Pular para o conteúdo principal

A HISTÓRIA QUE FALA

Carlos Delano Rebouças*


Nos livros de História ou nas inúmeras enciclopédias que se enfileiravam na antiga estante colonial da sala de estar da casa dos meus pais, onde nasci e me criei, pude saber, embora na visão de determinados autores e editoras, muito do que aconteceu no Brasil e no mundo. Era, aliás, ainda desejamos que seja, a grande oportunidade de sabermos o que de fato transcorreu ao longo do tempo que nos embase para discussões e reflexões sobre novos rumos que a sociedade vem tomando na modernidade.

Encantava-me conhecer a história das civilizações; as diversas fases de um Brasil que ora foi colônia, ora república das mais diferentes classificações; os diversos governos que tivemos; batalhas e lutas por independência, um longo período que parece não se acabar, apenas diversificando as cores, raças e classes, de escravidão, que parece querer voltar (já voltando), ante o sepultamento dos direitos que um tal de Vargas nos deixou. Tantos fatos que me levam ao êxtase.

Não posso deixar de salientar o Golpe de 1964 e a ditadura vivida fortemente até às Diretas Já. O povo ia para as ruas cantando em coro canções de Vandré, Chico e de um tal de Caetano. O povo tinha identidade, entendia que a liberdade de expressão se conquistava nas ruas e não como hoje acontece nas redes sociais.

Hoje vivemos novos tempos, nebulosos, por sinal. O povo parece não querer fugir da ignorância, entrega-se facilmente à força, deixando-a se impor aniquilando os mais valiosos sentimentos humanos, sepultando os interesses sociais ante a insignificante vaidade de confrontar falsas ideologias, insustentáveis até que o grito da incoerência venha a calar a voz da sensatez. Assim nasce a intolerância, semeada pelo mais perigoso sentimento humano: o ódio.

Não sei como as futuras gerações contarão os fatos de hoje. Não temos mais tantos livros, nem tantos sensatos autores e editoras, ou quem sabe interesse de quem dita as regras governamentais de que saibamos a verdade dos fatos. Vivemos uma nova era, a digital, de aparelhos modernos, de imensa memória que parece não servir para armazenar fatos.

*Professor de Língua Portuguesa e redação, conteudista, palestrante e facilitador de cursos e treinamentos, especialista em educação inclusiva e revisor de textos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…