Pular para o conteúdo principal

Grandes personagens da humanidade têm feitos narrados em livro de poeta e diplomata cearense



“Eternidade humana” é o 49º livro de Márcio Catunda e discorre sobre nomes como Homero, Leonardo da Vinci e Jesus Cristo

Márcio Catunda e seu 49º livro: percurso poético por entre a historiografia mundialFoto: Divulgação
O desejo de registrar o percurso histórico das religiões e da arte é projeto antigo do diplomata e poeta cearense Márcio Catunda. Intuito ousado, porém possível de se concretizar a partir do olhar acurado do profissional. "Eternidade Humana", nesse movimento, é obra-síntese a iluminar os percursos traçados pelo autor na realização de sua ideia primeira.
"O livro é sobre a vida de grandes personagens da História humana: os super-homens, meus ídolos. Para tanto, poetas, mártires, santos, filósofos, artistas plásticos e músicos são contemplados nesse trabalho de pesquisa e criação literária", comenta.
Detalhes que ganharão maior destaque nesta terça-feira (30), às 20h, no Ideal Clube, quando acontece o lançamento do exemplar.
A principal vertente dos textos é o realce no aspecto benevolente do ser humano; para isso, Márcio explora o bom exemplo dado pelos perfilados por meio de obras e atitudes, revelando, nesse caminhar, aspectos intrínsecos à espiritualidade, altruísmo e boas intenções, seja pelo talento criativo ou pelo idealismo da prática do bem.
A homenagem contempla, entre outros nomes, Jesus Cristo, Buda, Madre Teresa de Calcutá, Sócrates, Lao Tsé, Teresa de Ávila, Ghandi, Baudelaire, Beethoven, Santa Luzia, Vinicius de Moraes e uma grande variedade de personalidades. Poemas que acendem o gosto pelo mergulho na ternura humana.
Este é o 49º livro de Márcio Catunda, saído pela Editora Batel e com prefácio assinado por Gilberto Mendonça Teles, cujo texto sublinha: "Na obra, o leitor encontrará, por intermédio dos fragmentos antológicos que a representam, o sentido maior da poesia no ponto extremo das culturas do universo".
Na visão do poeta autor da publicação, a experiência de ter posto às vistas do público tantas obras significa um exercício efetivo na arte de escrever.
"Acredito que escrever se aprende escrevendo. E penso haver evoluído de um livro a outro, melhorando a técnica redacional, nos campos da sintaxe, da semântica e da sensibilidade. Eu diria que, em termos de quantidade, venho cumprindo a tarefa de escritor; em termos de qualidade, porém, são os outros que dirão se venho agregando valor a cada escrito, sucessivamente".
Aprendizados
Perguntado ainda sobre o que aprendeu ao imergir na trajetória dos artistas mencionados, Márcio Catunda menciona o acúmulo de conhecimentos, principalmente nas áreas de história, literatura, arte e ciência, feito que deve ser refletido no público leitor.
"Isso porque li diversas biografias de cada personagem estudado e reescrevi os textos até conseguir a forma mais resumida de contar tudo, em ritmo de poesia", dimensiona.
Além disso, ele confessa imitar outros escritores no trato poético como forma de garantir a qualidade do material, a exemplo de Jorge Luis Borges (também homenageado no livro), Thomas Carlyle, Ralph Waldo Emerson e Stefan Zweig, reconhecidos biógrafos e ensaístas. A mensagem, repassada de forma inspirada, é enfática: há uma singular grandeza espiritual a ser descoberta nos personagens.
"Ao enaltecer essa magnânimas criaturas, eu critico, indiretamente, os mesquinhos e malévolos. Realçando os feitos desses seres superiores, revelo a natureza divina do homem, sua capacidade de realizar coisas extraordinárias em nome de um ideal, inclusive o sacrifício de si em prol dos outros", detalha.
"E o mais interessante: as biografias servem para mostrar os exemplos de vida e não apenas a doutrinação teórica", complementa. Trazendo, assim, oportuna visão em um momento indigesto de pessimismo e angústia social, "Eternidade Humana" vale como leitura para injetar esperança e luz nos dias de agora, de outrora e nos que hão de vir.

Serviço
Lançamento do livro “Eternidade Humana”, de Márcio Catunda

Nesta terça-feira (30), às 20h, no Ideal Clube (Avenida Monsenhor Tabosa, 1381, Meireles). Gratuito. Contato: (85) 3248-5688
Eternidade Humana
Editora Batel
2019, 200 páginas
R$ 39

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…