Economia: observações básicas

Por 
Os princípios da Ciência Econômica giram em torno de duas vertentes: a lei da procura e a lei da oferta. Dentro do sistema cartesiano, há o eixo horizontal (abscissas) cruzando o eixo vertical (ordenadas), em 90 graus, formando as conhecidas coordenadas. Assim, obtém-se quatro partes ou quadrantes. No caso de uma análise (preço de mercado x quantidade procurada ou ofertada de um bem), considerando-se o 1º quadrante e ainda no eixo horizontal a quantidade do bem e no vertical o preço, a curva de demanda é descensional da esquerda para a direita e a de oferta é ascensional também da esquerda para a direita. A interseção das curvas é o ponto de equilíbrio. 
Existem alguns aspectos que precisam ser observados como é o caso dos bens de Giffen, a elasticidade- preço, a elasticidade-renda, a tese de Laiffer, etc. No entanto, a base de uma análise econômica e financeira, tanto micro quanto macroeconômica, envolvendo qualquer bem ou serviço, é a lei da oferta e da procura. Quando se examinam objetivos e metas; escassez; incerteza e risco; custos e benefícios; distribuição de resultados; emprego; desigualdades; relações internacionais e câmbio; sistema fiscal; dentre outras áreas, a mencionada lei deve ser focada com muita atenção. 
Alguns economistas utilizam, sistematicamente, a matemática para explicar os fenômenos econômicos e financeiros. Derivadas, integrais, equações em diferenças finitas podem ou não colaborar. O importante é ter o bom senso para não exagerar e avaliar com critério, pois a Economia é uma Ciência Social, portanto não exata. 

Vale lembrar, para reflexão, frases de Ludwig von Mises: “A Economia não trata de coisas ou de objetos materiais tangíveis; trata de homens, de suas apreciações e das ações que daí derivam”; e também de Keynes: “A verdadeira dificuldade não está em aceitar ideias novas, mas escapar das antigas”.

Comentários

Mais Visitadas

Campus Party 2018 vendeu 30% a mais de ingressos que edição anterior

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

VIVENDO E APRENDENDO

Escritora portuguesa constrói alegoria sobre passado e presente do Brasil