Pular para o conteúdo principal

Brasil na guerra

Por Paulo Eduardo Mendes - Jornalista

Criança ainda, nos idos de 1945, despertamos ao som do rádio divulgando a “Queda de Berlim” e o consequente fim da Segunda Guerra Mundial. Desfeita uma das maiores nódoas da humanidade. De resto, foram descritas as selvagerias grotescas do período da luta fratricida que tanto nos envergonhou como seres civilizados. 
Na imprensa diária, a inquietação dos jornalistas surgia em textos analíticos das curiosidades que ensejaram levar o Brasil para as fronteiras desse desequilíbrio mundial. Blanchard Girão escreveu “A Invasão dos Cabelos Dourados” contando do “uso aos abusos no tempo das Coca-Colas”. Livro texto de uma época que teve o seu lado pitoresco nos bastidores até mesmo das grandes tragédias do mundo. A edição mais recente data de 2008 e foi publicada pela editora ABC. 
Blanchard Girão produziu a “reportagem histórica”, após os tempos terríveis da guerra. Repercutiu em mistura bem dosada dos valores nossos de cada dia, sobrevivendo a hecatombe dos párias sociais que ousam deflagrar guerras. A visão jornalística de um escritor minudente não deixa sumir o lastro dessa história que pôs o Brasil na Guerra. 
Felizmente, o bom humor à brasileira deu seiva para livros do porte de “A Invasão dos Cabelos Dourados”. Foram traçadas as linhas “românticas” dessa crise mundial. Memórias vivas. Eternas. Tudo encadernado numa soberba edição de livro com fôlego suficiente para “frequentar” as edições eletrônicas que aí estão tentando ocupar os espaços dos impressos... 


O sol nasce para todos. O saudoso jornalista, escritor e advogado Blanchard Girão soube usar muito bem a tribuna em defesa da sociedade que escapou da guerra. É tempo de recordar e viver a tônica da verdadeira paz dos anseios universais. Trata-se de um livro de ontem despertando para a verdadeira política da democracia que tanto perseguimos na área do bom senso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…