Pular para o conteúdo principal

SÃO JOSÉ: A chuva floresce um gosto de sertão

No dia do padroeiro do Ceará, O POVO explica porque o cearense tem apreço pelo céu carregado e traz histórias de quem guarda na chuva afeto, fé e alegria

Tempo Chuvoso
Tempo Chuvoso (Foto: Mateus Dantas)
Numa terra que carece de água, chuva é bom presságio, é terra molhada, é Caatinga verde, é alegria de menino debaixo de bica. A chuva é acalanto e, para as bandas de cá, é mais: é parte do que é ser cearense. Gostar do dia branco é identitário. E hoje, nesse 19 que se celebra o padroeiro São José, é desses dias que a esperança sertaneja que se acumula no coração sangra feito açude cheio.
"A chuva é sempre benfazeja. No Ceará, é prova da existência e da misericórdia dos deuses. Eu ousaria parafrasear o samba e dizer que no Ceará, quem não gosta de chuva 'é ruim da cabeça ou doente do pé'. A chuva é a esperança de dias melhores", deságua o professor, jornalista, escritor, pesquisador e doutor em Comunicação e Semiótica pela PUC de São Paulo, Gilmar de Carvalho.
Com uma cultura que remete às secas cíclicas, o apreço pela chuva é forte no Interior, mas se derrama também pela Capital. Gilmar chama Fortaleza de "a maior cidade sertaneja do Brasil" e acredita que, apesar do apagamento que vai sendo feito dos símbolos do sertão, a chuva sobrevive como uma "paixão arraigada".
"Não conseguimos abrir mão deste sentimento tão forte. É herança sertaneja, sim, trazida pelas rezadeiras, pelas histórias de 'trancoso' que nos contavam à noite, pelos sinais de chuvas, antecipadas pelas pedras de sal colocadas no parapeito das janelas. Este afeto pelas chuvas se espalha, em meio a trovões, relâmpagos, raios das tempestades ou a chuvinha fina, 'sereno', que faz pouco barulho e molha ainda mais o chão que nos acolhe e que um dia vai nos receber 'severinos'", sentencia.
Nome de livro de Gilmar, "bonito pra chover" é expressão que sintetiza o afeto do cearense pelo pelo céu carregado. O professor acredita se tratar de expressão antiga que tem, para ele "uma musicalidade forte e remete a cenários caleidoscópicos". "Traz a evocação das nuvens que escurecem de repente e se tornam de chumbo. As nuvens do 'bonito pra chover' não são ameaçadoras, trazem os melhores presságios. São nuvens do bem, da fertilidade, da abundância".
Junto a chuva vai se entrelaçando a fé, tanto que São José se confunde com a chuva no discurso do sertanejo. Diácono da Paróquia de São José do bairro Edson Queiroz, Erinaldo Cordeiro de Aquino, afirma que hoje, com a evolução da ciência, se sabe o porque da chuvas no dia de São José (equinócio de outono). "Mas a fé se sobrepõe a isso. O sertanejo cearense acaba por transferir a fé e a afetividade da chuva para o santo". Carpinteiro, operário, ligado à família, o santo vai sendo espelho para o povo. "Tentam racionalizar nossa imaginação dizendo, cientificamente, que as chuvas vêm por conta do equinócio de outono. Continuaremos a acreditar no mistério e a ver a mediação de José, como índice de sua santidade e loucura", acredita Gilmar.
DOMITILA ANDRADE
O Povo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…