Pular para o conteúdo principal

Festival de Fotografia Foto em Pauta: imagens da tragédia de Brumadinho serão exibidas em Tiradentes

Festival de Fotografia de Tiradentes Foto em Pauta 2019 apresenta trabalhos de fotógrafos do Sul do país e abre espaço para imagens sobre a tragédia de Brumadinho.


Vento Sul: Selene Sanmartin.
Vento Sul: Selene Sanmartin.
Por Thiago Ventura
Repórter DomTotal

Em sua nona edição, o Festival de Fotografia de Tiradentes Foto em Pauta 2019 não poderia deixar de abordar a tragédia de Brumadinho, crime ambiental ocorrido a cerca de 150 quilômetros da cidade histórica mineira. O drama humano e ambiental é objeto de uma das exposições do evento, além da projeção de fotos 'Testemunhos para o Não Esquecimento'.

Clique na foto acima e confira mais fotos! 

O festival tem como destaques uma exposição com trabalhos de fotógrafos dos três estados da Região Sul do Brasil e uma mostra com imagens inspiradas em sonhos e devaneios. A programação é gratuita, mas o festival também oferece curso e workshops pagos.

Outro ponto chave do Foto em Pauta 2019 é a mostra 'Ameríndios do Brasil', do fotógrafo e documentarista Renato Soares. O artista participou do Congresso Internacional de Direito Ambiental 2018, realizado pela Dom Helder Escola de Direito. O trabalho do fotógrafo consiste na documentação sistemática da rica diversidade étnica brasileira neste início de século 21.

Júlia Pontes
Júlia Pontes
De acordo com o fotógrafo Eugênio Sávio, realizador do Foto em Pauta e do Festival de Fotografia de Tiradentes, esta nona edição contempla um grande espectro da produção brasileira, exibindo trabalhos realizados de Sul a Norte do país. "A expectativa é muito boa, principalmente por ser este ano, um festival tão nacional", aponta.

Sávio destaca a projeção de fotos sobre a tragédia de Brumadinho como uma forma de manter ativa a indignação geral ante a mais um crime ambiental ocorrido em mineração. "Precisamos trazer essas imagens para o festival. Não podemos esquecer," Numa convocatória, realizada poucos dias antes do início do evento, fotógrafos podem enviar até dez imagens de Brumadinho para uma exibição ao ar livre. "Num momento em que a comunicação contemporânea se dá pela forma imagética, a fotografia se afirma como um poderoso instrumento de transformação humana e social", aponta o edital.

Nessa mesma linha, a mostra 'Ó Minas Gerais - Paisagens transitórias', da fotógrafa Júlia Pontes, exibe uma coleção de imagens aéreas, que mostram os estragos provocados pela mineração. "A real extensão e devastação humana, social e ambiental causada pela mineração, está escondida entre as montanhas de Minas, não sendo visíveis à maioria da população. Quase um século após o surgimento das grandes mineradoras, a intensa exploração resultou em uma paisagem radicalmente alterada - e estéril", descreve a artista. As imagens são exibidas na Capela de São João Evangelista.

Ísis Medeiros
Ísis Medeiros

Em evento paralelo à programação oficial, a Casa Fototech promove bate-papo e exibe fotos de Isis Medeiros, fotógrafa que colabora com vários veículos da mídia independente e movimentos sociais. A artista registrou as tragédias de Mariana e Brumadinho e teve obras transformadas em outras plataformas, como grafites e lambe-lambes. No último caso, de Brumadinho, ela resolveu privilegiar em sua cobertura a empresa que cometeu o crime ambiental.
“Cresci muito. Foi talvez a cobertura mais difícil melhor que já fiz. Pela experiência de Mariana, eu já sabia quem eram os envolvidos, já sabia qual era o modus operandi da empresa. Assim, resolvi evidenciar os responsáveis, em vez de ressaltar somente as vítimas e os bombeiros, como forma de denunciar o que ocorreu”, destaca.


Renato Soares
Renato Soares
Atuando na mídia independente e colaborando para veículos do Brasil e estrangeiros, Ísis busca uma nova narrativa, longe da visão comercial dos veículos da imprensa tradicional. “Me surpreendi bastante com a repercussão que despertou interesse até mesmo de jornais nacionais. Acredito que a forma como cada fotógrafo lê aquilo influencia o resultado. A fotografia tem que extrapolar a si mesma e fugir do modelo padrão”, defende.


Vento e Fragmentos do Onírico
A nona edição do Festival de Fotografia de Tiradentes Foto em Pauta 2019 exibe trabalhos de 31 artistas do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. Trata-se da mostra 'Vento Sul', sob curadoria dos fotógrafos João Castilho e Pedro David. A dupla percorreu os estados de carro e analisou a produção recente de mais de 100 autores. Foi a segunda expedição fora do eixo sudeste - em 2018, o festival mostrou o trabalho de artistas do Centro-Oeste.

João Castilho descreve a metodologia de trabalho: convocatória de trabalhos, ciclo de palestras, encontro com os artistas e leitura de portfólio. A seleção não preferenciou a qualidade técnica dos trabalhos e, sim, um eixo comum para a exposição, dando espaço tanto a artistas iniciantes como consagrados, explicitando o caráter híbrido da fotografia na arte contemporânea.

"Os trabalhos têm diversidade muito grande em termos de tendência, tema e abordagem; um material diverso, que não tem nenhum filtro. A única coisa que se pede são trabalhos autorais e experimentais", aponta Cartilho. De acordo com o curador, a mostra pode ser dividida em três eixos: confluências entre pintura e fotografia, trabalhos documentais que vão atrás da intimidade do outro e paisagens típicas do Sul.
O curador ainda destaca a exibição de obras que promovem a transcendência da fotografia. “A foto vai para o vídeo, para o objeto. Na mostra, temos até esculturas. É uma das características da contemporaneidade, pois a fotografia dos novos tempos é muito híbrida. Foto e vídeo são feitos no mesmo aparelho, resultando em artes-irmãs”, ressalta.

André SanchesAndré Sanches
A exposição "Vento Sul" é exibida em dois espaços em Tiradentes a partir desta quarta-feira (27), além de uma apresentação do projeto pelos curadores no Centro Cultural Sesiminas Yves Alves.

Outra mostra de destaque no Foto em Pauta 2019 é "Fragmentos do Onírico", que bateu recorde de inscrições nos nove anos de festival. Foram 714 autores que enviaram um total de 3151 fotografias, sendo procedentes de 20 estados brasileiros, mais o Distrito Federal, e nove países. Sob a curadoria de Madu Dorella, Gabriela Sá e Anna Karina Bartolomeu, foram selecionados 42 autores, incluindo um do Equador.

Segundo Anna Karina, o trabalho de seleção foi feito "às cegas", para não favorecer nenhum artista e de modo a escolher imagens que melhor traduzissem o tema proposto. “Essa mostra é uma oportunidade muito democrática, que permite o acesso tanto de iniciantes como de fotógrafos já experientes. Foi desafiador, uma vez que a proposta é que essas imagens possam se comunicar com o público através do inconsciente, sonhos, pesadelos e devaneios”.

Para a curadora, a mostra tem a possibilidade gerar inúmeras reflexões no público. “As fotos exibidas no onírico são imagens muito mais abertas ao trabalho da imaginação. Há o ditado que ‘uma imagem vale mais que mil palavras’. Nesse caso, essa ideia transcende, pois cada foto comporta muito mais leituras, através da conexão com o inconsciente do espectador”, explica.


SERVIÇO
9º Festival de Fotografia de Tiradentes
Data: 27 a 31 de março de 2019
Locais: Centro Cultural Yves Alves, Rua Direita, nº168 - Tiradentes/MG
Inscrições para as oficinas: www.fotoempauta.com.br/festival2019/workshop/
Informações sobre o festival: www.fotoempauta.com.br/festival2019


Redação DomTotal

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…