Pular para o conteúdo principal

Gamers e projetos saudosistas fazem ressurgir os cinemas de rua

Sala principal do antigo Cine Ipiranga terá foco em games, com cerca de cem computadores e a transmissão de campeonatos profissionais.
Hall do Cine Ipiranga no último dia de atividade, em 2005.
Hall do Cine Ipiranga no último dia de atividade, em 2005. (Ernesto Rodrigues/Estadão Arquivo)

"Nota de falecimento: Aqui jaz o Cine Ipiranga", anunciava o jornal O Estado de S. Paulo em fevereiro de 2005. O texto citava o "último suspiro" da sala de cinema e encerrava: "A esperança de reviver os anos dourados dos cinemas do centro está minguando".

Catorze anos depois, a situação toma rumo distinto: o espaço tem reinauguração prevista para o segundo semestre, com o nome Arcade Omelete. Em paralelo, outros dois cinemas do centro expandido também devem reabrir, com propostas distintas: o Cine Bijou, na Praça Roosevelt, e o Cine Rex, na Bela Vista.

Além de novo nome, o Ipiranga terá um perfil mais próximo da cultura pop e gamer. "Será um novo ponto de sociabilização, como eram os cinemas no passado, só que atualizando para o público de hoje, de um jeito diferente", explica Marcelo Forlani, sócio-fundador do grupo Omelete e um dos idealizadores do projeto, bem como Facundo Guerra (grupo Vegas).

A sala principal terá foco em games, com cerca de cem computadores e a transmissão de campeonatos profissionais. Trará ainda uma área de convivência e espaço com jogos antigos, como fliperama e tabuleiros, e promoverá torneios internos, além de receber festas. A proposta se assemelha com a da Comic Con Experience, evento realizado pelo grupo Omelete anualmente e que reuniu, em 2018, 262 mil pessoas.

Também no novo Ipiranga, a sala 2 receberá maratonas e sessões especiais de filmes e séries, assim como eventos do site de cultura pop Omelete. "A ideia não é utilizá-lo como um cinema padrão, não é bater de frente com as grandes redes", explica Forlani. "Todo o local será voltado para convivência e socialização entre os fãs de games, cinema, séries, cosplay, enfim, cultura pop."

De 1943, o Cine Ipiranga tem projeto do arquiteto Rino Levi e é tombado, assim como outros expoentes da antiga Cinelândia Paulista, como o Marabá, localizado do outro lado da Avenida Ipiranga e hoje parte da PlayArte Cinemas. "Tem também o lado histórico, de estar em um lugar que é tão importante para São Paulo. O foyer (hall) já é um portal, subir aquelas escadas é diferente", comenta Forlani.

Filmes autorais

Outro cinema do centro expandido que deve abrir em breve é o Cine Bijou, que funcionou na Praça Roosevelt entre os anos 60 e 90 e tornou-se conhecido por exibir filmes autorais, pelo porte reduzido - eram 88 poltronas - e por ter sido um espaço de resistência durante a ditadura militar.

O Bijou está sendo recuperado pelo Satyros, companhia teatral que já tem dois espaços na Roosevelt. O objetivo é reabri-lo em junho, mais próximo o possível de sua versão original. A ideia nasceu um pouco no improviso, quando uma escola de teatro deixou o local. "A gente pegou o espaço meio no susto", conta Ivam Cabral, um dos fundadores da Satyros.

A sede principal do cinema recebe atividades teatrais há mais de 20 anos. "Agora, será um espaço de cinema, sobretudo, com filmes de arte, produções independentes, que não conseguem chegar no circuito", conta.

Ivam também adianta que está em desenvolvimento um projeto de sessão especial chamada provisoriamente de Filme da Minha Vida, em que um cinéfilo apresenta uma obra que considera marcante. A proposta também inclui resgatar as características originais do espaço, como o letreiro da fachada. Para isso, os investimentos iniciais serão de R$ 150 mil.

Também está em desenvolvimento um projeto para o espaço do antigo Cine Rex, inaugurado em 1940 e que deu lugar ao antigo Teatro Zaccaro. Em fase inicial, cogita-se remodelar o imóvel, mantendo a edificação original, que é tombada, para receber apresentações variadas. O novo espaço cultural é idealizado pela empresa Prevent Senior, que ainda não divulgou detalhes.

Transformação.
Para Lúcio Gomes Machado, professor aposentado da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (USP), o cinema de rua tem o potencial de transformar o entorno. "Ele retoma a função da rua, que é ter gente. E o fato de atrair pessoas para a rua faz com que o entorno se revitalize de maneira importante. Tendo mais coisas na rua, há uma força de sinergia. Um empreendimento atrai outro, o que ajuda a remontar a cena cultural na cidade."

Machado ressalta que os cinemas que serão reabertos estão ligados à história da capital. "O Cine Ipiranga é uma das obras de arquitetura mais importantes da cidade. Já o Cine Bijou é emblemático porque fez parte da formação de cinéfilos, projetando filmes que não estavam no circuito." 

Agência Estado

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…