Pular para o conteúdo principal

A HISTÓRIA QUE FALA

Carlos Delano Rebouças*


Nos livros de História ou nas inúmeras enciclopédias que se enfileiravam na antiga estante colonial da sala de estar da casa dos meus pais, onde nasci e me criei, pude saber, embora na visão de determinados autores e editoras, muito do que aconteceu no Brasil e no mundo. Era, aliás, ainda desejamos que seja, a grande oportunidade de sabermos o que de fato transcorreu ao longo do tempo que nos embase para discussões e reflexões sobre novos rumos que a sociedade vem tomando na modernidade.

Encantava-me conhecer a história das civilizações; as diversas fases de um Brasil que ora foi colônia, ora república das mais diferentes classificações; os diversos governos que tivemos; batalhas e lutas por independência, um longo período que parece não se acabar, apenas diversificando as cores, raças e classes, de escravidão, que parece querer voltar (já voltando), ante o sepultamento dos direitos que um tal de Vargas nos deixou. Tantos fatos que me levam ao êxtase.

Não posso deixar de salientar o Golpe de 1964 e a ditadura vivida fortemente até às Diretas Já. O povo ia para as ruas cantando em coro canções de Vandré, Chico e de um tal de Caetano. O povo tinha identidade, entendia que a liberdade de expressão se conquistava nas ruas e não como hoje acontece nas redes sociais.

Hoje vivemos novos tempos, nebulosos, por sinal. O povo parece não querer fugir da ignorância, entrega-se facilmente à força, deixando-a se impor aniquilando os mais valiosos sentimentos humanos, sepultando os interesses sociais ante a insignificante vaidade de confrontar falsas ideologias, insustentáveis até que o grito da incoerência venha a calar a voz da sensatez. Assim nasce a intolerância, semeada pelo mais perigoso sentimento humano: o ódio.

Não sei como as futuras gerações contarão os fatos de hoje. Não temos mais tantos livros, nem tantos sensatos autores e editoras, ou quem sabe interesse de quem dita as regras governamentais de que saibamos a verdade dos fatos. Vivemos uma nova era, a digital, de aparelhos modernos, de imensa memória que parece não servir para armazenar fatos.

*Professor de Língua Portuguesa e redação, conteudista, palestrante e facilitador de cursos e treinamentos, especialista em educação inclusiva e revisor de textos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08