Carolina Maria de Jesus é homenageada com o Doodle do Google

Dia 14 de março de 2019 celebra os 105 anos do nascimento da escritora, autora de 'Quarto de Despejo' e outras obras

Redação, O Estado de S. Paulo

O Doodle (imagem inicial do Google) homenageia nesta quinta-feira, 14, a escritora Carolina Maria de Jesus (1914-1977). Completam-se nesta data os 105 anos de nascimento da autora de Quarto de Despejo (1960), Casa de Alvenaria e Provérbios(1962) e outros livros publicados postumamente.
Doodle
O Doodle de Carolina Maria de Jesus Foto: Google
Nascida em Sacramento (MG), Carolina viveu parte de sua vida na favela do Canindé, na zona norte de São Paulo, onde sustentou sozinha os seus três filhos, trabalhando como catadora de lixo.
Em 1960, publicou Quarto de Despejo: Diário de uma Favelada. Após o lançamento, a obra teve mais três edições, com um total de 100 mil exemplares vendidos e tradução para 15 idiomas. 
O acervo da escritora está no Instituto Moreira Salles desde 2006: são dois cadernos manuscritos – Um Brasil para os Brasileiros: Contos e Poemas, e outra coletânea do mesmo gênero, sem título – além de um LP gravado em 1961.
A obra de Carolina Maria de Jesus passa nos últimos anos por uma revisão e um resgate histórico. Além de reedições e diversos eventos discutindo seu trabalho, uma biografia foi lançada em 2018 (Carolina: Uma Biografia, do jornalista e crítico literário Tom Farias, pela editora Malê).
Em 2019, um júri ecumênico ligado ao Festival de Quadrinhos de Angoulême, na França, o maior evento da área no mundo, concedeu seu prêmio especial deste ano ao livro Carolina, de Sirlene Barbosa e João Pinheiro, publicado originalmente no Brasil pela editora Veneta em 2017. O quadrinho conta a história de Carolina Maria de Jesus.
Cultura/Estadão

Comentários

Mais Visitadas

Cyberbullying: sofrimento causado através da tela

José, servo bom e fiel

STJ proíbe cobrança de taxa de conveniência na venda de ingressos pela internet

Campus Party 2018 vendeu 30% a mais de ingressos que edição anterior

Bullycídio e as previsões no ordenamento jurídico