Pular para o conteúdo principal

Jovem com Síndrome de Down é aprovada em Pedagogia, na Uece

Moliny será a primeira universitária com Down a cursar Pedagogia na Fecli, campus da Uece de IguatuFOTO: HONÓRIO BARBOSA
O patrono da Educação Brasileira, Paulo Freire, considerado um dos principais expoentes da pedagogia mundial, com 41 títulos de Doutor Honoris Causa, certa vez disse que "Educar é impregnar de sentido o que fazemos a cada instante". O pensamento do filósofo brasileiro contextualiza com perfeita harmonia a ainda breve - e já tão vitoriosa - trajetória de vida da jovem Moliny Késsya Freitas de Abreu, de 18 anos, que nasceu com Síndrome de Down.
A iguatuense foi aprovada, no último vestibular, para cursar Pedagogia na Universidade Estadual do Ceará (Uece), no Campus da Faculdade de Educação, Ciências e Letras de Iguatu (Fecli). "É uma vitória", abrevia a mãe Josefa Valdecir Abreu de Freitas.
O ambiente que cerca Moliny desde os primeiros dias de vida remete à educação. Filha de professora, a jovem tem também duas irmãs que lecionam. "Ela sempre foi muito independente e, para além disso, sempre se mostrou muito dedicada aos ensinamentos. Tivemos a preocupação de garantir a ela essa autonomia em seu desenvolvimento", lembra a irmã Mônik Kely Freitas de Abreu.
A educação que lhe foi dada parece ter sido assertiva. Moliny ingressou ainda cedo na escola da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) e começou a escrever paulatinamente sua trajetória. Após concluir o ensino fundamental na Apae, a família optou por matricular a jovem no Liceu de Iguatu para cursar o ensino médio.
Em três anos, ela se destacou e surpreendeu o corpo docente da escola. "O que mais me surpreendia nela era a participação em sala de aula. A condição dela nunca foi obstáculo para desempenhar qualquer atividade. Ela conseguia ir além. Até em seminário Moliny se destacava por ter seus trabalhos em dia e muito bem produzidos", expõe a professora Kerly Nunes Bezerra de Amorim.
A diretora do Liceu, Cláudia Medeiros, enaltece "a base educacional" que fora conferida a Moliny e destaca que o papel da escola é garantir a inclusão. "Acredito que o papel da unidade de ensino é se adaptar ao aluno que tenha qualquer necessidade para conferir a ele um ensino de qualidade", ressalta.
O fato de Moliny ter nascido com Síndrome de Down representou um desafio, mas não foi absorvido pela família como algo "a se lamentar", conforme explica sua mãe. "Tive uma gravidez com a idade já avançada e, quando tivemos a notícia, é natural que ocorresse uma preocupação extra. Afinal, há quase duas décadas, criar uma filha com Down era uma missão desafiadora, relembra Josefa.
Mas o sentimento de "medo", conta o pai, Milton de Freitas, logo foi substituído pelo carinho. "Ela é muito mais que uma filha, é um cristal", diz ele emocionado.
Rotina
A outra irmã, Môngola Keyla Freitas de Abreu, avalia que "as maiores limitações, no fundo, foram muito mais nossas do que dela, que sempre teve uma rotina normal. Tentávamos protegê-la excessivamente quando ela já era capaz. Ela faz sua própria cama, escolhe a própria roupa e cumpre todos os deveres de casa sem que seja preciso chamar sua atenção".
Com tamanho carinho recebido de todos que a cercavam, Moliny foi além das expectativas. No ano passado, foi aprovada no curso técnico de Nutrição e Dietética no IFCE, de Iguatu. A conquista, no entanto, não foi suficiente para a jovem que tinha o sonho de ser professora tal qual a mãe e as duas irmãs.
Decidida a cursar Pedagogia, Moliny criou a própria planilha de estudos e, durante todo o ano passado, se dedicou com mais afinco aos estudos. "Eu gosto muito de ler. Isso me ajudou. Durante a preparação também assistia videoaulas e tirava as dúvidas com minhas professoras", contou a jovem, que elege Biologia como a sua matéria preferida. No fim do ano, veio a coroação pelo esforço.
Moliny não só conseguiu, como foi adiante. Além da aprovação na Uece, a iguatuense obteve pontuação suficiente no Enem para cursar Geografia no IFCE. De acordo com vice-coordenador da Fecli, Pedro Silvio, ela será a primeira aluna com Down a ingressar na Universidade.
A rotina, a partir do segundo semestre deste ano, será dividida entre o curso técnico e o curso superior. A extensa carga de estudos não assusta a universitária. "Estou muito feliz. Meu coração está transbordando. Agora vou me dedicar aos dois cursos e realizar meu sonho de ser professora".

Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…