Pular para o conteúdo principal

Grandes personagens da humanidade têm feitos narrados em livro de poeta e diplomata cearense



“Eternidade humana” é o 49º livro de Márcio Catunda e discorre sobre nomes como Homero, Leonardo da Vinci e Jesus Cristo

Márcio Catunda e seu 49º livro: percurso poético por entre a historiografia mundialFoto: Divulgação
O desejo de registrar o percurso histórico das religiões e da arte é projeto antigo do diplomata e poeta cearense Márcio Catunda. Intuito ousado, porém possível de se concretizar a partir do olhar acurado do profissional. "Eternidade Humana", nesse movimento, é obra-síntese a iluminar os percursos traçados pelo autor na realização de sua ideia primeira.
"O livro é sobre a vida de grandes personagens da História humana: os super-homens, meus ídolos. Para tanto, poetas, mártires, santos, filósofos, artistas plásticos e músicos são contemplados nesse trabalho de pesquisa e criação literária", comenta.
Detalhes que ganharão maior destaque nesta terça-feira (30), às 20h, no Ideal Clube, quando acontece o lançamento do exemplar.
A principal vertente dos textos é o realce no aspecto benevolente do ser humano; para isso, Márcio explora o bom exemplo dado pelos perfilados por meio de obras e atitudes, revelando, nesse caminhar, aspectos intrínsecos à espiritualidade, altruísmo e boas intenções, seja pelo talento criativo ou pelo idealismo da prática do bem.
A homenagem contempla, entre outros nomes, Jesus Cristo, Buda, Madre Teresa de Calcutá, Sócrates, Lao Tsé, Teresa de Ávila, Ghandi, Baudelaire, Beethoven, Santa Luzia, Vinicius de Moraes e uma grande variedade de personalidades. Poemas que acendem o gosto pelo mergulho na ternura humana.
Este é o 49º livro de Márcio Catunda, saído pela Editora Batel e com prefácio assinado por Gilberto Mendonça Teles, cujo texto sublinha: "Na obra, o leitor encontrará, por intermédio dos fragmentos antológicos que a representam, o sentido maior da poesia no ponto extremo das culturas do universo".
Na visão do poeta autor da publicação, a experiência de ter posto às vistas do público tantas obras significa um exercício efetivo na arte de escrever.
"Acredito que escrever se aprende escrevendo. E penso haver evoluído de um livro a outro, melhorando a técnica redacional, nos campos da sintaxe, da semântica e da sensibilidade. Eu diria que, em termos de quantidade, venho cumprindo a tarefa de escritor; em termos de qualidade, porém, são os outros que dirão se venho agregando valor a cada escrito, sucessivamente".
Aprendizados
Perguntado ainda sobre o que aprendeu ao imergir na trajetória dos artistas mencionados, Márcio Catunda menciona o acúmulo de conhecimentos, principalmente nas áreas de história, literatura, arte e ciência, feito que deve ser refletido no público leitor.
"Isso porque li diversas biografias de cada personagem estudado e reescrevi os textos até conseguir a forma mais resumida de contar tudo, em ritmo de poesia", dimensiona.
Além disso, ele confessa imitar outros escritores no trato poético como forma de garantir a qualidade do material, a exemplo de Jorge Luis Borges (também homenageado no livro), Thomas Carlyle, Ralph Waldo Emerson e Stefan Zweig, reconhecidos biógrafos e ensaístas. A mensagem, repassada de forma inspirada, é enfática: há uma singular grandeza espiritual a ser descoberta nos personagens.
"Ao enaltecer essa magnânimas criaturas, eu critico, indiretamente, os mesquinhos e malévolos. Realçando os feitos desses seres superiores, revelo a natureza divina do homem, sua capacidade de realizar coisas extraordinárias em nome de um ideal, inclusive o sacrifício de si em prol dos outros", detalha.
"E o mais interessante: as biografias servem para mostrar os exemplos de vida e não apenas a doutrinação teórica", complementa. Trazendo, assim, oportuna visão em um momento indigesto de pessimismo e angústia social, "Eternidade Humana" vale como leitura para injetar esperança e luz nos dias de agora, de outrora e nos que hão de vir.

Serviço
Lançamento do livro “Eternidade Humana”, de Márcio Catunda

Nesta terça-feira (30), às 20h, no Ideal Clube (Avenida Monsenhor Tabosa, 1381, Meireles). Gratuito. Contato: (85) 3248-5688
Eternidade Humana
Editora Batel
2019, 200 páginas
R$ 39

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…