Pular para o conteúdo principal

Pádua Lopes é empossado membro da Academia Cearense de Letras

Em cerimônia no Palácio da Luz, sede da ACL, o diretor superintendente do Diário do Nordeste assumiu a cadeira número 38 da instituição e discursou sobre a importância da Literatura para uma sociedade crítica e bem informada


O jornalista e escritor Pádua Lopes assume uma cadeira historicamente ocupada por grandes nomes da Imprensa do Estado, na Academia Cearense de LetrasFoto: Camila Lima
O jornalista e diretor superintendente do Diário do Nordeste, Pádua Lopes, foi empossado, ontem, na cadeira de número 38 da Academia Cearense de Letras (ACL), a entidade literária máxima do Estado. A instituição é a mais antiga do gênero no Brasil, fundada em 15 de agosto de 1894, três anos antes da Academia Brasileira de Letras. A cerimônia de posse aconteceu no Palácio da Luz, sede da ACL, no Centro de Fortaleza.
Além da relevante trajetória no jornalismo cearense, o novo acadêmico tem contribuições nas áreas jurídica e literária, sendo autor do romance "Safira não é flor". Em discurso de posse, Pádua agradeceu aos fundadores do Grupo Edson Queiroz. "Em função diretiva no Sistema Verdes Mares, tive o privilégio de conviver com Dona Yolanda Queiroz e o chanceler Airton Queiroz, os quais me incentivaram a aprimorar os conhecimentos sobre arte e cultura. A eles, que pairam na dimensão do infinito, a minha gratidão e o meu pleito de saudade", emocionou-se.
Durante o discurso de posse, Pádua Lopes agradeceu também ao ex-presidente da ACL, Ubiratan Aguiar, e à atual presidenta, Ângela Gutiérrez, primeira mulher a dirigir o soldalício. O jornalista destacou, ainda, a "linha mestra" que perpassa os ocupantes da cadeira nº 38 da ACL, já que "todos foram trabalhadores ou colaboradores da imprensa".
Pelo mesmo posto, passaram personalidades como o advogado e redator José Martins Rodrigues, primeiro a tomar posse na cadeira 38; o magistrado e poeta cearense Júlio Maciel; o ex-governador do Estado Menezes Pimentel; o advogado, jornalista e ex-deputado federal pelo estado do Ceará, Monte Arrais; e o ensaísta e crítico literário F. S. Nascimento, a quem Pádua Lopes sucede.
Assumindo-se honrado pela nomeação, o diretor superintendente do Diário do Nordeste criticou a abundância de informações "sem foco nem precisão" que chegam à sociedade atual, ressaltou a importância Literatura como "janela para a reflexão e o pensamento lúcido" e comentou a relação da arte e da cultura com a emergência de novas formas de expressão e comunicação, fomentadas pela tecnologia.
"As concepções estéticas que empolgaram e tiveram êxito até pouco tempo se deparam com as manifestações artísticas que emergem com vigor. Um embate que nos leva a questionar se a Literatura que se pratica hoje atende às exigências intelectuais e emocionais do público leitor, cada vez mais dispersivo pela diversidade das fontes de leitura e entretenimento", refletiu.
A presidenta da ACL, Ângela Gutiérrez, destacou a importância da chegada do novo integrante. "A Academia está recebendo com alegria a chegada do novo acadêmico, que tem excelência em várias áreas. Ele traz essa mente aberta para o presente e para juntar Jornalismo e Literatura", salientou.
"O Pádua chegou aqui já como unanimidade. A força, o brilho e a projeção dele, não só nas letras, mas na imprensa; fizeram com que outro não se colocasse para disputar a cadeira. Ele vai somar a experiência do jornalismo com as letras executadas nos versos e nas crônicas", disse Ubiratan Aguiar.

Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…