Vice.
Por maquiagem e penteado, concorrem Göran Lundström e Pamela Goldammer por Border, Jenny Shircore, Marc Pilcher e Jessica Brooks por Duas Rainhas e Greg Cannom, Kate Biscoe e Patricia Dehaney por Vice.
Este ano, os curta-metragens em live-action que disputam a estatueta do Oscar são Detainment , de Vincent Lambe e Darren Mahon; Fauve, de Jérémy Comte e Maria Gracia Turgeon; Marguerite de Marianne Farley e Marie-Hélène Panisset; Mother, de Rodrigo Sorogoyen e María del Puy Alvarado; e Skin, de Guy Nattiv e Jaime Ray Newman.

Agência Estado

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/