Pular para o conteúdo principal

É FÁCIL GOVERNAR PARA RICOS

Prof. Victor Calabria*

A imagem pode conter: Victor Calabria, sorrindo, sentado e área interna
É fácil governar para ricos, lógico! Não são eles que precisam do Estado! Não são eles que precisam do SUS, da Escola Pública, da Universidade Pública, dos programas assistenciais, das farmácias populares. Se eles (os ricos) se matam de estudar para passar em cursos super concorridos nas instituições públicas e não conseguem lograr êxito, não há problema, o "painho" paga o curso desejado numa universidade particular mesmo! É muito fácil discursar para ricos, para empresários e para a casta da sociedade! Mais fácil ainda é dizer aos demais, aos pobres, aos marginalizados, àqueles que não têm meios de sobrevivência, que tudo pode ser, facilmente, resolvido na BALA. 

Afinal, já são tão deixados à parte pela sociedade mesmo, não é? Lembro-me dos versos de João Cabral de Melo Neto, em seu magnífico poema "Morte e Vida Severina", em que sabiamente declama:"Essa cova em que estás, com palmos medida, é a cota menor que tiraste em vida. — É de bom tamanho, nem largo nem fundo, é a parte que te cabe neste latifúndio [...]. É triste, é desumano, mas é assim que muitos veem o próximo. Aqueles que, muitas vezes, são produtos do meio para os quais nada foi dado, ou dos quais muito foi tirado!

Eu não tenho como ser professor da rede pública de ensino, da periferia de Fortaleza e fechar os olhos para essa realidade tão lastimável. Eu não posso defender um Plano de Governo que não veja o social ou pensa em resolver os problemas sociais com bala, instigando a violência. Há bandidos que tiram vidas, é verdade, e quantas outras vidas não são tiradas pela ausência do Estado no estabelecimento dessa legislação? A mesma que promete aos compatriotas condições mínimas de dignidade? NÃO! Eu não posso ser conivente com isso, eu rasgaria metade de meu papel cidadão! Eu não posso simplesmente expurgar aquele a quem sequer foram dadas condições de ser, minimamente, humano! Nesse sentido, vem-me muito fortemente os versos de Manuel Bandeira: "O bicho não era um cão, não era um gato, não era um rato. O bicho, meu Deus, era um homem."

É de tamanho espanto, em sociedade tão marcada pela desigualdade, vermos tanta riqueza em dissonância com tanta pobreza. Tantos morrendo para só assim se acomodarem em sua própria terra, cujo espaço tem, tão somente, a dimensão de seu corpo, e ao enxergar tantos carros de luxo, palácios e mansões... uma "senhorita" que passeia com seu 'cachorrinho' que, certamente, para ter sido tosado lhe subtraiu bem mais que a alimentação mensal de um cidadão brasileiro que, parafraseando Bandeira, não é cão, não é gato, não é rato! Espante-se: é homem! É meu semelhante!

Não! Como Católico, como professor e, acima de tudo, inclusive do Brasil, como humano, eu não posso ser conivente com aquele que pode aumentar o sofrimento de famílias já tão dilaceradas pela ineficiência do Estado epela má distribuição de renda!

*Professor de Língua Portuguesa e Literatura da rede pública estadual (SEDUC) e municipal (SME/Fortaleza) de ensino e de Língua e Cultura Italiana na rede privada. Doutorando em Linguística (UFC), Mestre em Linguística (UFC) e Especialista em Gestão Escolar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…