Governabilidade

Por Gonzaga Mota - Professor aposentado da UFC

A governabilidade pode ser entendida pela qualidade intrínseca do governante, significando a importância da tranquilidade política e socioeconômica para que um governo possa desempenhar suas atividades básicas. Em todos os tempos e sob qualquer regime, a governabilidade só alcançou sucesso na medida em que se apoiou em princípios éticos. "O fim justifica os meios", conforme Maquiavel, não é uma atitude estratégica, mas uma conduta incorreta que não leva uma sociedade a uma situação de justiça, nem se baseia na essência da democracia.
Nos dias atuais existem muitos países ditos democráticos; elegem seus governantes, todavia, não apresentam uma sincera e clara harmonia entre os aspectos éticos e de governabilidade. Esses países são subdesenvolvidos, estão em fase de desenvolvimento ou, até mesmo, podem ser considerados desenvolvidos. Acreditamos que eles fazem parte de um contexto que é a nova versão do colonialismo primitivo e do imperialismo industrial, isto é, da globalização perversa. Não é justo atender a exigências monetárias e financeiras significativas, deixando o povo desempregado, com fome, sem esperança, com problemas de educação, saúde, violência, em função da falsa governabilidade. Os dirigentes de tais países chegam a rejeitar a ética, muitas vezes prometida em campanhas políticas, argumentando a necessidade da governabilidade. Lamentavelmente, alguns governantes não sabem distinguir os dois conceitos. Por sua vez, defendemos que ética e governabilidade caminhem juntas, buscando uma sociedade politicamente aberta, soberana, de economia forte e socialmente justa.

A globalização deve ser analisada mais como um processo político e cultural do que econômico. Por fim, voltamos a insistir: governabilidade e atender às reais necessidades e carências do povo e não fazer concessões e acordos que possam prejudicá-lo.

Comentários

  1. Professor Gonzaga Mota
    Ética , moral , caráter , são normas que se adquire desde os primeiros anos de vida , no seio familiar , que na minha visão são passados de pais para filhos e evidentemente aperfeiçoados nos bancos escolares e no convívio social como um todo . Não se aprende , quando o individuo chega ao poder , mesmo que democraticamente elevado a cargos eletivos , no nosso caso governantes .
    Quanto aos programas sociais ; Educação , saúde , segurança , vejo que não tem jeito , quanto mais rude o povo , melhor para o governante , não vou alongar me .
    Vivemos num mundo capitalista , em que jamais as nações desenvolvidas irão analisar como um processo político e cultural , pois somente o lucro lhes interessam . E quanto ao desemprego , creio que não estaremos mais aqui para vermos , com o avanço da tecnologia muitas atividades humanas sumirão e em seu lugar os robôs , que é bem o caso da ... Artificial em tudo . E outra coisa , vivemos em um país sem leis , casa da maria Joana , Juiz prende , promotor solta , A criminalidade subindo geometricamente , Achas que o congresso vai aprovar leis severas , para ele próprio ser punido . Por hoje é só ,
    Aderson Santana Dos Santos
    São Paulo - SP 30/03/2019

    ResponderExcluir
  2. Por uma questão ética , ou até gratidão , tenho o seguinte princípio : As pessoas que escrevem e são formadores de opinião , deveriam pelo menos dar se ao trabalho de quem o leu e fez algum comentário , mesmo que seja contrária as suas convicções , ler analisar e se achar conveniente responder . Quando escrevo e publico meus trabalhos , verifico : Comentários , críticas , correções , e agradeço pela gentileza de ser meu leitor . É assim que faço .
    Aderson Santana Dos Santos
    São Paulo , 01 Abril 2019

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Mais Visitadas

Principal nome da literatura feita para crianças no Ceará, Horácio Dídimo, morto em 2018, pode ser homenageado em Dia Estadual da Literatura Infantil

VIVER A SEMANA SANTA

Praça Luiza Távora, em Fortaleza, abrigou castelo

Festival de literatura promove ‘maratona’ com 40 atividades em Bauru

Cientista político lança livro sobre a influência da Lava Jato no eleitor