Pular para o conteúdo principal

Artista visual cearense participa da 13º Bienal de Havana

Ruy Cézar Campos leva parte do seu trabalho A rede vem do mar para a tradicional bienal de artes visuais de Havana, que conta com 83 convidados de 45 países

Obra Pontos Terminais Emaranhados
A Bienal de Havana, um dos mais prestigiados eventos em artes visuais da América Latina, traz à tona não apenas as produções culturais de Cuba, mas tem sido espaço de expressão artística do hemisfério sul e do mundo desde sua primeira edição, em 1984. A Construção do Possível é o título da edição deste ano, que ocorre entre 12 de abril e 12 de maio e conta com a participação do artista cearense Ruy Cezar Campos.
Ruy Cézar apresenta no evento três trabalhos audiovisuais - Circunvizinhas, A Chegada de Monet e Pontos Terminais Emaranhados. Eles fazem parte da exposição A Rede Vem do Mar, trabalho que levou mais de um ano de pesquisa entre Fortaleza, Angola e Colômbia, e apresentada na Capital em 2017 em um contêiner instalado na Praia do Futuro.
"Eu estabeleço relações entre infraestruturas da internet e as geografias que existem no entorno dessas infraestruturas, e com esse trabalho penso em como essa dimensão tecnológica da contemporaneidade não deve estar apartada da realidade social que as envolve", explica Ruy. Seus trabalhos tratam das conexões entre infraestrutura de cabos submarinos, paisagem, corpo, avanço tecnológico e precariedade social, utilizando-se de metodologias que envolvem práticas de performance, de documentário e ficção.
Além de Sérvulo Esmeraldo na primeira edição do evento em 1984, outros cearenses que já participaram do evento foram José Guedes, em 2006, e Franzé Chaves, em 1989. "Fico muito lisonjeado pelo convite da Bienal, um dos eventos mais tradicionais e significativos das artes nas Américas. É uma oportunidade única de entrar em contato com artistas diversos do sul global e com o mundo da arte no geral", finaliza. 
(Ivig Freitas/ Especial para O POVO)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/