BIENAL DO LIVRO 2019



Em tempos de tantas notícias ruins e de tanta violência, vamos falar sobre boas práticas que nos trazem alento e que fazem a diferença.
A Secretaria de Cultura do Estado do Ceará promoveu o lançamento da XIII Bienal Internacional do Livro do Ceará, a ocorrer nos dias 16 a 25 de agosto de 2019, no Centro de Eventos, cujo tema será: “As cidades e os livros”.
A Bienal nao se limitará ao Centro de Eventos e se estenderá a parques, praias e praças.
A Bienal do Livro do Ceará, considerada um dos cinco maiores eventos literários do país, reforça o nosso pioneirismo e a nossa tradição na seara da literatura, que ofereceu ao Brasil e ao mundo expoentes como José de Alencar e Raquel de Queiroz; movimentos literários vanguardistas, a exemplo da Padaria Espiritual; a primeira academia literária do país: a Academia Cearense de Letras; e os escritores contemporâneos, muitos deles vencedores do respeitado prêmio Jabuti: Ana Miranda, Socorro Acioly e Mailson Furtado...
A exemplo da última Bienal, pela programação que foi divulgada, percebe-se a preocupação dos organizadores do evento em alcançar o máximo possível de participantes, mediante a mobilização de escolas públicas e particulares, além da promoção de diversas atrações artísticas e literárias, por meio de palestras, conferências, lançamentos de livros, mesas redondas, dentre tantas outras.
O mais interessante constatar é o cuidado em convidar estrelas da literatura internacional e nacional, sem esquecer ou mesmo minimizar a importância dos autores cearenses.
Como bem frisou o Secretário de Cultura do Estado, Fabiano Piúba, o que difere essa Bienal dos demais eventos literários é o fato “de se associar a uma política de cultura, de conhecimento, de fomento às cadeias criativas e produtivas do livro”.
Em um país que pouco se lê, ainda é surpreendente se deparar com apaixonados por livros, com inúmeros escritores independentes que levam sua literatura aos mais diversos lugares, inclusive, muitos escritores adolescentes.
Claro que ainda estamos longe de alcançar um padrão em que a maioria da população seja leitora assídua e frequente, mas muito já foi conquistado, e são eventos literários como esse que estimulam o leitor e o escritor.
Que a cidade seja sempre escrita e reescrita.
Que a cidade seja sempre lida e relida.
Que nossos livros e nossas leituras sejam sempre motivos de prazer e de alegria.
Que os livros sejam sempre nossa fonte de inspiração.
Grecianny Carvalho Cordeiro
Promotora de Justiça

Comentários

Mais Visitadas

Deus eleva os humildes

Reitoria da UECE apoia manifestações em defesa da educação brasileira e das universidades públicas

VIVENDO E APRENDENDO

Campus Party 2018 vendeu 30% a mais de ingressos que edição anterior

Maureen Bisilliat se reencontra com o seu sertão e o de Euclides da Cunha na Flip