Pular para o conteúdo principal

Câmara homenageia mulheres que se destacaram na luta por direitos

'É importante ter essa diversidade de mulheres sendo reconhecidas pelos seus feitos', diz a viúva de Marielle.


Marielle foi coordenadora da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) e, em 2016, foi eleita vereadora.

Marielle foi coordenadora da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) e, em 2016, foi eleita vereadora. (Cleia Viana/Câmara dos Deputados)
Em sessão solene no plenário da Câmara dos Deputados, a Medalha Mietta Santiago foi entregue hoje (19) a cinco mulheres que se destacaram na luta por direitos. Nesta edição do prêmio, a segunda, foi concedido um prêmio póstumo à vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ). A professora Gina Vieira Ponte, a médica Beatriz Bohrer de Amaral, a cientista Gabriela Barreto Lemos e a doutora em Bioquímica Debora Foguel também receberam a medalha.
Criada em 2017 pela Secretaria da Mulher da Câmara dos Deputados, a condecoração tem por objetivo valorizar iniciativas relacionadas aos direitos das mulheres e é entregue anualmente em março, em comemoração ao Dia Internacional da Mulher (8).
Entrega da Medalha Mietta Santiago (Cleia Viana/Câmara dos Deputados)Entrega da Medalha Mietta Santiago (Cleia Viana/Câmara dos Deputados)
A viúva de Marielle, Mônica Benício, recebeu a medalha em memória da vereadora, assassinada a tiros em 14 de março de 2018. Marielle foi coordenadora da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) e, em 2016, foi eleita vereadora.
“É importante ter essa diversidade de mulheres sendo reconhecidas pelos seus feitos”, disse Mônica. “Tem um significado emotivo muito grande para mim, mas acho que socialmente diz muita coisa porque é mais um espaço de reconhecimento, onde a gente pode denunciar o que foi a barbárie, mas também pode homenagear o que foi a luta da Marielle.”
A professora brasiliense Gina Vieira Ponte é criadora do premiado projeto Mulheres Inspiradoras, que incentiva a leitura de grandes autoras da literatura mundial e brasileira e instiga crianças e adolescentes a contarem a própria história.
Gina lembrou que sua trajetória é marcada pelo combate ao racismo e machismo na sociedade. Segundo a professora, o projeto Mulheres Inspiradoras, voltado para estudantes de escola pública, tem o objetivo de levar os jovens a entrar em contato com a história de grandes mulheres.
A cientista Gabriela Barreto Lemos desenvolveu pesquisa inovadora, que permite a captação de fotografias através da reprodução de pequenos feixes de partículas, possibilitando a construção de uma imagem que não é visível a olho nu, como um ferimento interno no corpo humano.
Em discurso, Gabriela destacou que as mulheres podem ser cientistas e devem ter seus direitos respeitados e sua voz ouvida. Ela também ressaltou que o governo deve voltar a investir fortemente em ciência e lembrou da queda drástica de recursos para as universidades públicas nos últimos anos.
A doutora em bioquímica Debora Foguel se dedica ao estudo dos mecanismos responsáveis pelo desdobramento incorreto das proteínas, que levam à formação de agregados amiloides, responsáveis por doenças como Alzheimer, Parkinson e polineuropatia amiloidótica familiar.
Debora ressaltou a importância da ciência para o país e exemplificou com o protagonismo do Brasil nas pesquisas sobre a zika. “O Brasil responde por 25% do conhecimento sobre o assunto no planeta”, disse Debora. Segundo ela, esse conhecimento está pavimentando o caminho para se chegar a uma vacina contra a doença. “Precisamos de recursos para pesquisa”, completou.
A médica Beatriz Bohrer de Amaral, que trabalha pela promoção da saúde da mulher, no diagnóstico precoce do câncer de mama e da osteoporose, é coordenadora do Projeto Mulher & Saúde, que dissemina informação às mulheres sobre hábitos e cuidados necessários à saúde da família. Para Beatriz, a Medalha Mietta Santiago renova seu compromisso de lutar pelos direitos das mulheres.
Mietta Santiago é o pseudônimo de Maria Ernestina Carneiro Santiago Manso Pereira. Nascida em Varginha, Minas Gerais, em 1903, a advogada impetrou mandado de segurança em 1928, questionando a proibição do voto feminino no Brasil. Mietta afirmou que isso violava a Constituição então vigente, que não vetava o voto feminino. Ela conseguiu o direito de votar e de concorrer ao cargo de deputada federal. Mietta Santiago morreu em 1995.

Agência Brasil

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…